As perguntas movem o mundo!! Será mesmo??


Há muita gente que vive repetindo adágios desse tipo, como do título do post. Mas, muitas vezes, não param para refletir se esses adágios estão certos, ou completamente certos.

As perguntas, as curiosidades, movem o
mundo!!

Falam isso, pois acreditam que as curiosidades e perguntas de cientistas e pensadores é que sempre foram as precursoras das grandes descobertas da humanidade. Algumas perguntas trazem respostas ás nossas dúvidas depois de muito tempo. Outras, em alguns segundos.

Por outro lado, algumas perguntas são desnecessárias, pois as imagens já trazem, em si, as questões e as respostas. Por exemplo, nesse vídeo, me lembro de Abraham Lincoln, ex-presidente dos EUA do séc. XIX, recomendando:

É melhor você continuar calado, deixando que os
outros pensem que você é um idiota, do que abrir a boca e acabar com dúvida de
todos!!

Há curiosidades que, ao invés de levarem a soluções para certo problema, levam a alternativas para outros problemas, bem mais sérios.

Na verdade, acho que as perguntas não movem nada. E sim a disposição em respondê-las. Cito o exemplo dos escândalos de corrupção em Brasília e os resultados das CPIs. Perguntas e inquéritos não respondidos. Nenhum avanço. Brasília na Idade da Pedra. Cobra comendo cobra!! Quem pode mais, chora menos!! Manda quem pode, obedece quem tem juízo!!

O que move o mundo é a sucessão harmônica de perguntas e respostas, que levam a outros questionamentos, que trazem outras respostas e curiosidades. O conhecimento é dinâmico, mas a humanidade caminha a passos de formiga, sem vontade. Tudo é questionável, a princípio, mas as respostas são omitidas, negligenciadas. É o caso da questão filosófica fundamental: “Por que alguns cornos são tão mansos, e os que fingem não ser, por que se mostram tão idiotas??

Alguns diálogos são emblemáticos, e mostram como perguntas e respostas, bem intercalados, podem provocar avanços em nossa História Geral (e em nossas histórias particulares):

Lady Aston, dama inglesa, diz :
Winston (Churchill), você não passa de um bêbado.
E ele, sem perder a compostura :
E você, minha querida, É FEIA.
Mas, amanhã eu estarei sóbrio.

Lady Aston: Se eu fosse sua mulher, colocaria veneno em seu chá.
E ele : E se eu fosse seu marido, tomaria o chá com prazer.

No entanto, há os monólogos, que trazem dúvidas, e nas dúvidas suas próprias respostas. Algumas perguntas, em forma de imagens, são auto-explicativas.

Agora me respondam: do que adianta nos fazermos as perguntas certas, obter algumas respostas, se muito do que faria o mundo (o Brasil é um mundo à parte) mudar e evoluir simplesmente é negligenciado por todos nós?? Revejam o vídeo acima.

Quero reencarnar como Patrick Swayze.


Em primeiro lugar, quero dizer que não sou gay nem mesmo apaixonado pelo Patrick Swayze. Mas sei reconhecer quando o cara tem “presença”. O cara é bonito mesmo, e se eu pudesse escolher, reencarnaria como Patrick Swayze.

Está certo: não estou com essa bola toda. Também não acho que ele seja o tipo estético “perfeito”, considerado pela mulhereada. Acho que ele tinha algo, como um charme inusitado, que fazia as mulheres fantasiarem. Era algo mais do que simplesmente um rosto bonito. Era instintivo, ele mexia com os instintos das mulheres. Tinha um olhar enfurecido de quem sabe o que quer e sabe onde pode chegar. Isso passa segurança, e uma coisa que aprendi é que as mulheres, mais do que simplesmente a imagem, valorizam a segurança que um homem pode passar.

Nas entrevistas dele às redes de TV, inclusive quando ele já estava bem doente, ele passava tudo isso: determinação, segurança. Então, reencarnaria e me sentiria muito bem como Patrick Swayze, não por achar que todas essas qualidades me faltem, mas porque me identifico com essas peculiaridades dele.

Nascido em Houston, no Texas, filho de um cowboy de rodeio e uma professora de balé, Swayze trabalhou como ator na Broadway, no cinema e na TV. Ele se tornou conhecido em 1987 quando estrelou o musical Dirty dancing no cinema, no papel do instrutor de dança Johnny Castle. Em 1990, o ator se consagrou como protagonista de Ghost – Do outro lado da vida.

Ele morreu no último dia 14, segunda-feira, devido a um câncer letal no pâncreas, descoberto em janeiro de 2008. Apesar da doença, do assédio maldoso dos tablóides e da quimioterapia, ele continuou a trabalhar até pouco tempo antes do último agravamento em seu estado de saúde. Em sua última entrevista, ele deixou uma frase para ser lembrada sempre por todos nós:

Tudo que você leva desta vida é o Amor que você sente.

Em homenagem a ele, estou postando um clipe que nos relembra do imortal tema de Dirty Dancing.
Descanse em paz, Patrick!!
The Time of My Life (David Hasselhoff)
Now I’ve had the time of my life
No I never felt like this before
Yes I swear it’s the truth
and I own it all to you
‘Cause I’ve had the time of my life
and I owe it all to you
I’ve been waiting for so long
Now I’ve finally found someone
To stand by me
We saw the writing on the wall
As we felt this magical
Fantasy
Now with passion in our eyes
There’s no way we could disguise it
Secretly
So we take each other’s hand
‘Cause we seem to understand
The urgency just remember
You’re the one thing
I can’t get enough of
So I’ll tell you something
This could be love because
(CHORUS)
I’ve had the time of my life
No I never felt this way before
Yes I swear it’s the truth
And I owe it all to you
‘Cause I had the time of my life
And I’ve searched through every open door
Till I’ve found the truth
and I owe it all to you
With my body and soul
I want you more than you’ll ever know
So we’ll just let it go
Don’t be afraid to lose control, no
Yes I know whats on your mind
When you say “Stay with me tonight.”
Just remember
You’re the one thing
I can’t get enough of
So I’ll tell you something
This could be love because
(CHORUS)
I’ve had the time of my life
No I never felt this way before
Yes I swear it’s the truth
And I owe it all to you
‘Cause I had the time of my life
And I’ve searched through every open door
Till I’ve found the truth
and I owe it all to you
*******************
Fontes:
Portal G1, Terra / Gente e Vagalume.

Parque da Serra do Tabuleiro e Guarda do Embaú – Santa Catarina


Atendendo a pedidos de leitores, estou postando hoje especialmente para celebrar duas das paisagens mais belas e/ou frequentadas de minha cidade: Palhoça, estado de Santa Catarina.

 

Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

É a maior Unidade de Conservação do estado de Santa Catarina. Ocupa cerca mais de 1% do território catarinense, ou seja, 874 km², aproximadamente. Abrange áreas dos municípios de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí, Garopaba e Paulo Lopes.

O Parque tem variada vegetação, reunindo cinco das seis composições botânicas do Estado. Começa no litoral, com a paisagem da Restinga, sobe a serra, alcançando o planalto em meio à vegetação dos Pinhais, passando, nessa transição, pela Floresta Pluvial da Encosta Atlântica, vegetação da Matinha Nebular e os Campos de Altitude da chapada da serra. Dentre a vegetação formam-se rios e córregos que serão responsáveis pelo fornecimento da água potável utilizada pelos moradores de toda Grande Florianópolis.

Dentre os onze habitats principais (ecossistemas) identificados num estudo recente  realizado pelo Banco Mundial/Fundo Mundial para a Natureza (WWF) para a América latina e o Caribe (LAC), cinco deles ocorrem no Parque: florestas tropicais úmidas de folhas largas (mata atlântica), florestas tropicais de coníferas (floresta de araucária), restingas, campos de altitude e manguezais. A maior parte do Parque está coberta pela mata atlântica, uma ecoregião terrestre considerada pelo estudo do Banco Mundial de máxima prioridade regional para a conservação da biodiversidade. Outro estudo recente do Banco Mundial inclui o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro numa lista dos habitats naturais críticos na região da América latina e do Caribe.

A sede do Parque fica às margens da BR-101, no município de Palhoça, a 40 km de Florianópolis, em direção ao Sul do Estado. A sede do Parque estava fechada para reformas desde 98 e agora foi reaberta com maior estrutura para receber os visitantes. Foram construídos um centro de visitantes, portal, estacionamento, local para controle e recepção e trilha interpretativa. O centro de visitantes é a maior edificação com 270m2 de área construída e auditório para 80 pessoas, área para administração, oficinas de educação ambiental, recepção e banheiros, inclusive para deficientes. Na trilha, com 1.000m, os visitantes são acompanhados por guias. Localizada na Baixada do Maciambu, uma área de restinga, a trilha permite caminhar por partes da sede do Parque antes inacessíveis, observando a fauna e a vegetação local. O Centro funciona de segunda à sexta, das 13h às 19h e a entrada é gratuita. As visitas podem ser agendadas através do telefone (48) 3286-2624.

 

Guada do Embaú (praia da) – Palhoça – Santa Catarina

A praia da Guarda do Embaú localiza-se ao sul do município de Palhoça, estado de Santa Catarina. É internacionalmente conhecida prlos surfistas e praticantes de ecoturistas, assim como veranistas da América do Sul. A praia é lembrada sempre como sede de etapas da WCT e do WQS, circuitos internacionais de Surf. Teve como núcleo incial uma vila de pescadores, com um rio que corta a praia e deságua no mar, através de um canal proporcionando assim estas duas opções de lazer.

 

O mar  propício à prática do surf sendo considerado um dos melhores locais do  Brasil, e o rio ideal para caiaque, passeios de barco, que são oferecidos pelos próprios nativos, e outros esportes praticados em águas calmas.É um paraíso em meio a natureza, preservado pelos nativos e turistas.

Para aqueles que desejam se aventurar, a Guarda reserva momentos inesquecíveis. Nem precisa ir tão longe. Para chegar a praia ou você atravessa o rio ou faz uma caminhada de uns 8 minutos entre as trilhas do morro que da acesso a praia.

Se preferir algo mais emocionante, é só pegar a estrada e ir a Cascata da Zanela.

Cascata do Zanela
Cascata do Zanela

*************************

Fontes:

http://www.guardadoembau.com.br

http://www.fatma.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=76&Itemid=157

7 coisas abomináveis para Ebrael.


Aproveitando a indicação que recebi da Syssim, vou encarar aqui a peteca e detonar publicamente o que abomino, odeio, execro, anatemizo…e todos esses verbos complicados que, no final querem dizer coisas feias, mas com algum estilo. No final do post, eu convido alguns amigos meus para se purgarem de suas coisas abomináveis em seus respectivos blogs.
1º Lugar (disparado!!) – Ambientes em pandemônio.
Sou extremamente detalhista. Odeio coisas fora do lugar, seja no trabalho, seja em casa, principalmente no meu quarto. Sei exatamente onde está cada um dos meus pequenos objetos e roupas, até os mais insignificantes e esquecidos. Se eu entro em um local onde as coisas estão fora de seu lugar habitual ou presumível, sinto como se, já à porta, as coisas me impedissem de entrar, como se as coisas tomassem vida, se rebelassem, e quisessem me expulsar de lá. Não consigo respirar em locais nesse estado.
2º Lugar – Mexer em meus pertences sem autorização.
Quer ouvir um palavrão?? Mexa em algo que me pertence, sem minha autorização. Abra meus livros, e os deixe abertos, fora de onde os tirou. Leve meus livros ou algo mais, emprestado, e não traga de volta. Eu sou radical: intimo para que nunca mais ouse tocar em nada meu sem ordem prévia. Se não devolver algo meu, primeiro telefono. Em segundo, eu vou à sua casa e te envergonho.

3º Lugar – Gente preguiçosa trabalhando ao meu lado.
Ontem (2ª feira), ao chegar, às 13 horas, ao almoxarifado onde comecei a trabalhar, deparei com uma cena que me causou ojeriza: um colega meu, funcionário público concursado, com uma jornada de apenas 6 horas diárias, “trabalhando” perto de casa, solta uma para mim, que tive de me segurar pra não lhe responder com impropérios:

“Bahhhhh, sexta-feira essa que não chega mais, né?!?”

Esse é um colega que reclama de tudo, custa a subir uma escada para pegar uma caixa de copos descartáveis (superleves). É daquele tipo que vê o cara se matando a carregar caixas para prateleiras altas e suspira de ter que ajudar. É daquele tipo de gente que olha de 5 em 5 minutos para o relógio, pensando no minuto mágico de assinar o ponto de saída.
Essas pessoas carregam o ambiente de forma insalubre, como um pântano de águas paradas, como se chegassem perto da gente e parecessem uma gosma verde gigante avançando sobre nós. Comigo, esse tipo de gente não se cria!!
4º Lugar – Filas de banco.
Isso já é algo provindo do inconsciemte coletivo. Já chegamos ao banco estressados e aflitos só em pensarmos na fila, ainda mais que o expediente geralmente se inicia perto do almoço. A fome aumenta a aflição. Claro, nem sempre as filas demoram tanto, que mereçam uma reclamação. Mas certos episódios, envolvendo filas, me são emblemáticos, para não dizer traumáticos.

Charge: http://www.reinaldoferreira.com.br/jornalitatiba12.html

No dia em que fui sacar a grana do meu primeiro mês do meu emprego anterior no caixa humano, já que meu cartão não havia chegado em casa ainda, presenciei uma sacanagem do destino com o trabalhador. Parecia algo combinado. Uma coincidência diabólica.

Eram 12:30h. Havia 2 caixas lerdos atendendo no Banco do Brasil, na Rua dos Ilhéus, Florianópolis. A fila crescia assustadoramente. tinha uns 15 clientes na fila à minha frente. Um dos caixas saiu para o almoço. Ficou outro, menos retardado, mas ainda lerdo. Desde o exato momento em que saiu o caixa para almoçar, passaram-se 2 minutos, quando chegaram 5 idosos. O atendimento a idosos é preferencial. O caixa é lerdo, e os idosos um pouco mais lerdos, mas por razões óbvias, compreensíveis ao menos, pela idade. Aquele caixa demorou cerca de 20 minutos para atender os 5 velhinhos, e mais 25 minutos para atender os 15 clientes à minha frente.

Conclusão: não almoçei, perdi o ônibus para o trabalho e cheguei atrasado. Não tive tempo nem para mijar, e fui atender 650 clientes no call-center do serviço 102 da Oi.

5ª Lugar (lugar de honra!!) – Falsidade.

Por que vocês acham que tenho essa cara de mau?? É para intimidar os falsos, e desencorajar os baba-ovos. Como sou escorpiano, e todo escorpiano é instintivo e/ou intuitivo, sou um inimigo em potencial para qualquer pessoa falsa. Não deixo passar nada. Não há máscaras que resistam diante da minha cara de “eu sei o que você fez no verão passado”. Por isso sou uma pessoa de poucas relações, porém valiosas.

Prefiro que me chamem de chato, pelo menos assim a pessoa está falando o que pensa e, de quebra, sei que ela têm uma boa visão. Sou chato mesmo, detalhista, exigente e perfeccionista. Pelo menos assim, eu tenho alguma chance de melhorar em algo, dadas as observações que podem me acrescentar boas coisas, e muitas. Agora, chegar e me chamar de bonzinho?? “Como você é um cara legal!!” Ahhhhhhh, quer me chamar de otário?? Me chamar de bonzinho é um xingamento para mim!! Para acreditar, me passa um saco de butter-toffies!!

6º Lugar – Alguém vir me acordar, em pleno domingo, antes das 9 horas da manhã.

A menos que eu tenha pedido para me acordar, detesto que me incomodem no meu dia de descanso. Para mim, domingo é sagrado, e minha cama é o altar. Não atrapalhem Ebrael em sua santa Missa!! Abro a janela e a sandália voa, e minha sandália costuma acertar o alvo!! Sou como Deus: faço tudo em 6 dias, e mais que os judeus, não caminho mais do que 500 metros no 7º dia.

7º Lugar – Spam…eu odeio spam!!

Se quer vir me pedir para eu visitar seu blog, prestigiar e pedir a minha opinião, beleza!! Numa boa, eu vou!! Mas, pedindo isso, não me venha com uma mensagem no estilo control+C control+V, a qual eu perceba que foi enviada para mais 2.000 pessoas!! Sou uma pessoa única e não só um endereço de e-mail!! Deleto mesmo!! É a mesma coisa que um político que me vem pedir votos. Por que há duas eleições ninguém aparece aqui para pedir votos?? Porque sou curto e grosso: não voto em que não conheço, em quem não me conhece e não sabe meu nome. Hoje em dia, eles pulam minha casa.

*********************

Agora eu passo a bola para meus amigos abaixo, para que eles listem as coisas que abominam: