Sem dúvidas, a partir de 1994 o Plano Real veio nos facilitar (atenuar) um pouco a vida. Mas, se os preços não aumentavam tanto quanto antes, os salários também não acompanhavam o crescimento dos sonhos das pessoas. E ainda havia algumas pessoas que sonhavam em ganhar sobre a dificuldade de outras. A fórmula de alguns era simples, agora que a moeda se estabilizara: ganhar muito com coisas de pouca qualidade, gastando pouco, se possível, tirando até do seu prato, economizando, assim, obsessivamente.

Em 1996, no segundo ano do Ensino Médio, tínhamos um professor de História que trabalhava mais ou menos encima dessa cartilha. Vou chamá-lo, aqui, de Trajano, por razões óbvias, aproveitando do nome do imperador romano muito citado pelo tal professor.

No primeiro dia de aula, ele já chegou à sala com passadas largas, como se estivesse em uma caserna romana. Só nos faltava ouvir um Ave, César da boca dele. Ele resmungou apenas um Boa noite, antes de nos introduzir aquilo que seria a tônica das aulas dele por um bom tempo: o livro de História escrito por ele.

O professor Trajano era um sujeito atipico, na perfeita acepção do adjetivo. Em sua cabeça, o Hemisfério Norte era quase todo desértico como uma tundra gelada. Apenas a partir do Equador craniano é que começavam, timidamente, a surgirem os primeiros sinais de uma savana capilar, com escassos e ralos pelos a lhes descerem pelas orelhas, terminando por afluírem em dois rios laterais para uma barba de três dedos de altura, à melhor moda de Sócrates. Dizia comigo que ele era o próprio Socrates, com óculos de hastes demodés e dentes corroídos pelo tabagismo.

Ele era (ou é ainda) um homem de rígidos hábitos e práticas. Em matéria de História, não admitia, de um aluno, tratamento inferior ao de um gênio, pelo qual ele ficava deveras envaidecido. Religião: católica. Partido político: aquele ao qual o pároco estivesse afiliado. Estado civil: casado com dona Estela… e filho da Virgem Maria. Se distinguia dos outros docentes por sua camisa cáqui e pela inconfundível e única calça jeans. Isso mesmo: ele só usava uma calça jeans, religiosamente, todos os dias. Ele alegava lavá-la diariamente, mas, por vezes, a coloração encardida da peça o contradizia insistentemente. A calça quase poderia sair correndo dele se, num deslize, ele afrouxasse o cinto. Quase podíamos ouví-la pedindo socorro.

Na sua apresentação à classe, no primeiro dia de aula, aproveitou para apresentar também seu novíssimo livro de História, História sem Mistérios. Estipulou uma cota de R$ 10,00 por aluno, sem direito a cópias – todos os alunos teriam que, obrigatoriamente, comprar o tal livro. Se ele pegasse alguém com alguma cópia do livro, alertava ele, ameaçador, a rasgaria diante de todos. Definitivamente, aquilo não era uma democracia!!

Direitos autorais à parte, ele não recordava, ou fingia não lembrar, que dava aulas a um colégio público. Lamentasse ele ou não, estivesse ele frustrado com sua malograda carreira literária ou não, nem todos os alunos ali, assim como nem todos os pais, podiam pagar pelo livro que, sinceramente, era mal escrito, mal editado, mal pesquisado, onde a única ilustração era a foto de seu autor, nada artística. Naquela época, eu fazia muitas coisas com dez reais. Dez reais, em 1996, era o almoço e o jantar de muita gente.

No fim do ano, sabendo da ojeriza que poesias, principalmente em língua portuguesa, causavam no professor Trajano, na época do Amigo Secreto, embora o nome dele não houvesse sido incluído no sorteio, toda a classe combinou de comprar uma calça jeans novinha, em Brusque, e entregar esse presente ao mesmo tempo que alguém estivesse declamando uma poesia de Augusto dos Anjos – Versos Íntimos – sugerida por mim na época, que eu achava a cara dele.

A reação (interior) de nosso querido professor todos podem deduzir: a pior possível. A reação (exterior), para inglês ver, também todos podem supor: previsível. Teve de engolir nosso presente de grego, pra não fazer desfeita diante da diretora, que estava visivelmente constrangida, conhecendo-o a anos. Entre tremores de lábios, cabisbaixo, conseguimos, com muito esforço acústico, ouvir um Obrigado, classe!

Essa, depois de catorze anos, é para o senhor, professor Trajano:

Versos Íntimos (Augusto dos Anjos)

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

Referência: http://www.releituras.com/aanjos_versos.asp

16 comentários em “Professor Trajano e os Versos Íntimos

  1. Amigo Ebrael, não sou uma pessoa tão culta como você, que sabe escrever com autonomia das palavras, mas quero dizer que li com o maior prazer a sua crônica real, e acredito que devam exisitir muitos “Trajanos” por esse mundão de meu Deus. Os versos de Augusto dos Anjos são lindos. Parabéns pela excelente narrativa. Abraços. Roniel.

    Curtir

    1. Olá Roniel,

      Esse negócio de cultura é pessoal. A verdadeira cultura ou nobreza reside no sentimento. Aí é que estão as flores do Jardim de Deus. Eu só segui um estilo de narrativa que nem foi eu quem inventou. Cultura é o que vc faz, dizedo a toda a comundidade diHiTTiana o que vc sente, e vc é bem mais presente do que eu, e compartilha bem mais. Fico muito contente de ver como vc ajuda os companheiros, indicando e comentando. todos observam, não só eu!!

      E vc tem no nome um dos meus nomes, Júlio. Ebrael é apenas como sou conhecido, mas tenho Júlio no nome de batismo.

      Abçs e a Paz!! Volte sempre!!

      Curtir

  2. Ebrael,

    Faz tempo que não visito seu espaço, mas você sabe como andei na correria nestes últimos dias.

    Adorei a sua história meu amigo, e não deve ter sido nada fácil aturar esse talzinho não é?

    Sabe, eu ri muito quando você escreveu sobre a calça jeans… Mas vou explicar… Quando cursava o primeiro ano da faculdade de Psicologia, tinha uma amiga que havia chegada da França fazia pouco tempo. Ela era brasileira, mas morou na Françca durante 20 anos. Bom, o negócio é que ela vestiu a mesma calça jeans durante o mês inteiro, ou até mais que isso… Nessa época eu nem tinha muita amizade com ela, mas nossa relação de amizade ficou mais estreita dia após dia, no entanto, depois de algum tempo é que ela me falou que todas as suas roupas ainda estavam no navio, e não haviam chegado ao Brasil… Eu ri muito com essa história, pois ficava pensando: Nossa! Uma pessoa que mora na França durante 20 anos não tem sequer uma calça jeans de sobra? rssss Mas aí ela explicou e eu entendi…

    Adorei tudo, e a poesia de Augusto dos Anjos dispensa comentários.

    Bjs.

    Rosana.

    Curtir

    1. Olá Rosana,

      Sei bem de suas responsabilidades, não se preocupe. Te confesso que fico até envaidecido de ser amigo próximo de uma pessoa com tantos expedientes. Sério mesmo!!

      Tem aquele bordão popular: “Sou pobre mas sou limpinho”. Pois é!! Asseio e cuidados com a aparência é questão de educação, e isso não é exclusivo de classes altas. Quando era agente de saúde, cansei de ir a casas “ricas” em que a cozinha era um pardieiro e as pessoas comiam de pé, vendo TV. Mas tbm já estive em casa de sapê onde haviam apenas uma cadeira, mesa, esteira (não cama) e alguns utensílios (copo, prato, e talheres), chão de barro, mas onde vc não via nada fora do lugar, nenhum resto de comida, nem lixo.

      O cara é prepotente, relaxado, metido a Imperador de Calça Suja, e ainda vem querer conrar por coisa mal trabalhada??

      Será que francês não toma banho mesmo?? kkkkkkk

      Bjs!

      Curtir

  3. Ebrael
    Adorei sua cronica!
    Imagino o sacrificio para aturar esse horrivel professor!…e ainda por cima sem asseio pessoal…
    O poema é lindo e a musica tétrica mas adecuada á crónica foi bem escolihda.
    Bom domingo
    bjs
    joana

    Curtir

  4. Oi Julio
    Acho que todo mundo deve ter tido um professor que possuía características marcantes como o “Trajano”, rsrs.
    Tenho uma professora na faculdade, que diz que alunos são enviados do capeta, rsrsrs isso porque estamos lá não para aprender, mas sim para infernizar a vida dos professores, rsrsrs.
    No cursinho de pré-vestibular, demos a uma professora, um caderno de caligrafia, isso porque era impossível entender qualquer coisa que ela escrevia no quadro, e o pior que ela odiava ditar, rsrsrsrsrs.
    Quanto à calça suja de Trajano, acredito que, assim como eu, todos nós que lemos seu texto conseguimos visualizar, rsrsrs, consigo, ver até a textura dela, rsrsrs.
    Adorei seu texto… vc sabe que sou sua fã! rsrsrs
    Beijosssss
    Barbara

    Curtir

    1. Bárbara,

      Alguns professores é que, por sua impáfia e temperamento insuportável, criam bloqueios e aversão em alunos com relação à determinada matéroa. A calça dele era famosa em muitos colégios daqui, já que ele era já, em seu tempo de graduando, uma figura lendária.

      Obrigado por seu carinho e atenção!! Um dos primeiros exemplares (se eu publicar algo na vida) será dedicado a vc!!

      Bjs!

      Curtir

  5. Nossa Ebrael , lembrei agora do interminável ” Eu” do Augusto dos Anjos, oportunamente falaremos sobre ele , tá bem ?.
    Mais hein?! Você descreve tão bem O Trajano que quase pude vê-lo .Que bom texto!
    Quanto a perfeição métrica/rima do Augusto dos Anjos dispensa comentários.
    Bacana !
    bjo.
    Eninha Campos

    Curtir

  6. eu nasci em 86 tenho 17 anos já faz tempo de 26 anos que comento esse assunto e hoje;não é diferente nós erramos acertando pra cada fruto tem seu preço ;
    já estudei muito na vida ; já terminei os estudos o diabo tenta tirar o fruto da semente;
    eu já vivencinhei isso em meu ser em varios etapas e vivencias do meu ser ;
    eu tenho um pequena contenta pra contar pra vc que qquer desabafar sobre coisas horriveis em sua vida eu tive um pai que me queimou quando pequena mas graças ;
    a deus eu fui na propria burrice mas acertei no erro como eu pequenina peguei meu ;coelho e fiz um ato horrivel com ele eu enfinhei agulhas no saco plasticos enfinhei em sua c=garganta e me queimei igual a segunda legião de fogo me queimou;
    atraves de meu pai nem por isso não o trato como anticristo e nem falso profeta e etc;
    fique ciente desta pergunta que vc faz asi mesmo o tempo todo fora isso eu fui muito esperta na minha vida particular a bliblia e anjo da guarda me ensinou o caminho ;
    uma cobra esquartejadora cinza assassina me pegou e sai viva fora isso um lobo tb ao meu seis anos de idade eu fui queimada o diabo e seus demonios satanico satanismo;
    me horrorizam de não estar bem em nada que fale em meu pobre coração assim deus fiel também que ti abraçar eu tenho uma resumo horroso mas o final é o mesmo;
    e você deve saber porque jesus ti ama tanto e que e muito nem nem espirito falso;ti jogar neste abismo sem fim aonde não tem saida e o final já diz só a verdade liberta porque o diabo é o pai da mentira des do principio quem é o mentiroso esse mesmo;
    o espirito do anticristo amigo e amiga seja um anjo orgulho de deus sofredor mas suas ;
    asas des do seu fim e principios ele é o mesmo hoje amanhã e depois hoje ele ti faz um ;
    convite pessoalmente impossivel mas para os proverbios sim não vem do mailgno amem que a graça ti espera os seus frutos jesus que sim sua alma fé coragem não deixe nunca satanás levar de você sai antes que nunca seja nunca ele diz e acontece a esperança última que morre é vc na morta na vida no porvir na amanha e depois ele vem com sua chave na mão não se esqueça dequem vc foi e é!!!!!!!!!!!!

    Curtir

  7. Oi,
    Ebrael,
    amigo adorei a cronica! Só mesmo você! Tem a dose certa para misturar realidade, fantasia e suspense. Amei!E o final então, perfeito! Você é show. Sabe que sou sua fã??Rsrsrsr..
    Ah! Indiquei você para uma brincadeira no meu blog. Nada de + é só pra você nos contar qual a música da sua vida? Passa lá e veja qual é a minha..

    Curtir

  8. Oi amigo: Como sempre você é perfeito no que escreve… Você é o que chamo de um escritor nato…Quando crescer quero ser igual a você…Hoje eu estava revisando alguns textos meus… Para futuras postagens… e observei que já melhorei bastante com o blog com certeza, então um dia posso crescer o suficiênte par achegar até você….
    Parabéns Ebrael… E Sucesso, muito sucesso mesmo saiba que você eu guardo do lado esquerdo do peito…
    Beijo em seu coração…

    Curtir

    1. Sem querer dar uma de professor, pois que não dou conta nem de aprender pra mim mesmo, mas… tudo na Vida passa pela prática e pela experiência. Lembre-se do que crowley falou: “Faz apenas AQUILO QUE QUERES; faze-o e ninguém te dirá NÃO”!

      Bjs!

      Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s