Cresça por dentro, mas não esqueça a raiz!


Nos tempos natalinos e de Páscoa, fico assim, nostálgico e infantilmente saudosista. Será que isso é normal? Acho que sim. Normal e saudável, bom para afastar riscos de perturbações mentais. Imaginem se vivêssemos décadas sob a égide adulta, com aquela cara sisuda e grave, típica do mordomo da Família Addams! Pela palidez de sua pele, nota-se como fica um adulto sem vida própria, sem esperança.

Quando eu falei em perturbações mentais, me refiro mesmo a quando falham nossas mentes em relação àquela Lei da Física de Einstein, que diz quea noção de passagem do Tempo depende do referencial a que o observador se reporta“. E você, parou no Tempo? Seu trem continua correndo? Você está dentro ou fora do trem? E o que você consegue ver?

Tenho uma amiga que, vez por outra, me falava que se cobra regularmente por achar-se imatura. Aí me pergunto: acreditar no Amor, crer na bondade e nos valores nobres e ter fé no futuro é sinal de imaturidade? Preservar-se do mal do lado de fora, onde faz frio e as pessoas fazem qualquer coisa por um pouco de calor humano, não lhes importando o quanto se depreciem, é indicativo de infantilidade ou ingenuidade excessiva? É anormal ter caráter, agora?

Sim, a evolução é algo inexorável na Natureza. A árvore cresce, mas conserva latente a potência da semente da qual nasceu, as lembranças e lições de quando era apenas uma plantinha de caule fino, que mais parecia um “cambito”. Conserva, não obstante se erga célere e ávida das estrelas da noite, o frescor do orvalho da terra, do tempo em que ainda respirava o cheiro de barro e se sujava na lama das chuvas de verão. Ela e suas companheiras, árvores-meninas.

Sorriso de Criança
Cresça por dentro, mas não esqueça de suas raizes!

Conserve sempre essa memória santificadora ao cuidar da Criança que tens em si, para que, ao lançar sua semente à terra, no devido tempo, saibas transmitir a mesma alegria das tardes de verão chuvoso, em que brincavas com a água escorrendo por suas folhas,  eras refrigerada pelo vento que vem do Sul e te alegravas ao te surpreenderes com um raro arco-íris!

Se um dia seremos ceifados e relegaremos nossos caules como alimento para a Terra-Mãe, não nos esqueçamos que renasceremos sempre, seremos Crianças sempre, e é estupidez abafar a Voz Infantil de Deus-Filho, que nos reclama pureza e um sorriso maroto. Termino, deixando como epílogo, duas citações, uma em texto, outra em vídeo. O texto é um reflexão de um homem bem “moderninho”, o filósofo chinês Confúcio (Kung Fu Tsé, ou Mestre Kung) , que viveu há aproximadamente 2.500 anos atrás. O vídeo é uma versão animada de uma canção do Toquinho, chamada Aquarela, a qual todo mundo associa ainda às propagandas dos lápis da Faber Castel. Prestem muita atenção à mensagem oculta e profunda da letra, a qual no começo fala do nascimento, e no fim, da morte. A verdade, contada às crianças, de forma lúdica.

Feliz Páscoa e ressurreição em todos os Corações dos Filhos de Deus!


***

Os homens perdem a saúde, juntando dinheiro

Para depois perder dinheiro tentando recuperá-la.

Esquecem o presente por pensarem ansiosamente no futuro

E acabam por perder ambos.

Vivem como se nunca fossem morrer

E morrem como se não tivessem vivido.

(Confúcio)

***


O segredo do perdão


Tema recorrente? Sim, bem recorrente! Mas, como não voltar a ele, vivendo o mundo no caos e na matança, mental e física?

A palavra perdão vem do verbo latino perdonare, que quer dizer “dar completamente”. Ora, dar completamente implica em não reter nada, em dar tudo. Perdoar não é devolver o espólio, pagar na mesma moeda. Perdoar é dar o que retemos do outro, ou seja, devolver o que temos em nossas mãos contra o outro, para ser queimado e destruído na fogueira do Amor e da Fraternidade, terminando com a suprema reconciliação com o outro e com todo o Universo.

Mas, como poderíamos deixar de reter algo do que o outro nos fez de mal, sendo que a memória da ofensa se impregna em nós como cânceres, e em nossa pele como marca a ferro?? Suprimindo a memória?? Impossível! Uma pessoa sem memória não tem condições de aprender com seus erros e acertos, derrotas e vitórias, enfim, não tem discernimento.

O Segredo do Perdão | Ebrael Shaddai
Jesus ensina o segredo para perdoar

Aprendamos com Jesus, o Nazareno, que é Mestre do Perdão, ele que é a própria Misericórdia encarnada. Jesus defendeu a adúltera não porque abonasse o adultério ou fosse um fraco na moral. Ele defendeu a adúltera porque achava que o que devia ser apedrejado era o pecado, não a pecadora.

Ora, as pessoas podem ser escravas do pecado, mas nunca seus autores, seus criadores. As pessoas cedem ao pecado ao deixarem de ouvir a Razão, que é a Luz de Deus, refletida em seus mandamentos e nos ritmos e ciclos da Natureza. Deus nos criou não para que pequemos ou caiamos, mas ainda menos para sermos mortos como escravos do pecado, enquanto o Autor do Pecado, o Inimigo da Natureza e do Amor, continua em sua caçada humana, ávido por desgraças e buscando a morte dos que foram criados para o Amor, a saber os seres da Criação de Deus, inclusive nós mesmos.

Não confundamos o erro com aqueles que erram; não confundamos nossos irmãos que nos fazem mal com o próprio Mal. Não coloquemos na mesma panela o Pecado e o pecador, juntos, como se ambos fossem maus desde sempre! As pessoas nascem boas, simples e ignorantes. Na sua inocência e inexperiência, no apetite da vida, ao afastarem-se da Razão, pecam e caem em loucura.

Se amarmos, de verdade, as pessoas, saberemos ver nelas apenas suas fraquezas, mas não o Mal personificado nelas. Devemos repelir o pecado, mas o pecador deve ser tratado com paciência e Amor, deve ser insuflado de palavras de confiança e entusiasmo, de fé e esperança, pois o que subjaz a essas atitudes é, unicamente, o Amor.

Está aí o segredo de Jesus para perdoar! Não é nada sobrenatural, assim como os outros “sinais” que operou Jesus. É questão de mudança de paradigmas, de ângulos e pontos de vista! É questão de termos boa-vontade, de sabermos se somos mesmos movidos pelo Amor ou pelo espírito da discórdia e do Acusador, que só busca a Ira e a Vingança.

Como dizia um verso de uma canção em italiano intitulada Due, regravada por Renato Russo:

Se è amore / amore vedrai / di un amore vivrai.

Se for amor, verás amor, de um amor viverás…