O segredo do perdão


Tema recorrente? Sim, bem recorrente! Mas, como não voltar a ele, vivendo o mundo no caos e na matança, mental e física?

A palavra perdão vem do verbo latino perdonare, que quer dizer “dar completamente”. Ora, dar completamente implica em não reter nada, em dar tudo. Perdoar não é devolver o espólio, pagar na mesma moeda. Perdoar é dar o que retemos do outro, ou seja, devolver o que temos em nossas mãos contra o outro, para ser queimado e destruído na fogueira do Amor e da Fraternidade, terminando com a suprema reconciliação com o outro e com todo o Universo.

Mas, como poderíamos deixar de reter algo do que o outro nos fez de mal, sendo que a memória da ofensa se impregna em nós como cânceres, e em nossa pele como marca a ferro?? Suprimindo a memória?? Impossível! Uma pessoa sem memória não tem condições de aprender com seus erros e acertos, derrotas e vitórias, enfim, não tem discernimento.

O Segredo do Perdão | Ebrael Shaddai
Jesus ensina o segredo para perdoar

Aprendamos com Jesus, o Nazareno, que é Mestre do Perdão, ele que é a própria Misericórdia encarnada. Jesus defendeu a adúltera não porque abonasse o adultério ou fosse um fraco na moral. Ele defendeu a adúltera porque achava que o que devia ser apedrejado era o pecado, não a pecadora.

Ora, as pessoas podem ser escravas do pecado, mas nunca seus autores, seus criadores. As pessoas cedem ao pecado ao deixarem de ouvir a Razão, que é a Luz de Deus, refletida em seus mandamentos e nos ritmos e ciclos da Natureza. Deus nos criou não para que pequemos ou caiamos, mas ainda menos para sermos mortos como escravos do pecado, enquanto o Autor do Pecado, o Inimigo da Natureza e do Amor, continua em sua caçada humana, ávido por desgraças e buscando a morte dos que foram criados para o Amor, a saber os seres da Criação de Deus, inclusive nós mesmos.

Não confundamos o erro com aqueles que erram; não confundamos nossos irmãos que nos fazem mal com o próprio Mal. Não coloquemos na mesma panela o Pecado e o pecador, juntos, como se ambos fossem maus desde sempre! As pessoas nascem boas, simples e ignorantes. Na sua inocência e inexperiência, no apetite da vida, ao afastarem-se da Razão, pecam e caem em loucura.

Se amarmos, de verdade, as pessoas, saberemos ver nelas apenas suas fraquezas, mas não o Mal personificado nelas. Devemos repelir o pecado, mas o pecador deve ser tratado com paciência e Amor, deve ser insuflado de palavras de confiança e entusiasmo, de fé e esperança, pois o que subjaz a essas atitudes é, unicamente, o Amor.

Está aí o segredo de Jesus para perdoar! Não é nada sobrenatural, assim como os outros “sinais” que operou Jesus. É questão de mudança de paradigmas, de ângulos e pontos de vista! É questão de termos boa-vontade, de sabermos se somos mesmos movidos pelo Amor ou pelo espírito da discórdia e do Acusador, que só busca a Ira e a Vingança.

Como dizia um verso de uma canção em italiano intitulada Due, regravada por Renato Russo:

Se è amore / amore vedrai / di un amore vivrai.

Se for amor, verás amor, de um amor viverás…

Anúncios

21 comentários

  1. Ebrael,

    O tema perdão é recorrente, sim, mas é necessário a todo momento falar sobre ele, para que não esqueçamos dos ensinamentos de Jesus.

    Aliás, até mesmo no momento em que foi crucificado, Jesus perdoou seus algozes.

    Quando liberamos perdão, estamos fazendo bem principalmente para nós mesmos, pois o rancor, como você apontou, é responsável por doenças graves, como o câncer.

    Abração, Ebrael.

    Curtir

    1. Deveria ser disciplina obrigatória nas Ciências Humanas…e arte privilegiada nos círculos que se dizem de Magia. Conhecimento sem sabedoria é o arroto do defunto!! Para que nos dizermos humanos se não agirmos como tais, à imagem e semelhança do Criador??
      Abção!!

      Curtir

  2. Olá querido Ebrael!
    Que bom poder chegar aqui no seu cantinho inspirador e me deparar com uma das mais lindas formas de falar do perdão,fiquei muito emocionada.
    somos nós,dois lutadores,dois sobreviventes,duas canções de amor desse modo, eu e você. Amigo a fraternidade,você disse tudo,quem somos nós?
    Viajantes nesse espaço aprendendo uns com os outros,por mais que não queiramos um dos maiores aprendizados é o perdão.Somos partículas uns dos outros,eu sou você e você é eu,se eu não te perdoar a mim mesmo estou negando o perdão.Parabéns querido,lindo,lindo…
    Bjos em seu coração com cheirinho de Jasmin.

    Curtir

    1. Cláudia, por isso que digo que você é uma das minhas!
      Você captou bem a minha ideia. Somos sonhadores dentro do próprio sonho. Quem sabe não vençamos!! Venceremos se estivermos do lado construtivo, edificante…do lado do Amor Universal!
      Obrigado e beijos também!!

      Curtir

  3. Oi Ebrael,

    Esse tema que você nos trouxe pode ser até recorrente, mas sempre será oportuno enquanto permanecer nossas tendências agressivas de julgar, acusar e destacar erros em tudo e em todos. Falar de amor e perdão (que bela dupla, não?) nunca será demais. Arrisco a dizer que um não existe sem o outro.

    Texto maravilhoso! Sempre acreditei que o verdadeiro perdão não requer o esquecimento da ofensa. Penso que ele só se manifesta plenamente quando mesmo lembrando, conseguimos proporcionar ao outro a oportunidade de rever sua conduta e voltamos a confiar.

    Como não perdoar, se somos todos tão necessitados de perdão devido a tantas mágoas e decepções que espalhamos no decorrer da vida?

    E gostei muito desta colocação: “a memória da ofensa se impregna em nós como cânceres, e em nossa pele como marca a ferro”. O perdão nos liberta e alivia a alma, e mesmo a lembrança da falta cometida não nos causa mais dor.

    Mas mesmo com tudo isso, reconheço não ser uma prática das mais fáceis. Feridas abertas tem seu tempo de cicatrização e muitas vezes só o tempo pode fazer com que se torne possível separar o “erro do errante”, que se fundem principalmente quando levamos uma “punhalada” certeira no coração.

    Acredito também que a compreensão ajuda muito nesta questão. Porque se podemos compreender, talvez a gente nem sinta mais a necessidade de perdoar. Nem a nós mesmos.

    E que linda música!

    Adorei, amigo!

    Bjs

    Denize

    Curtir

    1. Denize, é uma das práticas mais difíceis sim! O que não podemos é nos acostumar a agir como se as guerras e as ofensas fossem coisas sem volta. Tudo muda, o mundo muda, e devemos mudar também, às vezes de forma radical. Agir de forma resoluta e intrépida, corajosa, afrontando nosso orgulho e egoismo para a consecução das mensagens de Jesus!
      Bjks! Paz Profunda!

      Curtir

  4. Olá, Ebrael, meu querido amigo!

    Sempre achei seus posts relevantes, suas reflexões, tudo o que escreve é muitíssimo bom, mas esse aqui… Nossa! Ultrapassou todas as expectativas!!!!
    Como é difícil a arte do perdão…
    Creio, amigo, que o principal problema para se perdoar alguém, é que achamos sempre que a atitude má do outro foi a propósito, que o nosso semelhante tem gosto em errar, em magoar!
    Sabemos muito bem que há pessoas, de fato, com intenções maléficas, mas nos esquecemos que o tal errar é humano…
    Exemplo posso te dar, quando usamos palavras agressivas contra uma pessoa.
    No nosso caso, temos as motivaçõs perfeitas para tal ato.
    E se for a pessoa que nos agrida da mesmíssima maneira?
    Em nossas mentes surgem aqueles pensamentos pejorativos: ‘Viu como fulano(a) nunca prestou?’
    As citações de Jesus são magnânimas; Jesus sempre foi a Palavra…
    A passagem que mais gosto dEle é essa: ‘Amo o pecador, não o pecado’.
    Como sabiamente mostra seu texto, não olhemos com olhos de acusação àquele que peca (afinal, ‘Quem nunca pecou que atire a primeira pedra!’), mas tentemos corrigir a falta, com amor, caridade, perdão…

    Um forte abraço!
    Amei, adorei o seu post!
    Obrigada por esse momento de paz proporcionado a todos nós que tivemos a honra de ter lido esse texto maravilhoso!!!!

    Mary:)

    Curtir

    1. Eu considero o que escrevo quasesempre relevante, pois escrevo com o coração transbordante! É raro eu escrever por escrever, simplesmente!
      Bem, hoje tenho plena consciência que esses pensamentos de ódio e vingança são as tentações das quais devemos nos precaver pela oração. Só repelindo o mal, atraímos o Bem, e por isso, o perdão dos irmãos e de Deus!
      Bjsss!

      Curtir

  5. Olá meu amigo Ebrael
    A capacidade de perdoar, depende da nossa evolução espiritual.
    Nem sempre é fácil esquecer uma mágoa, uma agressão, ou pior uma injustiça!
    Mas o rancor e a vingança é um veneno!
    E quando estamos dispostos a perdoar, certamente nos libertaremos!
    Parabéns pelo tema e artigo!
    Beijos

    Curtir

  6. Oi amigo Ebrael, bom dia!!

    Muita verdade quando diz “Não coloquemos na mesma panela o Pecado e o pecador, juntos, como se ambos fossem maus desde sempre!”

    Claro que não esquecemos o que nos fizeram, como você bem diz, nós temos memória e precisamos dela para nosso aprendizado, mas devemos sim, saber reconhecer os erros dos outros, assim como nós também erramos tantas e tantas vezes… não diz no Pai Nosso: “perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”, pois é isso que devemos praticar em nosso dia a dia…

    Obrigada pela postagem!!!

    Bjs e um lindo dia!
    Lu

    Curtir

  7. Olá Amigo Ebrael
    Excelente texto e de extrema importância para o mundo.
    Deveria ser disciplina nos colégios, pois o perdão se
    fundamenta no amor, é sustentado pela caridade e
    traz paz interior.
    Diginifica a pessoa e com certeza esta encontrará o
    verdadeiro caminho para a felicidade interior.
    É também de extrema importância o autoperdão, pois
    o perdão traz alívio para quem perdoa e nem sempre
    para quem é perdoado.
    O autoperdão é importante para se reconhecer os
    erros, mudar de atitude, ter força e capacidade
    para ver a vida e o próximo com os olhos do amor fraterno.
    Deus te abençoe.
    Bjs.

    Curtir

  8. Olá, querido, gostei muito do seu blog, sempre vou vim aqui dá um alô, estou te seguindo tb, gsatria q fizesse o mesmo e gostaria de convidá-la a conhecer o meu blog da minha personagem cômica, menina limão, ela tem vários vídeos, vai lá e divirta-se, se vc puder é claro, ficarei muito feliz.
    fica com Deus,
    beijos

    Curtir

    1. Oi Menina!
      Já ouvi sim falar bem de sua personagem! Amanhã ou sábado, que é quando terei tempo pra dedicar a novas leituras e explorar bons blogs sem ter que interromper-me por causa do trabalho, vou favoritar, seguir e curtir seu blog. Já vi que você é uma garota legal!
      Bjs e até logo!

      Curtir

  9. Eu não tenho duvidas que perdoar é uma grandeza de espírito.

    “O fraco jamais perdoa: o perdão é uma das características do forte.
    Mahatma Gandhi”.

    Sábio renunciar a punir. Absolvendo de dentro da gente a mesquinharia, a maldade vinda de outrém.

    “Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz. Platão”.

    Contudo, muitas vezes me pergunto o quanto sou obrigada a viver perdoando todo mundo que me machuca e intencionalmente! Existem pessoas que merecem ser ignoradas a serem perdoadas. Da boca para fora não é justo, então que se esqueça de quem não vale nada.

    Beijos

    Curtir

    1. O problema, Simone, é que elas voltam, essas pessoas com a face do erro que destilam o ódio e o rancor, e todas essas mazelas, elas voltam!

      Nós não temos que viver perdoando as pessoas sempre, a não ser que nunca as tenhamos perdoado, de verdade. Só quando você perdoa de verdade, aquilo que ela te faz ou fez passará a não te fazer mais sofrer nem te atingirá. Enquanto você sofrer, você terá um elo indissolúvel: o do sofrimento que necessita do amor-perdão!

      É difícil entender como é possível, mas como eu disse, tudo é questão de mudança de paradigmas.

      Bjsss!

      Curtir

  10. Oi querido, passei para lhe desejar uma boa semana e, agradecer as palavras de carinho.
    Gosto muito dos seus textos, parabéns pelo blog.
    Venho também, convida-lo a conferir o novo vídeo da menina limão que postarei essa semana,
    obrigada.
    Fica com Deus,
    beijos

    Curtir

  11. Ebrael
    Se “não conseguir perdoar” for sinal de fraqueza, sou fraca! Mas estou lutando para superar as mágoas do passado pois sei o quanto me fazem mal…
    Obrigada pelo comentário em Cama de Rosas.
    Versos maravilhosos… Acho que vai virar um post!…rs
    Obrigada, meu caro poeta!
    Beijossss

    Curtir

  12. Olha Ebrael, por esses dias li um artigo da Denise (q faz aqui um comentário) sobre este tema e eu mesma já tb abordei o assunto. Sentimentos como ódio, raiva atormentam tanto q se tornam auto-destrutivos. Chegar ao perdão é individual, depende mt do crescimento espiritual da pessoa. Tem pessoas q vêm ao mundo mais bem acabadas, com pouco p aprender, acho q na verdade, vêm mais como mentores, p ensinar os outros. Mas p a grande maioria é uma estrada sinuosa. N acho q seja proporcional ao mal q originou tal sentimento, como falei, tem realmente a ver c evolução espiritual. Acho q por essa razão devemos respeitar o processo de cd um. Para uns o caminho é curto, p outros longo, por vezes infinito. Cito o ex do pai que perdoou os assassinos do filho, de 7 anos. Ele deslocou-se à penitenciária, olhou nos olhos deles e falou as palavras mágicas, mas ele conta q foi um sofrimento chegar a isso e posso imaginar, realmente posso. Mas quantos pais estão anos e anos, se torturando no ódio, pelo assassino do filho(a)? O q podemos dizer? Eu sequer sei como procederia. Eu perdoaria, teria essa grandeza de alma? Eu n sei! Pq n nos conhecemos nessa totalidade, vamos nos descobrindo em função das experiências.
    É assim q penso, mas isso n me impede de concordar contigo. Aceito e concordo c tudo o q vc falou mas como nunca senti ódio de ninguém (até hj fui poupada e agradeço por isso) fico na posição de trabalhar meu emocional para entender e admirar a grandeza de quem teve tal gesto, erguer-se das cinzas, digamos assim, e tb de entender quem permanece no horror entre a dor e o ódio, uma tortura cruel. Estou aqui falando de situações bem extremas, mas, claro que há pessoas capazes de sentir raiva e ódio por razões insignificantes, nestes casos me reservo o direito de julgar um pouco sim e referi-las como almas capengas, portadores, estas sim, de alguma deficiência. Como alguém aqui já disse, é pauta sempre oportuna.

    Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s