Filme: Requiem for a Dream (Requiem para um Sonho)


Eu ainda quero ver esse filme, me parece uma história surreal que se parece muito com as Noites Negras pelas quais passamos todos nós, em alguns momentos de nossas vidas. Descreve uma espiral ascendente-descendente de eventos resultantes de escolhas, uma sucessão emocionante de causas e efeitos trágicos, porém redentores das almas.

AVISO: NÃO RECOMENDO A MENORES DE 16 ANOS.

Jesus dizia:

“Não temais aqueles (ou aquelas coisas) que podem matar a carne, porém que não podem matar o Espírito”.

“O Espírito é forte, mas a carne é fraca!”

“Onde estiver teu Coração, aí também estará teu Tesouro [e não importa se agradável ou doloroso, porém que nos traz riqueza espiritual].”

Abaixo, um vídeo remix da trilha sonora da releitura da obra de 1978, que foi regravada em 2000. Eu a uso, e a recomendo a todos, para relaxar. A trilha sonora, em sua versão original, é de autoria de Mozart.

Em seguida, o trailer oficial, pois os vídeos completos do filme foram “cassados” do YouTube..

Também deixo, pra concluir o post de hoje, a descrição do filme, retirada da Wikipedia:

O filme se desenvolve em três estações do ano das vidas de mãe e filho, Sara (Ellen Burstyn) e Harry Goldfarb (Jared Leto), a namorada de Harry, Marion Silver (Jennifer Connelly) e o amigo de Harry, Tyrone C. Love (Marlon Wayans). Cada um dos personagens terminará destruído pelo vício e pelo delírio.

A história começa no verão. Sara Goldfarb, uma jovem viúva que vive sozinha em seu apartamento em Brighton Beach, passa o tempo assistindo infomerciais na TV. Após um telefonema que lhe diz que ela será convidada para ser uma participante de um programa de TV, torna-se obcecada em recuperar a aparência que tinha numa fotografia sua da época da graduação de Harry, seu momento de maior orgulho. Para caber no antigo vestido vermelho, o favorito de seu falecido marido, ela começa a fazer um regime com pílulas de anfetamina durante o dia e sedativos à noite. As pílulas alteram seu comportamento, mas ela passionalmente insiste que a chance de aparecer na TV lhe deu uma razão para viver, e que o fato fez com que ela passasse a ser admirada pelas vizinhas de prédio. Até o outono, entretanto, seu convite não chega, e ela começa a aumentar a dosagem, o que lhe provoca alucinações onde ela é a principal estrela do programa de TV.

Seu filho Harry é um irresponsável viciado em heroína. Junto com seu amigo Tyrone e sua namorada Marion, todos viciados, ele se envolve com o narcotráfico em uma tentativa para realizar seus sonhos. Com o dinheiro que ganham durante o verão, Harry e Marion sonham em abrir uma loja de roupas para os desenhos de Marion, enquanto o sonho de Tyrone é escapar das ruas e deixar sua mãe orgulhosa. Entretanto, no início do outono, Tyrone se vê no meio do assassinato entre gangues de traficantes e acaba preso mesmo sendo inocente. Harry usa a maior parte do dinheiro deles para pagar a fiança e tirá-lo da cadeia. A partir daí, por causa das prisões e dos tiroteios entre os traficantes, torna-se difícil conseguir drogas, levando Harry, Marion e Tyrone a um estado de privação. Cada vez mais desesperados, Harry convence Marion a fazer sexo com seu psiquiatra em troca de dinheiro, o que acaba por causar um desconforto entre eles. O grupo continua a se deteriorar à medida que Marion começa a se prostituir e o braço de Harry fica severamente infeccionado e começa a desenvolver gangrena em decorrência de sucessivas injeções feitas de forma imprópria.

Com o inverno, ocorre o arco final da espiral descendente dos personagens. A sanidade de Sara se vai e ela acaba internada em um hospital psiquiátrico contra sua vontade . Lá passa por tratamento de eletroconvulsoterapia. Harry e Tyrone viajam para a Flórida, acreditando poder recomeçar lá, mas a condição cada vez pior do braço de Harry o força a ir ao hospital, onde eles são presos após o médico se espantar com o estado de seu braço e reconhecer a situação como típica de um viciado. Harry é conduzido a outro hospital onde seu braço é amputado. Tyrone precisa lidar com guardas prisionais racistas e hostis, trabalho forçado e abstinência das drogas sozinho. Harry tem um sonho recorrente onde Marion o aguarda em um pier, mas acorda e vê que ela se foi e ele perdeu seu braço. Marion vai se degradando em orgias em troca de cocaína, enquanto Sara torna-se catatônica em um asilo para doentes mentais. Perdidos e na miséria, cada um dos personagens curva-se em posição fetal. No sonho de Sara, ela ganha o grande prêmio do programa de TV e encontra Harry lá, o qual aparece como um bem-sucedido homem de negócios, casado com Marion. Mãe e filho se abraçam e dizem o quanto amam um ao outro enquanto são aplaudidos pela platéia imaginária e ofuscados pelas luzes do palco.

***

Fonte:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Requiem_for_a_Dream

Anúncios

16 Replies to “Filme: Requiem for a Dream (Requiem para um Sonho)”

    1. E já não somos já tensos o dia todo, todos os dias? Ao menos, ali vemos a tensão toda se esgotar em tragédias que, no fim das contas, fazem aquelas pessoas aprenderem. Ali, sim, vemos que, apesar do que possa nos acontecer, sobreviveremos às vagas revoltosas da Vida…
      Volte sempre, e obrigado!

      Curtir

      1. O final feliz que falo não é o “felizes para sempre”, como todos esperam, para se anestesiarem e fazerem a história se tornar menos parecida com as suas próprias e continuar acreditando que lá fora, com os outros ao menos, a Esperança é perfeita e imaculada.

        A Esperança, no entanto, deve sobreviver a muitas coisas ruins, tragédias mesmo, para que possa sobressair-se como tal, como Esperança. Ela, muitas vezes estupra-se a si mesma para que tenha sentido, para que se diferencie de nossos outros sentimentos, a maioria já banalizados e tornados meros signos de burrice perceptiva.

        Obrigado também!

        Curtir

  1. sobre as pessoas, não são. É sobre estes efeitos que pretendo abordar. Hoje iremos entrar em um pesadelo para falar de sonhos. De que se trata? De um pesadelo cotidiano, que envolve pessoas e suas ilusões e cujo nome é Requiem para um sonho | Requiem for a dream – 2000 |.

    Curtir

    1. Exatamente como vc falou, mas vai além…na minha visão, o filme explora o enfoque cíclico da Vida, do esgotamento da negatividade, dos limites inferiores do ser humano para que ele tenha parâmetros para avaliar a subida de volta e a ascensão verdadeira. E isso, cedo ou tarde, todos vivem…

      Curtir

  2. Boa noite Ebrael

    Eu vi um bocadinho,até quando a mãe ganha um premio,e o vestido não lhe serve para ir á televisão…vai fazer dieta,conseguirá?!…rsrsrs

    me parece interessante,é um tema atual que aflige muitas familias…

    Logo depois vejo o resto…

    beijos
    joana mendes

    Curtir

    1. Pois então Joana…os fatos que se sucedem são de tirar o fôlego, de tão rápidos…gosto da técnica usada de cenas rápidas, isso prende a atenção e não me deixa ficar com sono…kkkk

      Assista sim, o fim é emocionante, apesar de triste. O final não é feliz, mas, ao menos, real.

      Abço!

      Curtir

  3. Olá Ebrael, boa tarde.
    Só hoje consegui terminar de ver este excelente filme, o qual não tive oportunidade de ver quando passou nos cinemas. Muito bom mesmo. Isento de falsos moralismos, mostra a realidade nesse complicado mundo das drogas. Na verdade a vida não é um sonho…
    Muito obrigada pela oportunidade! Abs.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu fiquei realmente extasiado, não pelos fatos, mas pela honestidade com que fizeram o filme. Exploraram o que poderiam pra mostrar o que pretendiam…mas o estilo em cenas rápidas foi muito eficaz pra me prender a atenção, justamente pra sabermos, também, como fica a visão de uma pessoa drogada por heroína.

      Obrigado pela visita! Logo, passo no Vampire pra te visitar, ok? Um abraço!

      Curtir

  4. Assisti, ontem a noite, o filme. Mas,não consegui comentar. O blog travou e eu também estava bastante tocada com tudo o que vi. Já era noite alta… Enfim, não dei conta. Volto hoje, ainda com aquele gosto de ontem a noite, depois de ficar umas horas aqui.
    Quer saber? Ali não são apenas drogas sintéticas. A maior droga é a solidão. Todos estão sozinhos! Todos buscam aprovação, aceitação. Aquela corrida desenfreada de todos – todos – os que fizeram parte (direta e indiretamente) da história só me mostraram isto: Solidão, abandono. Até aqueles enfermeiros que, indiferentes ao apelo da mulher, lhe enfiavam, na marra, comida pela boca.
    Vejo como uma boiada desenfreada. Todos, infinitamente sós e abandonados, buscando aceitação, admiração, respeito.
    Sinceramente, me emocionei bastante. Se parece um bocado com a realidade, onde pessoas agem no automático, não observando o caminho que trilham e as consequências que isto lhes traz. Pagaram por isto, com tudo o que tinham.
    Assistir este filme é rever, minuciosamente, todos os nossos atos.
    Obrigada por compartilhar.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu também me emocionei bastante, até porque, enquanto muitos só viram cenas chocantes no sentido antiestético, eu via ali o esgotamento do sofrimento humano dos personagens. Pude antever, talvez mais do que os muitos que assistiram, a redenção de todos eles…o que, de fato, me pareceu ter ocorrido no fim…todos voltando à posição fetal…viu como todos eles se deitam em seus leitos no fim?? Posição fetal, como no início de suas vidas…morreram, e estavam renascendo por uma estranha misericórdia, verificável (e sentida plenamente) somente àqueles que passam por uma experiência de morte em vida. E acho que você é um exemplo vivo do que falo, certo?

      Eu que agradeço, volte sempre!

      Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s