A Cristofobia e os genocídios que poucos denunciam


Enquanto há pessoas que se dizem cristãs, mas que vivem num mundo de conto de fadas, postando figurinhas no Facebook e buscando negociar com os contra-valores da mídia, há outras, verdadeiramente impregnadas do Espírito evangélico, que dedicam seu tempo a denunciar as atrocidades que a mídia e os governos anticristãos teimam em ignorar. É o exemplo dessas pessoas que me decidi a tentar seguir.

Acaso, pode haver verdadeiro ardor evangélico em “cristãos” mornos que não levantam suas bundas do sofá para correr em favor de necessitados? Não bastasse isso, continuam a tentar negociar com os propagadores de imoralidades na TV e votando em políticos anticristãos, que apoiam regimes genocidas e dão suporte a ações de perseguição ideológica contra a Igreja e seus valores morais.

O artigo reproduzido abaixo [1], extraído da revista Época (02/06/2012, seção “Religião”), trata de uma chaga mundial que poucos consideram: a Cristofobia, perseguição física e ideológica contra minorias cristãs pelo mundo inteiro, enquanto apresenta-se como cerceamento da liberdade de Consciência e religiosa no Ocidente. No Oriente Médio, em especial, pouco denunciada, a opressão violenta contra as minorias cristãs nos países muçulmanos é um problema cada vez mais grave.

***

Por Ayaan Hirsi Ali, somaliana, 43 anos. [2]

Ouvimos falar com frequência de muçulmanos como vítimas de abuso no Ocidente e dos manifestantes da Primavera Árabe que lutam contra a tirania. Outra guerra completamente diferente está em curso – uma batalha ignorada, que tem custado milhares de vidas. Cristãos estão sendo mortos no mundo islâmico por causa de sua religião. É um genocídio crescente que deveria provocar um alarme em todo o mundo.
O retrato dos muçulmanos como vítimas ou heróis é, na melhor das hipóteses, parcialmente verdadeiro. Nos últimos anos, a opressão violenta das minorias cristãs tornou-se a norma em países de maioria islâmica, da África Ocidental ao Oriente Médio e do sul da Ásia à Oceania. Em alguns países, o próprio governo e seus agentes queimam igrejas e prendem fiéis. Em outros, grupos rebeldes e justiceiros resolvem o problema com as próprias mãos, assassinando cristãos e expulsando-os de regiões em que suas raízes remontam a séculos.

SANGUE DERRAMADO: Cristãos coptas, do Egito, carregam uma imagem de Jesus Cristo manchada de sangue, em ato contra a violência de extremistas islâmicos (Foto: Asmaa Waguih/Reuters)

A reticência da mídia em relação ao assunto tem várias origens. Uma pode ser o medo de provocar mais violência. Outra é, provavelmente, a influência de grupos de lobby, como a Organização da Cooperação Islâmica – uma espécie de Nações Unidas do islamismo, com sede na Arábia Saudita – e o Conselho para Relações Americano-Islâmicas. Na última década, essas e outras entidades similares foram consideravelmente bem-sucedidas em persuadir importantes figuras públicas e jornalistas do Ocidente a achar que todo e qualquer exemplo entendido como discriminação anti-islâmica é expressão de um transtorno chamado “islamofobia” – um termo cujo objetivo é extrair a mesma reprovação moral da xenofobia ou da homofobia.

Por causa de leis contra blasfêmia a assassinatos brutais, bombardeios, mutilações e incêndios em lugares sagrados, os cristãos de muitos países vivem com medo. Na Nigéria, muitos sofrem todas essas formas de perseguição. O país tem a maior minoria cristã (40%) em proporção ao número de habitantes (170 milhões) entre todos os países de maioria islâmica. Há anos, muçulmanos e cristãos vivem à beira de uma guerra civil. A Nigéria é o recordista em número de cristãos mortos em ataques violentos nos últimos anos (leia mais abaixo). A mais nova organização radical é o grupo Boko Haram, que significa “educação ocidental é sacrilégio” e tem como objetivo estabelecer a lei islâmica (charia) em toda a Nigéria. Com esse propósito, afirma que matará todos os cristãos do país.

Só em janeiro, o Boko Haram foi responsável por 54 mortes. Em 2011, seus membros mataram ao menos 510 pessoas e queimaram ou destruíram mais de 350 igrejas em dez Estados da região norte, de maioria muçulmana. Eles usam armas, bombas de gasolina e até facões, gritando “Allahu akbar” (“Deus é grande”) enquanto atacam cidadãos inocentes. Até agora, têm se concentrado em matar clérigos, políticos, estudantes, policiais e soldados cristãos, assim como líderes muçulmanos que condenam suas atitudes.

A cristofobia que infesta o Sudão assume uma forma diferente. O governo autoritário do norte, muçulmano sunita, atormenta há décadas as minorias cristãs e animistas do sul. O que muitas vezes é descrito como guerra civil é, na prática, perseguição constante do governo a minorias religiosas. Essa prática culminou no vergonhoso genocídio de Darfur. O presidente muçulmano do Sudão, Omar al-Bashir, foi indiciado pelo Tribunal Penal Internacional por três acusações de genocídio, mas a violência não terminou. A euforia dos cristãos pela semi-independência que Bashir concedeu ao Sudão do Sul, em julho do ano passado, já passou. No Estado do Cordofão do Sul, eles ainda estão sujeitos a bombardeios aéreos, assassinatos, sequestros de crianças e outras atrocidades. A ONU afirma que entre 53 mil e 75 mil civis inocentes foram deslocados de suas casas.

DOR: Centenas de cristãos egípcios velam as vítimas de um ataque à bomba contra uma igreja em Alexandria, em janeiro de 2011, que deixou 23 mortos (Foto: Cai Yang/Xinhua Press/Corbis)

Os dois tipos de perseguição – realizados por grupos extra-governamentais ou por agentes do Estado – aconteceram simultaneamente no Egito pós-Primavera Árabe. Em 9 de outubro do ano passado, na região de Maspero, no Cairo, cristãos coptas marcharam em protesto contra uma onda de ataques muçulmanos – incêndios em igrejas, estupros, mutilações e assassinatos – que se seguiu à derrubada da ditadura de Hosni Mubarak. Os coptas representam cerca de 10% dos 83 milhões de egípcios. Durante o ato, as forças de segurança avançaram contra a multidão com seus caminhões e atiraram nos manifestantes, matando 24 pessoas e ferindo mais de 300. No fim do ano, mais de 200 mil coptas já haviam fugido de suas casas diante da expectativa de mais ataques. Com os muçulmanos no poder após as eleições legislativas, os temores parecem justificados.

O Egito não é o único país árabe que parece empenhado em acabar com a minoria cristã. Desde 2003, mais de 900 cristãos iraquianos (a maioria deles assírios) foram mortos por terroristas somente em Bagdá, e 70 igrejas foram queimadas. Milhares deixaram o país por causa da violência. A consequência foi a queda do número de cristãos para menos de 500 mil pessoas, metade da população registrada há dez anos. A Agência Assíria Internacional de Notícias, compreensivelmente, descreve a situação atual como um “genocídio incipiente ou limpeza étnica dos assírios no Iraque”.

***

[1] – http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2012/06/cristofobia.html

[2] – Ayaan Hirsi Ali, de 43 anos, nasceu de uma família muçulmana na Somália e emigrou para a Holanda, onde foi parlamentar. Produziu o filme Submissão (2004), sobre a repressão às mulheres no mundo islâmico. É pesquisadora do American Enterprise Institute.

***

.

Comentário

Como o senhor Barack Obama, líderes da União Europeia e outros chefes de Estado ainda podem falar em Paz no Mundo se apoiam rebeldes genocidas mundo afora, que matam milhares de cristãos inocentes em função de sua Fé?

O líder sudanês citado no artigo só não é apoiado porque as potências anticristãs ocidentais estão de olho no petróleo do Sudão, e esperam o momento certo para derrubá-lo, com aconteceu na Líbia, no Iraque e está acontecendo na Síria. Mas, ele também está com os dias contados. Está no poder apenas pelo poder do Terror e porque interessa ao Ocidente que ele continue a chacinar cristãos.

Fala-se tanto em “islamofobia”, homofobia, preconceitos, mas, hipocritamente, colocam as vítimas no mesmo nível de seus assassinos, quando, por exemplo, Barack Obama já compara católicos defensores da Vida e ortodoxos em sua Fé com terroristas assassinos da Al-Qaedda (treinados pela CIA e Mossad). Isso não é Cristofobia? Não é perseguição ocidental contra os valores cristãos de proteção à Vida de bebês inocentes?

A perseguição cristofóbica no Mundo não se dá apenas via massacres, mas também por cerceamento de profissão da Fé, de manutenção dos valores milenares da Igreja, campanhas difamatórias da mídia, escárnios público e perseguição legal, com apoio das instituições que deveriam proteger a liberdade de todos. Vemos, no entanto, a Justiça do Ocidente dando licença para crimes (como aborto, eutanásia, infanticídio indígena, etc.) e marginalizando a matriz civilizatória da Igreja, em favor de interesses imorais dos governos, como o brasileiro, dos EUA e Argentina.

***

.

♦ Leia também:

Anúncios

11 comentários

  1. Republicou isso em ACID BLACK NERDe comentado:
    A verdade tem que ser dita. Apesar do silêncio da nossa imprensa, os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo. Mais de 100 mil pessoas morrem por ano porque são cristãs. No Brasil, morrem 300 homossexuais por supostos crimes de motivação homofóbica. Enquanto a mídia inventa o “homocausto”, esquecem de noticiar o morticínio de cristãos. Típico.

    Curtir

    1. Podemos e devemos educar nossas crianças e jovens, sem covardia e medo de parecer recalcados, a rejeitar essa cultura pornográfica, anticristã e assassina. Devemos mostrar a todos eles que a Igreja, longe de ser o monstro pintado pelos livros de História, foi a instituição que forjou a Civilização Ocidental.

      Essa é a resistência devida, o Testemunho até o fim a que nos exorta Nosso Senhor.

      Um abraço em Cristo! Espero te ver de volta aqui! 😀

      Curtir

      1. (…)Devemos mostrar a todos eles que a Igreja, longe de ser o monstro pintado pelos livros de História, foi a instituição que forjou a Civilização Ocidental. ASSINO EMBAIXO.

        (um adendo) QUE SEMPRE SOCORREU OS POBRES EM TODOS OS CONTEXTOS DE SOFRIMENTO (ninguém pode negar), QUE É A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO QUE FAZ CARIDADE EM ESCALA MUNDIAL ( é evidente) , QUE É A ORGANIZAÇÃO HUMANA MAIS VELHA DO MUNDO (a história mostra) QUE INSTITUIU AS UNIVERSIDADES. Tem mais, muito mais, porém, paro por aqui.

        Como dizia Santa Tereza D”Avila: ‘ MORRO FILHA DA IGREJA’, algo me diz que esse pensamento faz o inferno tremer, porque guiada pelo Espírito Santo nos ensina, sem margem de erro, a salvação eterna.

        Curtido por 1 pessoa

  2. O MAIS INTERESSANTE DE TUDO ISSO E QUE PARA OS HEREGES PROTESTANTES OS CATÓLICOS (CRISTÃOS MASSACRADOS E MARTIRIZADOS PELO FAMIGERADO ESTADO ISLÂMICO) AGORA SÃO CRISTÃOS. SE FOSSE AQUI NO BRASIL ESTARIAM BATENDO PALMAS POIS NÃO PASSARÍAMOS DE IDOLATRAS E ADORADORES DE MARIA. A IGREJA DE CRISTO SABE SUPORTAR COM CORAGEM A QUALQUER PERSEGUIÇÃO! OREMOS PELOS NOSSOS IRMÃOS ORIENTAIS E LOUVEMOS A DEUS PELA CORAGEM DESSES GRANDES CATÓLICOS!

    Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s