Leão XIII e o Exorcismo de São Miguel Arcanjo


O primeiro nome citado no título refere-se a Vincenzo Gioacchino Raffaele Luigi Pecci Prosperi Buzzi, nascido em Carpineto Romano, Itália, a 2 de março de 1810, tendo sido ordenado sacerdote católico em 31 de dezembro de 1837. Foi eleito Pontífice da Cristandade em 20 de fevereiro de 1876, assumindo o nome de Leão XIII, assim permanecendo até sua morte em Roma, a 20 de julho de 1903.

Leão XIIIConhecido por seu intenso zelo católico e apostólico, notabilizou-se também por sua austeridade e devoção a São Miguel Arcanjo, bem como por suas encíclicas, nas quais aponta, de forma inequívoca, as falhas fundamentais do Capitalismo liberal e o aspecto intrinsecamente satânico do Comunismo. Dentre tantas obras de apostolado e catequese escritas por Sua Santidade, Leão XIII, destaco uma que me é muito cara e preciosa: o Exorcismo sob a invocação de São Miguel Arcanjo, Príncipe da Milícia Celeste e Servo dos Servos de Deus.

Em certa manhã, estava S. S. Leão XIII em contemplação diante do Altar da Eucaristia quando, repentinamente, mudaram-se suas feições bruscamente, segundo testemunhas que acorreram ao então Papa. Este fechou-se em seu gabinete particular e escreveu, sofregamente, o texto do Exorcismo que segue abaixo, que está contido no documento Acta Sanctæ Sedis, vol. XXIII, da página 743 à 746.

Segundo alguns, este Exorcismo pode ser rezado tanto por leigos como por sacerdotes. Na verdade, estes últimos deveriam-no saber de cor, já que Leão XIII havia determinado que ele deveria ser executado logo antes de realizarem-se as celebrações do Santo Sacrifício da Missa como forma de afastar a influência de Satanás e seus anjos rebeldes.

Abaixo, o texto original em latim e, em seguida, sua tradução em português (versão e adaptação de minha autoria):

Fundamentalmente, Maçonaria e Judaísmo coincidem


“Todo o espírito da Maçonaria é o mesmo do judaísmo, em suas crenças mais elementares, suas idéias, sua linguagem e principalmente em sua organização. A esperança que ilumina e suporta a Maçonaria é a mesma que ilumina e suporta Israel. Seu remate será esta maravilhosa casa de pregaria, da qual Jerusalém será o centro triunfante e símbolo”.

(“La Verite Israelite”, periódico judaico, de 1861, pg. 64)

Genocídios de Cristãos se multiplicam pelo Mundo


Acho curioso que todo mundo, ainda que por razões duvidosas (às vezes, sem razão alguma), se comova quando palestinos sucumbem sob as bombas de Israel, quando histórias mal contadas sobre as vítimas do Holocausto viram filmes, quando uma tal de Olga, terrorista comunista, é dada como morta em um campo de concentração ou um ator famoso morre naturalmente.

Mas, se eu falar que as cabeças de milhares de cristãos estão sendo decepadas para servirem de bola de futebol para a diversão macabra de terroristas islâmicos, que crianças estão sendo enforcadas por estes diante dos pais, que mães gestantes estão tendo suas barrigas abertas, que jovens estão sendo crucificados (literalmente) em nome de sua Fé, as pessoas parecem que se tornam, estranhamente insensíveis, quase a dizerem “bem feito”. No máximo, demonstram uma ojeriza higiênica disfarçada de falsa piedade hipócrita. E por que hipócrita? Porque essas pessoas, que são a maioria, nada fazem para manifestar seu suposto repúdio a esses crimes contra a humanidade, justamente num país como o nosso, em que ainda temos liberdade de manifestação.

Aristóteles e o cinismo da democracia contemporânea


O que é, realmente, democracia? Meus leitores já alguma vez se fizeram essa pergunta, sinceramente? Bem, imagino que contestar ou questionar o regime democrático como ele hoje é concebido, mesmo para os mais ecléticos, seja uma heresia imperdoável.

Nós, conservadores, crescemos pensando que o conceito de democracia é diametralmente oposto às doutrinas totalitárias (principalmente, as da Esquerda). Mas, será mesmo que sabemos o que é democracia? Esse regime de liberdades fundamentais, pretendido por nós, onde o fruto do trabalho de cada um de nós é preservado de toda intromissão do Estado, desde que respeitadas as leis, é mesmo condizente com o conceito de democracia conforme foi originalmente elaborado?

Segundo um artigo da Wikipedia [1]: