[ESPECIAL]: Estado de Israel, quartel-general do Terrorismo mundial


Este ensaio reúne referências externas e pretende formar um dossiê para alertar as pessoas sobre a influência nefasta do Estado de Israel sobre as nações do Mundo. Este site é antissionista, mas não antissemita, já que os sionistas, nem de longe, representam todos os declarados judeus do Mundo. Finalmente, este site reserva-se, através de seu Autor, o direito à Liberdade de Expressão ampla e irrestrita, pautando pela reflexão e pela investigação pessoal, não assumindo qualquer atitude alheia de racismo ou incitação à violência, seja de quem for.

Aos trabalhos! 😀

Poder. É a meta que move aqueles que lançam suas sórdidas mãos à violência, pois, como eu já disse há algum tempo [1], este é o método mais eficaz de subverter-se a sociedade. A violência nem sempre é direta, mas também pode ser sutil. O importante é seu fim: novamente, o Poder. Este cega, aprisiona, marca a ferro, vincula e justifica qualquer ato extremo na mente obstinada pela avidez do que não lhe pertence. Quanto mais Poder se tem, tanto mais óbvia é a ilegitimidade da posse do que é alheio. Quanto mais ilegítima tal posse, tanto mais irredutível se apresenta o Caminho.

Todos os povos humanos se vergaram, ao menos uma vez, sob o jugo atroz da avidez, seja por Poder, dinheiro, matanças ou delírios religiosos. Teriam sido diferentes os denominados judeus? Não, obviamente. Mas, tem sido raro que alguém toque nas chagas profundas que restaram dos erros de algumas organizações judaicas. O fascínio por essas histórias, da parte de judeus e goyim, pode consistir muito mais do que em simples paranoia, obsessão, antissemitismo, cisma com seus costumes ou qualquer outra coisa. Tem a ver com a forma absurdamente “fácil” com que alguns deles ficam ricos e chegam a monopolizar o Poder sem fazer grandes esforços para tal. Seria isso pura inveja de quem se manifesta assim? Eu acho que, frequentemente, não é.

Para quem não sabe, toda vez que falo em Sionismo, me refiro a um tal movimento, oficialmente gestado no séc. XIX, mas que remonta a muitos séculos atrás, de acordo com o que podemos deduzir da leitura de obras de homens como Maimônides, Isaac Luria, etc. Pregava a instituição de um “lar judaico” para os judeus espalhados pelo Mundo como solução para combater o antissemitismo (ou melhor, antijudaísmo). O problema deles é que a maioria dos judeus, mesmo os que se aferram às tradições, não quiseram e continuam a não querer ir morar na Palestina. Pois, o Sionismo se agarra a um fanatismo messiânico em que, para que venha o Messias e os judeus sejam soberanos sobre os “imundos” goyim (os “gentios”, ou seja, os não judeus), é necessário que o Templo de Jerusalém seja reconstruído, custe o que custar [2].

Não vou me ater aqui ao mérito das polêmicas suspeitas de conspirações judaicas na História recente e antiga, do Brasil e do Mundo. Afinal, apesar das evidências apontadas até mesmo por autores reconhecidamente judeus relatando ações sórdidas de alguns grupos, não é este o objetivo desta postagem. Assim, vamos aos fatos. Aqui mostraremos, por mais que reclamem das fontes, que o Estado de Israel não tem nada nem de democrático, nem de pacífico.

***

Fato: milícias mercenárias, pagas com grosso dinheiro sionista (digo, de Rockefellers e Rothschilds), invadiram a Palestina logo após a Segunda Guerra Mundial para colonizar a Palestina, sob a batuta frouxa da Grã-Bretanha. Colonizaram e expulsaram, ao menos, 200 mil famílias palestinas, que ali moravam há séculos, para instalar colonos alegadamente judeus, arregimentados no mundo inteiro com a promessa de lotes de terra. Isso depois de uma tentativa de compra maciça de terras pelos banqueiros sionistas supracitados, o que não se mostrou suficiente. Como a maioria dos palestinos percebeu o engodo de uma convivência pacífica com os judeus, começaram a recusar as ofertas de compra. Resultado: foram expulsos, sob vários massacres operados pelas tropas de ocupação estrangeira do que hoje constitui o Estado Terrorista de Israel. E não há discurso chantagista de puxa-sacos sionistas que calem a Verdade, confessada em várias fontes, inclusive por militares israelenses da reserva, sobre a brutalidade usada pelos invasores e ladrões mercenários. Abaixo, o ótimo documentário Occupation 101, dublado em português, mostra tudo isso e muito mais:

Todos os grandes líderes de partido, presidentes e primeiros-ministros israelenses participaram, ativamente, dos crimes deste Estado Terrorista e são, ainda, seus principais estrategos e conspiradores. Não há grupo com mais experiência em técnicas de guerrilha e terrorismo do que o Mossad, serviço secreto do terror e conspiração formado por agentes sionistas de ocupação, ainda na época pós-Guerra. Golda Meir, Menahem Begin, Ariel Sharon, Shimon Peres, Itzhakh Shamir — todos terroristas e guerrilheiros da mais repugnante categoria, não ficando muito atrás dos nazistas, seus principais inspiradores, dadas as suas ações supremacistas.

Se admitirmos que a Al-Qaeda fora treinada pela CIA (dos aliados norte-americanos), fica a pergunta: o Mossad poderia ter algo a ver com alguma operação da Al-Qaeda? Bem, a demolição genocida das Torres Gêmeas seria a operação perfeita para forçar os EUA a entrarem numa guerra no Oriente Médio pelo aliado israelense, ao mesmo tempo vencendo os vizinhos de Israel e engordando o patrimônio dos petroleiros e dos armamentistas da família Bush.

Perguntas que não querem calar:

  • O que diriam os puxa-sacos dos israelenses se fossem acareados com o fato de que vários supostos “estudantes” judeus foram presos, após serem investigados, por estarem festejando e fotografando, de camarote, as Torres Gêmeas em chamas?
  • Por que motivo nenhum judeu apareceu, justamente em 11 de setembro de 2001, no World Trade Center para trabalhar, na capital financeira do Mundo?

Depois que o mundo veio a saber que foi a CIA que treinou Osama Bin Laden e a Al-Qaeda, qual não seria a surpresa dos puxa-sacos dos sionistas ao se verem forçados a admitir que foi o Mossad que treinou e enviou Simon Elliot para ser o califa do ISIS! Sim, o líder supremo do ISIS é um agente do Mossad disfarçado de radical muçulmano (cujo nome verdadeiro é Simon Elliot), sob o pseudônimo de Abu Bakr Al-Baghdadi. O plano é simples: dividir o Oriente Médio ao meio, acabando com a resistência ao predomínio dos Rothschilds na região, aproveitando a oportunidade para exterminar as últimas comunidades de seguidores do Nazareno (cristãos).

Fica fácil, por aí, entender por que, estranhamente, o ISIS não atacou nenhum alvo israelense até agora, já que o esperado é que muçulmanos saiam em defesa de muçulmanos, especialmente dos muçulmanos palestinos. Se até há judeus ortodoxos saindo em defesa dos palestinos, por que diabos os ultra-muçulmanos do ISIS os querem ver pelas costas? Fato: ISIS só ameaça cristãos e muçulmanos, jamais tocam em judeus. Não que eu deseje isso, mas as vagas ameaças supostamente feitas contra Israel pelo ISIS não passam de blefes, já que jamais se concretizaram, servindo apenas como uma cortina de fumaça para escamotear o apoio secreto fundamental que receberam dos EUA, das monarquias sionistas do Golfo Pérsico e de Israel, via Mossad.

(Para quem ainda tem dúvidas, aqui vão alguns documentos que provam, em vídeo, que os EUA treinaram o ISIS, juntamente com o Mossad: https://www.youtube.com/watch?v=BxPsNvB2shM.)

Os mísseis de fabricação israelense, encontrados pelo Exército iraquiano nos acampamentos abandonados pelo ISIS, perfazem mais um forte indício do apoio secreto que o ISIS recebe de Israel, afim de redesenhar o mapa do Oriente Médio e colocar toda uma região sob o domínio do medo, do Terror, além de massacrar cristãos e desafiar o Irã. Na verdade, por exemplo, quando o ISIS ameaça entrar no território russo, não é o mesmo ISIS que está declarando guerra à Rússia, mas o Estado de Israel, seguido pelas monarquias cripto-judaicas da Arábia Saudita, da Jordânia e do Catar. E é por isso que a Rússia já avisou: se os EUA, OTAN, Israel e demais capachos invadirem a Síria ou o Irã, a Arábia Saudita será o primeiro pato a ser afogado no Golfo Pérsico.

O caráter racista e genocida do regime israelense fica patente quando ficamos sabendo que discursos, como o da deputada israelense Ayelet Shaked (que declarou que o mais eficiente modo de combater o Hamas era exterminar as mães palestinas para que não gestassem terroristas), são recompensados com altos cargos no atual governo do primeiro-ministro Benyamin Netanyahu. Tal ato é um reconhecimento de que o pensamento que reina em Israel é o cinismo mais escroto e um desejo irrefreável de destruir seus adversários a qualquer custo, sem qualquer sentimento de compaixão ou qualquer sincero desejo de paz. Até o presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, que também não é flor que se cheire,  comparou o pensamento da deputada ao de Adolf Hitler (que ironia, não?), segundo o periódico israelense Haaretz. Sim, ela é ministra da Justiça (!!!) de Netaniyahu, atualmente.

O Sionismo é cínico, porque pretende combater o racismo com racismo, o antissemitismo com antissemtismo (afinal, palestinos, sírios e libaneses também são semitas). Podemos citar três sionistas que, aleagadamente, combatem o o antisemitismo, mas que promovem o racismo mais repugnante. A judia Rebekkah Jentszch Kasner (também conhecida como Angela Merkel, premiê alemã) se esforça para se comportar com boa cadela de Israel na Europa, enquanto deporta 12 mil ciganos para Kosovo para que morram por “envenenamento por chumbo”. Também o ex-presidente Nicholas Sarkozy é cripto-judeu, cujo verdadeiro nome é Aaron Mallah, além da abortista e racista Hillary Clinton (ou melhor, Hillary Rodomsky).

A sociopatia fanática do racismo judeu-sionista é tão flagrante que, para um israelense médio, a carbonização de um bebê palestino vivo por um judeu não pode ser considerada crime. Mas, claro, ainda assim os lacaios de picadeiro, no Brasil e no Mundo, ainda defendem esse regime neonazista, assassino e sórdido, vigente em Israel e com tentáculos imundos alcançando todas as nações do Mundo.

Vejo também como é solenemente ignorado o mapa do que deve vir a ser o “Grande Israel” após a consecução dos planos sionistas para o Oriente Médio, com colaboração direta ou indireta de governos ocidentais. O fato é: tanto comunistas quanto capitalistas, Direita e Esquerda políticas, colaboram ativamente para incendiar a fogueira. Abaixo, segundo subsídios dos próprios sionistas, o mapa de Israel após a reconstrução do Templo de Jerusalém.

Futuro mapa do “Grande Israel” após a reconstrução do Templo de Jerusalém e da vinda do “Messias”, segundos os teóricos sionistas.

 

***

NOTAS

[1] EBRAEL. Sobre o poder e o uso da Violência. Artigo (online). O Portador da Promessa. Publicado em: 11 de julho de 2015. Disponível em: < http://wp.me/pwUpj-2nj >. Acesso em: 15 de setembro de 2015.

[2] Claro, secretamente, é provável que a Maçonaria também trabalhe em favor desse objetivo, embora disfarce-o sob a alegação do de se tratar de mero simbolismo.

Anúncios

12 Replies to “[ESPECIAL]: Estado de Israel, quartel-general do Terrorismo mundial”

    1. Nicolau, boa tarde!

      Não acho que deva haver qualquer atitude de hostilidade contra alguém pela origem étnica, mas é óbvio que todos devem ter o direito de se defender e de denunciar aqueles elementos ou grupos que se mostrem perigosos para os nossos semelhantes.

      Mas, claro, o que dizem é que judeus não podem ser criticados (porque são o “povo escolhido” por Deus) e que o Estado de Israel é o mais democrático da Terra. É, ao menos, o que nos dizem as lendas da mídia ocidental. 😀

      Um abraço!

      Curtir

  1. “Isaías 32:7 – As artimanhas do homem de caráter maligno são todas perversas; imagina tramas cruéis para destruir com mentiras o pobre e indefeso, mesmo quando a súplica deste é justa.”

    “João 8:44 – Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.”

    Como disse Cristo, uma árvore dá os frutos conforme a sua semente, jamais poderá um pé de manga produzir laranja, bem como um filho do diabo não utilizar a mentira e o homicídio nas suas maquinações.

    “Jeremias 8:3 E será escolhida antes a morte do que a vida por todos os que restarem desta raça maligna, que ficarem em todos os lugares onde os lancei, diz o Senhor dos Exércitos.”

    Curtir

    1. Estás a falar de quem? Acaso, o que se vê nos vídeos são mentiras, efeitos especiais, feitiçaria? Espero que não estejas falando de mim, porque o que eu busco é a verdade dos fatos, algo bem menos ambicioso do que muitos que pretendem se sentar sobre o assento da Verdade de Deus.

      Curtir

    1. Os Bilderbergers são os agentes dos senhores do Mundo. Os Rothschild são os diretores-presidentes, Soros está no segundo escalão.

      Os Rothschild são os que mais financiaram a invasão da Palestina, primeira pela Inglaterra, depois pelas milícias sionistas após a Primeira e Segunda Guerras. O que eles querem daquela terra? Veremos. Provavelmente, a vinda do tal “messias’ que ainda não veio (para judeus) e que, para outros iludidos, ainda voltará em pessoa.

      Ledo engano! Aliás, esse será o grande engano!

      Um abraço!

      Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s