Seis locais do Mundo para conhecer ainda em Vida


Há locais que eu gostaria muito de conhecer antes de partir deste Mundo. Não obstante eu avalie destinos interessantes, compartilhados por amigos e leitores (tais como as Pirâmides de Gizé, Paris, etc.), dou preferência a lugares com uma história especial, além da beleza natural, sejam essas lendárias ou verídicas. E são essas sugestões de viagem, sem muitas dicas (apenas nomes e imagens, mesmo), que seguem abaixo.

Andiamo! 😀

1. Glastonbury (Reino Unido)

Para quem não sabe, Glastonbury é um dos locais mais importantes dentro do ciclo arturiano, ou seja, dos relatos sobre a saga de Arthur Pendragon, o lendário rei de Camelot e da ilha de Avalon. O nome da cidade pode significar, originalmente, “Forte de Carvalho” ou “Torre de Vidro”.

A cidade localiza-se na região sudoeste da Inglaterra, chamada Somerset, cheia de pântanos e baixios. Isso pode justificar ter sido chamada de Ilha de Vidro (em galês, Ynys Gwyddrin), além de ser relacionada à lendária ilha de Avalon (em galês, Ynys Aphallach, ou “ilha das Maçãs”). Afinal, nos tempos em que os charcos da região não eram ainda drenados, o local se parecia, no inverno, com uma ilha em meio ao restante do sul de Álbion (nome pelo qual os gregos conheciam a Grã-Bretanha).

Glastonbury Tor, lendária torre-igreja no alto do ponto alto da cidade, de onde se contempla os baixios de Somerset. Foto: Desmond Dorling.

O local é destino de peregrinações religiosas e místicas durante todo o ano, e sua história registra o encontro mágico entre duas tradições espirituais de vulto: o Paganismo e o Cristianismo primitivo. Segundo cronistas cristãos (como Beda e Gildas), em Glastonbury foi erguida a primeira igreja cristã acima do solo onde hoje ainda restam as ruínas de uma Abadia beneditina do século VII e a Glastonbury Tor, uma construção religiosa fortificada, construída no cume de uma colina de onde se contempla toda a região.

2. Santorini (Grécia)

Santorini já foi chamada de Tera ou Tira, em grego. Obviamente, a hospedagem em Santorini (uma das centenas de ilhas vulcânicas gregas no Mar Egeu, centro de um arquipélado homônimo), bem como um cruzeiro através de suas águas, não deve ser algo, digamos, barato. No entanto, poucos lugares da Terra poderiam me proporcionar uma vista do pôr-do-sol como aquela de Santonrini. Destaque, também, vai para a arquitetura das casas dependuradas sobre os promontórios da ilha, que nos lembram o branco vivo do gesso sob a luz intensa do dia.

Vista do topo de uma igreja ortodoxa grega em Fira, uma das ilhas do arquipélago de Santorini. Fonte: Wikimedia.

3. Mont Saint-Michel

Já mencionei esse incrível lugar por seu monumento da arquitetura medieval aqui mesmo, no site, algumas vezes. O Mont Saint-Michel é uma ilhota rochosa do litoral francês defronte ao Canal da Mancha, que separa a França da Grã-Bretanha. Na verdade, a “ilha” não é bem assim considerada, já que o é apenas quando a maré sobe e a estreita faixa de areia, que liga o local ao continente, fica submersa, na foz do rio Couesnon.

Sobre o acidente natural, o “monte” de São Miguel, há um mosteiro beneditino do século XIII dedicado àquele que é o arcanjo venerado como patrono da Igreja Católica e protetor do povo israelita. Motivações religiosas à parte (como o suposto relato de aparição do arcanjo no local), o fato é que o conjunto formado pelo monte e pela arquitetura do mosteiro impressiona pela beleza, pela imponência e pela inspiração mística que causa a quem o contemple.

Le_Mont-saint-michel_a_lheure_bleue

À época de sua construção e fortificação, serviu de ponto de reunião dos Cruzados que partiam para a Palestina a fim de tomá-la aos árabes. Após as Cruzadas, permaneceu, como até hoje, como centro de peregrinação religiosa sob a tutela dos Beneditinos.

4. Kiruna (Lapland, Suécia)

O local, apesar de deslumbrante e rústico (embora aconchegante, como eu gosto), não teria nada de especial, se não fosse pela experiência única de apreciar o Sol da Meia-Noite, fenômeno característico dos países mais setentrionais, próximos ao Círculo Polar Ártico, que acontece devido às altas latitudes em que se localizam.

Eis o Sol da Meia-Noite, fotografado em Kiruna (Suécia)! Foto: Glúten 28.

A experiência em questão pode alterar sua percepção natural, por causa da mudança brusca do seu regime de sono, pela calma inerente a esses lugares, pela luminosidade solar peculiar. Enfim, sim, é uma experiência potencialmente mística, ideal para aqueles que desejam o isolamento propício à pacificação da alma.

Casa típica em Kiruna. Foto: Wojciech Markiewicz.

Há muitos locais, no Hemisfério Norte, recomendados aos viajantes que buscam, por curiosidade ou gosto, experimentar essa paz que eu busco. Recomenda-se não apenas a Suécia como destino, mas também a Noruega, o norte do Canadá, o Alasca e a Islândia. Mas, essa cidadezinha me pareceu bem simpática durante minha pesquisa relacionada. Kiruna dispõe de hospedagem decente, gastronomia à base de peixes e lazer típico (passeios a trenós motorizados, pubs, eventos culturais, etc.).

5. Fiji

Obviamente, não tenho dinheiro para passar alguns anos da minha vida em um lugar como Fiji (arquipélago localizado no Oceano Pácífico, a leste da Austrália). Porém, lá é que eu estaria bem encaminhado para passar de uma melhor (aqui) para outra (sabe-se lá onde).

Vista de uma das 14 praias privadas da ilha Turtle (Fiji). Foto: Fiji Tourism.

Na verdade, eu não teria pressa alguma se estivesse recluso em uma das 14 praias privadas da ilha Turtle (na foto acima), em meio às flores selvagens, águas cristalinas e às fragrâncias inebriantes de um pedaço do Paraíso na Terra (se ele existir de alguma forma, claro).

6. Marilena (Paraná, Brasil)

Na contramão dos destinos de viagem mais conhecidos (ou, como eu digo, da mainstream) no Brasil, elegi um que fica num dos locais menos conhecidos de nosso país. O Pontal do Paranapanema, que é uma secção do Rio Paraná na divisa entre os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo, reserva surpreendente beleza e paz aos viajantes que caçam lugares insólitos para descansarem, meditarem e entrarem em contato com a Natureza (bastante ameaçada naquela região).

Pôr-do-sol às margens do Rio Paraná, em Marilena (PR). Foto: Wilmar Santin.
Pôr-do-sol às margens do Rio Paraná, em Marilena (PR). Foto: Wilmar Santin.

Uma das inúmeras cidades desta região, felizmente pouco manchada pela marca da presença humana, é Marilena, com uma população de pouco mais de 7 mil habitantes, localizada na região noroeste do Estado do Paraná, em contato não muito distante de centros importantes, como Maringá e Londrina.

Cidade pequena, todos praticamente se conhecem e se criam nos quintais uns dos outros. Sem trânsito significativo, o silêncio reina onipresente. Obviamente, não é um destino apreciado por neuróticos robotizados pela vida noturna, mas sim por quem deseja paz e sossego, ou mesmo achar aquele grande amor. Quem sabe, não é?

***

É isso aí. Para quem não sabia, deve ser uma surpresa, mas adoro sites que versam sobre experiências de viagem. Lembrem-se:

Angeli non aiunt, sed agunt.

Em bom português: Os anjos não dizem amém; eles preferem agir. Ajamos e sejamos felizes, conforme nos for possível! Um grande abraço a todos! 😀

Anúncios

3 Replies to “Seis locais do Mundo para conhecer ainda em Vida”

  1. Excelente artigo.

    PS.: Durante 20 anos(1989-2009), jamais imaginei que um dia iria me ver admirando alguém, em especial jovem, que se identificasse como anticomunista. Esse dia chegou, e louvo a Deus que cada vez mais, pessoas jovens militam contra esse monstruoso equívoco histórico e social, o comunismo.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Te agradeço, sinceramente, as palavras de incentivo, Joel. Mas, recomendo cuidado, também, com os fanáticos da Direita, que podem ser tão intransigentes e histérico quanto aqueles da Esquerda. Fanatismo só muda de lado e de droga. Um abraço! 😀

      Curtir

      1. Júlio, a longa temporada que passei manietado nas fileiras esquerdistas, me serviu para aprender que radicalismos nos impedem de enxergar outras vias. E, essa foi a razão por que fiquei tanto tempo na esquerda, mesmo com as claras evidências de tratar-se de um equívoco, que contudo, passavam ali ao meu lado, mas o fanatismo me impedia de enxergar isso. Muito obrigado pelo aviso. Um abraço!

        Curtido por 1 pessoa

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s