— Trecho citado a partir do artigo The Unspeakable is spoken again (“O indizível é dito novamente”), em The Chrysalis. Tradução livre, para o português, de Ebrael Shaddai, logo abaixo da citação.

You may have noticed it. What was once unspeakable has become speakable again.  Even if not respectable or decent it has gained some measure of “legitimacy”. What was once on the margins or periphery of mainstream culture and the public discourse has insinuated itself into the mainstream. It no longer even pretends to disguise itself as something other than it is or impersonate what it is not. It’s the language of fascism which, I am very sorry to say, has become something of a fate for post-modernity and our “end of history” and is probably the instrument by which Gebser’s dreadful “law of the earth” will be fulfilled.

(…)

That’s a vision of what we are now calling “post-truth society” or what Richard Stivers refers to as “The Triumph of the Irrational”. It’s Blake’s way of rendering what Nietzsche described as “nihilism” and the devaluation of values — i.e., “all higher values devalue themselves”. Stivers’ assertion about “the triumph of the irrational” implies that what was formerly in the shadows of civilisation — on the peripheries and the margins — has become the mainstream itself, otherwise referred to as “new normal”, “post-Enlightenment”, or “post-truth society”. The logic of reductionism and fundamentalism, which has been the final outcome of Renaissance and Reformation respectively, ultimately ends in the logic, such as it is, of fascist totalitarianism and “the end of history”.
 
Reductionism and fundamentalism are the form of contemporary nihilism. The principle of universality becomes interpreted as uniformity; liberty becomes devalued as libertinage; equality is devalued as “sameness” or the assimilatory; the whole is devalued as a mere totality and aggregation. “Identity politics”, which arises in consequence of the post-modern “loss of self”, and which is a symptom of extreme narcissism, is chief amongst the symptoms of the disintegration of the personality structure of modern man. I insist again, narcissism has nothing to do with “self-love”. It’s rather a form of extreme self-alienation. Narcissus did not love himself. He was in love with an image of himself that he did not know was only an image.
 
Identity politics are the logical politics of the culture of narcissism and the collapse of perspectivist consciousness into the mere “point-of-view” which ultimately dissolves the universal into atoms. Identity politics, particularly in the form of racial identity — as “white identity” or “black identity” or the various expressions of ethno-nationalism today are all collectivist identities that attest to the disintegration of all personal or individual identity — even to the point where, with “marketing 3.0” or “holistic branding”, “identikits” can be bought and sold in the market as “lifestyle choices” or as “branded behaviours”.

Tradução livre

“Você deve ter se dado conta. O que, antes, era impensável de se dizer, voltou a ser dito. Ainda que inapropriado ou indecente, aquilo [que era ilegítimo] recebeu certa ‘legitimidade’. O que estava às margens ou nas periferias da cultura de massas e do discurso público, passou a se insinuar por dentro da própria cultura de massa. ‘Aquilo’ não tem, sequer, a mínima intenção de disfarçar o que é ou fingir ser o que não é. É a própria linguagem do fascismo que, sinto em ter de dizer, tornou-se parte do destino da pós-modernidade e de nosso ‘fim da história’ e é, provavelmente, o instrumento pelo qual a terrível ‘lei da Terra’, na linguagem de Gebser, será cumprida.

(…)

Esta é a imagem do que chamamos, agora, de ‘sociedade da pós-verdade’ ou aquilo ao que Richard Stivers se refere como o ‘Triunfo do Irracional’. Também esta é a forma com que [William] Blake apresenta o que Nietzsche descrevia como ‘niilismo’ ou ‘desvaloriazação dos valores’ — ou seja, ‘todos os mais altos valores depreciam-se a si mesmos’. A referência de Stivers a respeito do ‘triunfo do Irracional’ implica que tudo o que jazia, antes, nas sombras da civilização — nas periferias e às margens —, tornou-se a própria cultura de massa [a dominante], também chamada de ‘novo padrão’,  o ‘pós-iluminismo’ ou a ‘sociedade da pós-verdade’. A lógica do reducionismo e do fundamentalismo, que foram os resultados finais da Renascença e da Reforma [Protestante], respectivamente, enfim, termina na lógica, tal como é, do totalitarismo fascista e no ‘fim da história.

O Reducionsmo e o Fundamentalismo são as formas contemporâneas do niilismo. Assim, o princípio da universalidade acaba interpretado como uniformidade; a liberdade é rebaixada à libertinagem; a igualdade [da condição humana] é rebaixada a uma noção de identidade formal [do ser como objeto, não como essência] ou de assimilação forçada; o Todo é tido apenas como o agregado informe dos elementos de um sistema. A ‘política da identidade’, que surge como consequência da ‘perda do eu’ na pós-modernidade, e que é um sintoma de um narcisismo extremo , é o principal dentre os sintomas de desintegração da estrutura da personalidade do homem moderno. Volto a insistir que narcisismo nada tem a ver com ‘amor próprio’. Na verdade, é uma forma extrema de auto-alienação. Narciso não amava a si mesmo, mas a imagem de si mesmo que ele não sabia que era tão-somente uma imagem. [Nesse caso, a alienação reside no fato de que Narciso ‘aliena’ — transfere — a algo que não é ele o amor que deveria ter por si.]

As ‘políticas de identidade’ são as políticas previsíveis da cultura do narcisismo e do colapso da Consciência perspectivista para dentro de um mero ‘ponto de vista’ e que, ao fim, dissolvem o que é universal [e óbvio] em átomos [amorfos e indistintos]. As ‘políticas de identidade’, particularmente na forma de ‘identidade racial’ — como, por exemplo, identidade ‘branca’, ‘negra’ ou qualquer identidade étnica extremista —, são identidades coletivistas que apontam, fatalmente, para a desintegração de toda e qualquer identidade pessoal e individual, até mesmo ao ponto em que, com o ‘marketing 3.0’ e a ‘marca holística’, identi-kits possam ser comprados e vendidos no mercado como ‘escolhas de estilos de vida’ ou como ‘comportamentos emblemáticos’.

Um comentário em “Modernidade em dissolução

  1. SIM, MODERNIDADE EM DISSOLUÇÃO, PORQUE É EMBLEMÁTICA, CALCADA NAS APARÊNCIAS E NÃO NA ESSÊNCIA, PARA LAPIDAÇÃO DOS POVOS.
    ESSA É A ESTRUTURA DO PENSAMENTO, EM QUE SE INSERE A MODERNIDADE, SENDO O PENSAMENTO UMA FUNÇÃO DO CAMPO ELETROMAGNÉTICO, QUE É O CAMPO MATERIAL, E POR ASSIM SER, JAMAIS PODERIA CONDUZIR A HUMANIDADE AO EQUILÍBRIO, PORQUE O SER HUMANO É DE ORIGEM SUPERIOR, RACIONAL, NÃO PERTENCE AO SER MATERIAL, O SER ANIMAL.
    RAZÃO PELA QUAL O SER ANIMAL NÃO TEVE CONDIÇÕES DE EVOLUIR A PARTE RACIONAL DOS SERES HUMANOS, DEIXANDO A HUMANIDADE NUM GRANDE VAZIO.
    FRISAMOS AQUI: UM INFERIOR NÃO TEM CONDIÇÕES DE DAR A SOLUÇÃO EXISTENCIAL DO SUPERIOR, POR NÃO CONHECER A BASE E A LÓGICA DO SUPERIOR, TAL QUAL UMA FORMIGA QUE NÃO PODE ENTENDER E COMPREENDER AS QUESTÕES HUMANAS.
    E COMO A MATÉRIA É UM SER PROVISÓRIO E PASSAGEIRO, ONDE TUDO QUE NELA TEM PRINCÍPIO, TEM O SEU FIM, CHEGOU A VEZ DO PENSAMENTO, QUE JÁ CAMINHA PARA SUA LIQUIDAÇÃO TOTAL, LIQUIDANDO TODOS OS PENSADORES, POR A FASE DO PENSAMENTO TER TERMINADO NA NATUREZA, DESDE 1935 – DAÍ TUDO EM DECADÊNCIA E DISSOLUÇÃO.
    O PENSAMENTO, QUE É O INTELECTO, NÃO ALCANÇA AS ESFERAS DO RACIOCÍNIO (O BOM SENSO ABSOLUTO), POR DESCONHECER A ORIGEM DE TUDO E DE TODOS E, POR ISSO, SEMPRE MANTEVE OS MISTÉRIOS, OS ENIGMAS, OS FENÔMENOS, OS FINITOS E TRANSFINITOS. NADA FOI SOLUCIONADO E TUDO SOMENTE PIOROU.
    DAÍ ESTARMOS ASSISTINDO A TODO ESTE DESCALABRO MORAL, FÍSICO E FINANCEIRO, NOS QUATRO CANTOS DO MUNDO.
    SÓ O RACIOCÍNIO, DEPOIS DE DESENVOLVIDO, IRÁ RECUPERAR A HUMANIDADE.
    MAS, ATÉ LÁ, MUITO SOFRIMENTO SERÁ NECESSÁRIO PARA ACORDAR A HUMANIDADE DO FANATISMO MATERIAL, O GRANDE SONO DE PEDRA.
    PARABÉNS PELO TEXTO! ABRAÇOS, JÚLIO!

    Curtido por 1 pessoa

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s