Glastonbury, a mítica ilha de Avalon


Há várias formas de lançar uma história real ao domínio do descrédito. Uma delas é eivando-a de contornos lendários. De uma só vez, blindava-se testemunhos orais e fatos históricos verídicos com detalhes que não se podiam comprovar (por falta de meios para isso) e impunha-se o selo do “sacrilégio” às populações impressionáveis que se atrevessem a contestar as versões oficiais, por profanarem a “santa” versão.

Continuar lendo “Glastonbury, a mítica ilha de Avalon”

Todo dia é Dia de Finados


O aniversário de minha Mãe cai no dia de Finados. Ou seja, nesse dia, lembra-se, segundo a Tradição Católica, aqueles que já tiveram um fim, que partiram dessa para uma muito melhor (sempre esperamos por isso). Vai bem longe ainda, mas aproveito, descontraio e rio com ela, teço alguma piada não muito engraçada (para não ser inconveniente).

Mas, penso que Dia de Finados é todo dia.

Continuar lendo “Todo dia é Dia de Finados”