Lula, espantalho de Bolsonaro


Ao contrário da postagem anterior, esta será breve e direta. Sim, as ideias a seguir podem parecer improváveis. Mas, a improbabilidade, no Brasil, é algo corriqueiro. Do primeiro presidente, após a Constituição, ao último, tudo era improvável.

Um fato é ponto pacífico: Jair Bolsonaro não teria sido eleito sem a adesão do sentimento antipetista ao espírito de sua campanha, que prometia muito para o Brasil com pouco e heterogêneo capital humano (ao menos, na Política).

Sim, eis que aqui é um antipetista a falar, mas também antibolsonarista. Eu não sou alguém que apenas declara que Lula está na cadeia como um presente (ao próprio), mas também que Jair Bolsonaro é um homem errado na hora certa. A quem serviu sua eleição?

Jair Bolsonaro sempre precisou de antagonistas para aparecer. Precisou dos militantes LGBT e petistas a produzirem o kit gay, e estes o odeiam carnalmente. Precisou da inépcia de Dilma em governar, além de candidatos vazios de conteúdo e politicamente desmoralizados. Precisou gritar que queria corruptos na cadeia e usar da credibilidade das Forças Armadas para, sendo um militar da Reserva, vender o discurso austero da Caserna.

Enfim, Jair Bolsonaro precisou de Sérgio Moro ao seu lado e Lula na cadeia, para que passasse a ideia de que era ele, logo ele, a encarnação do ideário nacional contra a impunidade e o comunismo.

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Mas, mais do que Moro consigo, Bolsonaro precisava de Lula na cadeia. Porém, com o ex-juiz, que colocou seu pretenso rival na cadeia, sendo elogiado, viu ali uma ameaça (mais uma). Agora, quem sabe, seus amigos do Congresso e no STF poderiam colocar Moro sob suspeição e liberar Lula da cadeia. Mas, como assim?

A mentalidade paranoica de Bolsonaro & Sons precisa de inimigos para que pareçam necessários. Precisam de inimigos. À medida que a laca cínica, que cobria seu discurso populista e desculpava seus palavrões recorrentes, foi sendo esmerilhada diante de nossos olhares, eles precisariam usar do medo e da histeria coletiva, sob chantagens já muito utilizadas, para se manterem no Poder.

Bolsonaro:

“Olha, se vocês não me apoiarem, o Lula vai voltar. Lula será solto.”

Para Bolsonaro (pai), Lula é mais útil se solto do que preso. Enquanto Lula está preso, o povo fica sossegado e fiscaliza outros políticos, principalmente os mandatários do Executivo. Se ele for solto, Bolsonaro acha que o povo, em massa e por medo da reascensão do PT, esquecerá sua ânsia de Poder e o apoiará incondicionalmente, como gado e matilha de vira-latas.

>> LEIA MAIS: Bolsonaro precisa deixar de querer ser o Lula da Direita.

Mas, para sua desgraça, Lula pode acabar não sendo solto. Não por sua intervenção, mas pela pressão dos Militares que ele despreza intimamente. E, os militares, mantendo Lula preso, fazem Justiça ao povo e deixam Bolsonaro sozinho, sem inimigos além de seus próprios aliados.

Bolsonaro é um kamikaze que se apossou do fantasma de um ladrão, com nome de Molusco, do qual fez seu espantalho por não ter mais bombas para explodir.

4 comentários em “Lula, espantalho de Bolsonaro

  1. Eh, irmão, teremos que aguardar como isso vai continuar……
    Rola uma guerra planetária, com as forças do bem derrotando as do mal!
    Nos EUA isso está evidente e bem adiantado……
    Na Rússia já acontece há 19 anos!
    Temos aí forças invisíveis, do bem, cristicas, no planejamento das estratégias necessárias para combater os discípulos do capeta!!
    Aquele que Jesus bateu de frente, lá atras, bastando pra entender olhar João 8/44, Mateus 23, ou Mateus 21/42-3, por exemplo!
    A luta está em todos os lugares e dimensões!!
    E nós, os do bem, venceremos!!
    Abs. forte!!

    Curtir

  2. PERTINENTE👇🏿
    Cúpula Trump x Putin — Inicio de uma nova era??
    17 de julho de 2018

    O complexo político estabelecido e suas “Fake News” está fora de si!!
    Mas, como devemos realmente avaliar a reunião Trump/Putin em Helsinque?
    Por que as “Fake News” demonizam a reaproximação com a Rússia?
    Aqui uma análise detalhada. 
    Por Daniel Prinz

    A cúpula entre Donald Trump e Vladimir Putin em 16 de julho de 2018 deve entrar para a história como um marco significativo na luta contra as operações globais do “Deep State”. (Estado criminoso, das trevas)
    A data do encontro entre as duas maiores potencias políticas, certamente não foi escolhida ao acaso.
    Há exatamente 100 anos, na noite de 16/17 de julho de 1918, a maioria da família Romanov, do czar, foi assassinada pelos bolcheviques. (https://pt.metapedia.org/wiki/Bolchevismo)
    Em 16 de julho de 1999, John F. Kennedy Jr. morreu em um acidente de avião (sua possível sobrevivência, insinuada por “Q”, aumenta o simbolismo da data da cúpula).

    Reaproximação entre EUA e Rússia, Oriente Médio e situação de refugiados

    Durante a coletiva de imprensa, tanto Trump quanto Putin tiveram oportunidade, e o fizeram repetidas vezes, de enquadrar o atual establishment beligerante, juntamente com a sua mídia mentirosa e falsificadora dos fatos, que ficaram visivelmente contrariadas.
    Trump deixou claro que haverá uma novas aproximações com a Rússia.
    Rejeitar cúpulas políticas e nada fazer – como os “democratas” exigem – não são solução.
    Suas decisões sobre a política externa dos EUA não pretendem agradar partidos, críticos, a mídia ou os democratas que, em suas palavras, não querem nada mais do que criar obstáculos
    Diálogos construtivos entre os EUA e a Rússia, de acordo com Trump, trazem a oportunidade de abrir novos caminhos para possibilitar a paz e a estabilidade em nosso mundo.
    Ele foi enfático: “Eu prefiro correr o risco político de buscar a paz ao invés de arriscar a paz para buscar políticas”.
    Ambos falaram sobre a desnuclearização da Coréia do Norte e do Irã e ambos continuam trabalhando isso juntos.
    Igualmente na luta contra os terroristas islâmicos radicais, as agências de segurança dos dois países estarão cooperando para proteger os cidadãos contra essa ameaça global.
    A situação na Síria é muito complexa, disseram eles.
    No entanto, os dois estados fizeram campanhas com sucesso contra o Estado Islâmico, que foi virtualmente erradicado dessa região.
    Nesse quesito eles também estão trabalhando com Israel para pacificar a região do Oriente Médio como um todo.
    Sobre a situação dos refugiados, Putin mencionou que em países como Turquia, Líbano e Jordânia há um grande número de refugiados, e se a Rússia e os EUA ajudassem essas pessoas [possivelmente devolvendo-as a seus países], a pressão sobre a União Européia diminuiria.
    Em suas palavras, este é um processo complexo e multidimensional.
    Indiretamente, Putin insinuou que os grandes fluxos migratórios para a Europa poderiam em breve ser interrompidos ou pelo menos minimizados significativamente.
    Isso seria um passo absolutamente importante para estabilizar a Europa novamente!
    No que diz respeito ao comércio mundial de energia no setor de petróleo e gás, Putin explicou que havia feito acordos comuns com Trump.
    Quando Trump foi confrontado por sua declaração na última cúpula da OTAN por um repórter criticando a dependência da Alemanha em relação ao fornecimento de energia da Rússia, Trump esclareceu que não via a Rússia como um inimigo neste caso, mas como concorrente comercial, e isso é algo positivo.

    Suposta manipulação da Rússia na eleição presidencial dos EUA em 2016

    Tanto Trump quanto Putin foram questionados por repórteres, em pelo menos duas ocasiões, sobre a suposta manipulação dos russos na campanha eleitoral dos EUA em 2016.
    Trump respondeu que não houve conluio entre os EUA e a Rússia.
    “Foi uma campanha limpa”, disse Trump, e que ele superou facilmente Hillary Clinton.
    Foi uma “campanha brilhante” e, portanto, ele se tornou presidente.
    Todas essas alegações de manipulação, de acordo com declarações de Trump, prejudicaram as relações bilaterais entre as duas principais potências nucleares.
    Putin perguntou provocativamente a imprensa reunida diante de si sobre de onde a mídia tinha tirado a ideia de que Trump confiaria nele e/ou vice-versa?
    Trump afinal representa os interesses dos EUA e ele representa os da Rússia.
    Mas ambos os países também têm interesses comuns e ambos estão procurando maneiras de eliminar suas diferenças.
    As alegações de conluio são absurdas.
    Putin chegou a sugerir que o investigador especial norte-americano Robert Mueller poderia ir à Rússia interrogar os 12 agentes russos acusados de se intrometer na campanha presidencial dos EUA em 2016.
    Para este tipo de cooperação,
    Putin informa que existe acordo de cooperação de longa data entre os dois países no que respeita infrações penais entre estados.
    Como contrapartida os russos também gostariam de questionar as autoridades dos EUA sobre alguns dos crimes de cidadãos dos EUA e, por exemplo, examinar o caso de Bill Browder.
    Browder e proprietário da empresa de gestão de fundos Hermitage Capital Management e é considerado um crítico feroz da política de Putin.
    Sua empresa de investimentos era uma das maiores investidoras ocidentais na Rússia.
    Browder foi condenado a nove anos de prisão pelo Judiciário russo por evasão fiscal em ausência.
    Ele também teria adquirido ações da Gazprom ilegalmente.
    Browder, por outro lado, supostamente planejava expor a influência russa na política externa dos EUA.
    De toda maneira, Putin soltou uma bomba e disse diante das câmeras que Browder e seus parceiros totalizaram negócios de US$ 1,5 bilhão, mas não recolheram impostos nem na Rússia nem nos Estados Unidos.
    O dinheiro foi para os EUA, e parte dessa quantia, Putin emendou, US $ 400 milhões, foram para a campanha eleitoral de Hillary Clinton!
    Portanto, a pergunta correta é: quem influenciou quem?
    A respeito da inquirição de um repórter de que todas as agências de inteligência dos EUA estavam de acordo que houve a interferência da Rússia nas eleições de 2016, Trump respondeu e perguntou por que o FBI foi convidado a se retirar do Comitê Nacional Democrata (DNC)?
    “Por que o FBI não conseguiu obter o servidor [confiscado]?
    Então, onde está o servidor e o que há nele”? perguntou Trump aos repórteres.
    Trump também perguntou o que aconteceu com os servidores de computador do cavalheiro paquistanês [espiões] que trabalhara no DNC?
    A próxima “bomba” Trump soltou imediatamente depois, quando ele fez a pergunta: “Onde estão os 33.000 e-mails de Hillary Clinton?
    Eles simplesmente desapareceram.
    “Foi uma pena, disse Trump, que os EUA não pudessem receber esses e-mails.
    Tais coisas não teriam acontecido tão facilmente na Rússia, ele continuou.
    Putin também deixou claro para o público que as empresas e indivíduos russos não representam a Rússia nem agem em nome da Rússia.
    Há também indivíduos nos Estados Unidos, e aqui Putin nomeou George Soros como um exemplo, que tem bilhões de dólares, mas não representa os Estados Unidos.
    Portanto, trata-se de pessoas privadas, não de governos que interferem nos assuntos do governo.
    Putin disse indiretamente que Trump não deveria ser responsabilizado pelas ações de indivíduos ricos e insinuou que Soros também poderia ter tido alguma influência na campanha eleitoral dos EUA em 2016 e na política dos EUA em geral.
    Estas foram declarações pesadas e claras que devem ter arriado bastante as calças do Deep State! O fato é que esta conferência de imprensa entra como outra pedra importante no “dominó” que está sendo jogado e enviará, nos próximos dias e semanas de ondas de choque, provocando no futuro próximo mudanças de longo alcance na política mundial e economia mundial.
    O encontro, Putin e Trump concordam, é o começo de um longo processo.
    No entanto, os primeiros passos foram dados para um futuro melhor.
    Mudança de poder e paradigma?
    Houve indícios de uma troca global do poder durante os últimos dias da viagem de Trump à Europa.
    E aqui o simbolismo desempenha um papel muito importante, e assim, “entre as linhas”, uma mensagem transmitida para o exterior.
    Quando Trump estava na cúpula da Otan em Bruxelas, uma foto de grupo dos participantes foi tirada, com todos – exceto Trump – olhando em uma direção.
    Ele olhou exatamente na direção oposta.
    Poderia essa imagem indicar que os presentes recebem suas ordens de uma fonte (Deep State) e as ordens de Trump são de outra natureza?
    Donald Trump provocou um escândalo na visita à rainha Elizabeth do Reino Unido.
    O fato de que tanto Donald Trump quanto sua esposa não se curvaram diante da rainha, como é costume, ou que Melania não fez a mesura protocolar, e só apertaram as mãos, pode ser uma pista de que Trump não está subordinado a ela – ao contrário.
    Isso ficou ainda mais evidente, pois Trump “ousou” andar na frente da Rainha durante a visita conjunta à guarda real, e assim violou flagrantemente o protocolo. Claro que ele foi proposital, pois Trump é tudo, menos estúpido.
    Ele se colocou em posição superior à da rainha na frente do público.
    O quão significativo é esse gesto é demonstrado pelo fato de que até o marido da rainha, o príncipe Philip, deve seguir sua esposa em público alguns passos atrás.
    Tudo isso ainda foi “coroado” na foto do grupo dos Trump com a Rainha, quando ela segura suas luvas brancas em uma das mãos. O correto seria ela manter as luvas nas mãos.
    Alguns especulam que isso simboliza a capitulação da rainha.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Caro Amigo me perdoe pela dureza da sinseridade ,mas fiquei em duvida de quem realmente é o espantalho, ou o Lula ou você com esta sua dedução infantil e até mesmo bizarra, porque a ti parece que ninguem sabia disto procura ocupar teu tempo com algo mais util e instrutivo pode fazer isto saindo de cima do muro esta foi impressão que você deixou lamentavelmente . Grd abraço.

    Enviado do tablet Samsung.

    Curtir

    1. Caro leitor,

      Desculpe-me pela dureza e pela sinceridade, mas fiquei em dúvida se você leu a matéria com atenção. As ideias, como eu disse, podem não ser novas, mas eu as expressei assim que elas me ocorreram ontem à noite. Isto é um blogue pessoal, para manifestar ideias pessoais, não para refletir ideias de grupo.

      Ainda: eu só faço coisas úteis, exceto pelo hábito persistente do tabagismo. De resto, tenho minha função social e econômica, como qualquer pessoa em condições para tal. De instrutivo, leio, reflito e me atenho ao mérito dos assuntos nos quais comento, ao invés de dar conselhos ad hominem sem sequer conhecer o interlocutor.

      A necessidade de sair de cima do muro é do gato que acha que precisa pular ou no abismo, de um lado, ou no moedor de carne, de outro. Sigo minha Consciência.

      Grato pela visita!

      Curtir

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.