Bélgica deve legalizar a eutanásia de crianças

Bélgica prepara-se para legalizar eutanásia de crianças


Sim, a Bélgica, tão pioneira no que há de pior nos costumes, prepara-se para aprovar, na próxima quinta-feira, 13, a possibilidade legal de os pais outorgarem a eutanásia a crianças (sim, de decretarem sua morte “piedosa”), de 12 anos de idade em diante, com doenças incuráveis e/ou terminais.

Há quem tente justificar esse ato como sinal de “caridade”, até mesmo cristã (pasmem!), para com a criança em sofrimento. Mas, quem de nós já há visto alguma criança a pedir para morrer, mesmo em situações tão pungentes e sob sofrimentos atrozes?

Não são elas, justamente as crianças, os repositórios de Esperança por um mundo melhor? Quando calarem a voz (ou induzirem a calar-se) de uma criança diante do sofrimento normal da Vida humana, quem de nós ainda terá inspiração para lutar por sua própria Vida, já tão obliterada pela falta de alegria, de beleza e Fé? Quão humana essa criança ainda vai ser, de fato? E que vestígios de humanidade ainda terão seus pais, e nós?

Continue lendo “Bélgica prepara-se para legalizar eutanásia de crianças”

“Por que não tomar no cu?” (Artigo politicamente incorreto)


Por Ebrael Shaddai.

Adaptado de um comentário postado na página de Olavo de Carvalho.

***

.

Por que você não deve tomar no cu?
Propaganda enganosa!

A expressão “tomar no cu” é inadequada, pois o cu não é cuia, mas orifício. Logo, tomar algo no cu seria contraproducente, pois tudo acabaria dele escorrendo, além de não podermos portar o cu tal como um copo. Poderíamos, sim, se nos apetecesse à mente (depravada), levar no cu. Mas, levar no cu não leva a nada, como nos explica a Dra. Anete Guimarães no vídeo “Sexo Anal e suas consequências“. No máximo, o cu, violado, nos deixaria um câncer de próstata (aos homens) ou uma INEVITÁVEL Endocardite Bacteriana (a homens e mulheres) – aidéticos que o digam!

.

Discutindo as propostas temáticas do Prof. Olavo de Carvalho (aqui):

Continue lendo ““Por que não tomar no cu?” (Artigo politicamente incorreto)”