Sobre pactos


Carl Gustav Jung diria que basta que o Ego busque o Poder do Inconsciente, admitindo sua incapacidade em obter aquilo de que deseja fruir, para que haja “pacto”.

Agindo sutilmente o Inconsciente coletivo pelo pactuado, há a ilusão de que o Coletivo, como representante de um poder superior, agirá em favor dele.

Dificilmente, a pessoa se livra da cobrança daquilo que jaz dentro dela mesma. A Sombra a segue, e tudo sabe acerca dela. A Sombra é a parte noturna, não iluminada, da personalidade.

Cinismo geral


O mundo passou da hipocrisia leve ao fingimento teatral. E todo mimimi é teatral e narcísico. É certo que, para manter uma convivência social sem precisar usar armas de fogo, o sujeito precisa usar de certo fingimento; mas, apenas circunstancial, não em tempo integral (inclusive, durante o sexo).

Continuar lendo “Cinismo geral”

Medo e covardia


Intuo que as raízes de toda a tragédia humana, sem situarmos, precisamente, a origem (espiritual ou biológica) de nossa espécie, jazem fundas na masmorra daquilo que chamamos medo . E o medo é alimentado pela ignorância.

Continuar lendo “Medo e covardia”

A Vontade e a Plenitude da Lei


O Livro da Lei, originalmente intitulado Liber AL vel Legis, de autoria do mago ocultista Aleister Crowley, é um dos mais polêmicos dos últimos cem anos. Ele faz declarações, supostamente inspiradas, que poderiam ser interpretadas de várias formas. A despeito das controvérsias, a Lei de Thelema, promulgada neste livro, continua a ser um símbolo para a chamada Nova Era de Aquário.

Continuar lendo “A Vontade e a Plenitude da Lei”