Algumas considerações acerca da Igualdade


Como já fiz em outras oportunidades (aqui e aqui), vou mostrar hoje como nós costumamos usar palavras das quais não sabemos o real significado. Não raro, inclusive, invertemos seus significados em favor de certas ideias que as mídias querem nos impor. A palavrinha sem-vergonha de hoje é Igualdade.

Continuar lendo “Algumas considerações acerca da Igualdade”

Sobre a Elite e a Violência


A maneira mais eficiente encontrada pela Elite para enfraquecer e anestesiar as massas humanas é lhes atochar cenas surreais que evoquem a Morte e a degradação. Como os seres humanos têm medo mesmo de morrer e tèm ojeriza às cenas degradantes (pornografia infantil, execuções e chacinas, roubo, tripas se esparramando pelos corredores de hospitais, etc.), nos enchem com elas.

Continuar lendo “Sobre a Elite e a Violência”

Crianças sul-sudanesas num centro de triagem em Israel, esperando pela deportação.

Israel e o Racismo judaico contra negros


Quanto mais tempo passa, mais me surpreendo com o vitimismo por seu emblemático poder de subversão da sociedade. Entenda-se aqui vitimismo como a prática, eminentemente cínica, da supervalorização dos sofrimentos passados por alguns grupos de seres humanos tendo em vista a usurpação de poder e objetivando vantagens políticas e econômicas.

Pelo que vou falar hoje, podemos encontrar as fontes onde gayzistas e esquerdistas foram haurir seu know-how e se inspiraram para se tornarem mestres na arte de chantagear as maiorias. Abaixo, um documentário retratando, in loco, o racismo abjeto, sempre impune, de alguns grupos de judeus em Israel (cujo primeiro-ministro partilha de seus ideais), contra negros e estrangeiros:

Continuar lendo “Israel e o Racismo judaico contra negros”

A Subversão instalada dentro dos Seminários Católicos (1)


Introdução

Ainda que muitos apologetas católicos insistam em defender o Concílio Vaticano II, entre outras coisas, por não ter modificado oficialmente o Fidei Depositum, o Tesouro da Tradição e do Magistério bimilenar da Igreja, é inegável que a práxis, a atitude Pastoral, instaurou uma mudança indireta naquilo que era declarado como crido na prática pela comunidade dos crentes.

Logo, ainda que as inconsistências doutrinárias e as posturas “heretizantes” se manifestassem claramente em alguns pronunciamentos e documentos dos Papas, foi a forma de pensar do Clero que foi sendo modificada, a partir do interior dos Seminários e instituições de Vida Consagrada. Seria muito simples apontar uma heresia e, portanto, condená-la. Por outro lado, é difícil condenar uma forma de pensar, pois não há apenas uma forma de negar a Cristo, mas muitas, e sempre indefinidas, diluídas em centenas de erros diferentes, muitos deles recalcados, de forma não declarada.

CONTINUE A LER!