Simples mortal


Vejo que as pessoas superestimam uma suposta sinceridade como virtude, como se fosse um must, um tremendo diferencial. A partir da originalidade porra-louca, extravagâncias e os delírios mais toscos são permitidos a fim de anestesiar a alma aflita por um mundo em mudanças incontroláveis. Até um assassino pode ser sinceramente assassino, ou um estúpido ser estúpido sem medo de ser feliz. Mas, a sinceridade arrogante e patética – deboche moderno – já não basta às massas ávidas por esquisitices várias.

A Alegria da Presença


A Consciência advém do casamento entre a Luz e as Trevas, entre a água e o copo vazio, entre a chuva e a terra sedenta. É dessa Consciência que surge a invencível Vida do Universo, dos vermes famintos às estrelas. O que seria de nós sem essa presença efêmera, sem essa Shekhinah que renova todas as coisas?

Plantar é preciso


O rosto sério preserva um coração esperançoso. Palavras duras protegem os pés inexperientes. A mão firme segura, controla, corrige, mas também busca salvar a si e aos que ama do furacão no Mar do Tempo.

O Tempo e o Rio


O Tempo passa, flui como um rio. Sabe quando você tenta caminhar dentro da água e ela pesa sobre seus músculos, e você fica cansado? Parece que nossos corpos atravessam o Tempo como se este fosse, de fato, um rio caudaloso.

%d blogueiros gostam disto: