The Reckoning (by Robert W. Service)


Cambirela com neve

My 35-year carreer upon this planet is most all fulfilled… even right up to now. Yeah! I believe we’ve only got the “now” and the “here”, these ubiquous illusions that gather altogether to perform that uncomprehensible thing called Reality.

Continuar lendo “The Reckoning (by Robert W. Service)”

Balada do Triplo Caminho


Totem verde e petrificado,
Estante ao raio hipnótico,
Se abre ao buraco caótico
No caminho tão ressequido.

O olhar sertanejo psicótico
Fixa-se, inerte, trincado,
Em um horizonte narcótico,
Ao fim do caminho esquecido.

Ao andar, assim, quase robótico,
Diz-lhe o Destino, tão retórico,
Que a Morte não é só ditado
Na boca do caminho vivido.

***

Autor/data da composição: Júlio César Coelho (Ebrael), 01/01/2016, 16:13. Todos os direitos reservados.

Composta em um comentário ao soneto “A seca do quinze“, de Viviane Vasconcelos.

Dados da Foto: Habitante sertanejo do Estado da Paraíba, Brasil. Publicada em: 21 de julho de 2010. Visualizada em: < https://goo.gl/KdBkEJ >. Direitos reservados à Brazil Photos Stock Photography.

A Beleza da Fragilidade


Tradução: “Linda foto de Noah, bebê que sofreu aborto espontâneo após 12a. semana de gestação, mostra a Humanidade do bebê ainda não nascido.”

A Vida é infinitamente maior do que nós mesmos. A atitude natural do ser humano diante de qualquer forma de vida deveria ser de, no mínimo, respeito, senão mesmo de reverência (ainda mais quando originada dessas nossas carcaças frágeis, com a alma vinda do Criador).

P. S.: o aborto, nesse caso, foi espontâneo. Aquelas mãos, que presumo serem do pai da criança, provavelmente quiseram segurá-lo, em um ato de contemplação de sua humanidade, antes da despedida.

Data da foto: 20 de fevereiro de 2014.

Dilma, a Casa caiu!


Sem muito palavrório, quero deixar registrado o orgulho que senti ao ver, a despeito de quaisquer consequências, o teor genuíno e a pujança das manifestações deste dia 15 de março, em rejeição à presidente Dilma e à sua panaceia socialista de merda.

Sem pão com mortadela, com Consciência e sem preços, sob sol e/ou chuva. De carro, a pé ou via metrô. Na praia ou na cidade. Foram milhões em um só dia, a uma só voz, a exigir a renúncia de Dilma Rousseff e a extinção do PT e de outras quadrilhas similares.

Continuar lendo “Dilma, a Casa caiu!”