A ingratidão e a ira ainda imperam


Muitas religiões, ao longo dos últimos séculos, foram úteis no processo de refinamento moral (apesar de lento) da espécie humana. No entanto, no Ocidente, embora deficiente em muitos aspectos e auxiliada por conceitos do Oriente, a ritualística católica conseguiu imprimir no vulgo o imperativo hermético do equilíbrio entre as necessidades físicas e espirituais. Mais: eu não temo ser rotulado como coroinha por anticatólicos, nem como herege pelos católicos.

Continue lendo “A ingratidão e a ira ainda imperam”

Glastonbury, a mítica ilha de Avalon


Há várias formas de lançar uma história real ao domínio do descrédito. Uma delas é eivando-a de contornos lendários. De uma só vez, blindava-se testemunhos orais e fatos históricos verídicos com detalhes que não se podiam comprovar (por falta de meios para isso) e impunha-se o selo do “sacrilégio” às populações impressionáveis que se atrevessem a contestar as versões oficiais, por profanarem a “santa” versão.

Continue lendo “Glastonbury, a mítica ilha de Avalon”

Treze de Maio e o Valor da Liberdade


Hoje algumas pessoas lembram da Abolição da Escravatura no Brasil, mas poucos falam da Lei Áurea, que foi o ato de S. A. R. Princesa Isabel que oficializou o que o Império já sinalizava há algum tempo. Mas, por que será que muitos dos movimentos da Consciência dita Negra não exaltam a memória de sua benfeitora? Acaso, será por ela ter sido branca, europeia, bem-educada? Talvez, a parte rançosa desses escravos ressuscitados não tolere o fato de ela, a Princesa dos escravos, ter sido uma pessoa íntegra, fina, caridosa, culta e católica.

Continue lendo “Treze de Maio e o Valor da Liberdade”

Lições jamais aprendidas


A fama de Roma surgiu com o desenvolvimento de um punhado de povoações da planície do Lácio (região central da Itália). Uniram-se, elegeram seu rei e iniciaram seu crescimento, o qual só pararia aproximadamente 900 anos depois, no séc. II d.C. De uma população pastoril, surgiu uma civilização, uma cultura de alcance mundial e duração que exorbita os 2.750 anos.

Mas, em que o potencial do Brasil poderia ser menor ou o nosso desenvolvimento menos bem sucedido do que os dos romanos? Em que teríamos errado, quais as boas condições e as não tão favoráveis em nossa caminhada rumo ao desenvolvimento? É o que tentaremos demonstrar a seguir.

Continue lendo “Lições jamais aprendidas”