Bento e as formigas aladas


Das colmeias de abelhas aos impérios; das colônias de formigas aos rebanhos religiosos, a lei do Equilíbrio cobra seu tributo ao limitar a autonomia do indivíduo face às necessidades coletivas.

Entre tantas ovelhas que se desgarram e formigas que criam asas, Bento foi um rapaz que, fugindo do torpor das cidades, encontrou, no trabalho e na contemplação, os meios essenciais para compreender os segredos da Vida. Eis que ele viria a tornar-se inspiração para os buscadores da Verdade que vieram ao longo dos séculos após sua aparição. Eis, também, que me incluo entre os últimos de seus admiradores!

Continue lendo “Bento e as formigas aladas”

A ingratidão e a ira ainda imperam


Muitas religiões, ao longo dos últimos séculos, foram úteis no processo de refinamento moral (apesar de lento) da espécie humana. No entanto, no Ocidente, embora deficiente em muitos aspectos e auxiliada por conceitos do Oriente, a ritualística católica conseguiu imprimir no vulgo o imperativo hermético do equilíbrio entre as necessidades físicas e espirituais. Mais: eu não temo ser rotulado como coroinha por anticatólicos, nem como herege pelos católicos.

Continue lendo “A ingratidão e a ira ainda imperam”

Advertência aos profanadores


Diante da completa banalização da Magia, a Vera Scientia, sem falar das bizarrices trazidas pelos miasmas mentais desta era de trevas, é de suma importância o interdito contra os profanadores, curiosos, feiticeiros e charlatães, lançado pelo mais célebre ocultista e mago da Tradição Ocidental do século XIX, Eliphas Levi, em sua mais fundamental obra, Dogma e Ritual de Alta Magia, que citamos abaixo.

Segue:

Continue lendo “Advertência aos profanadores”

Ganesha, o Senhor dos Sons


Até hoje, tive pouca ou quase nenhuma experiência com mantras. No entanto, hoje venho contar o que anda acontecendo nos últimos dias no meio em que vivo. Enfim, tive que passar pela experiência recente, em questão, para atestar os efeitos benéficos do uso de certos mantras. Vamos lá!

Continue lendo “Ganesha, o Senhor dos Sons”