Enéas Carneiro e a Verdade, doa a quem doer!

Enéas Carneiro (1938-2007), cardiologista e político brasilero.

[Assistam ao vídeo ao fim da postagem! Vale a pena!]

Enéas Ferreira Carneiro – cardiologista e político brasileiro, nasceu a 5 de novembro de 1938 em Rio Branco (AC), falecendo a 6 de maio de 2007 na cidade do Rio de Janeiro (RJ), vítima de leucemia mieloide aguda. Fundou o agora extinto Partido da Reedificação da Ordem Nacional (PRONA). Candidatou-se por três vezes à Presidência da República (1989, 1994 e 1998), uma vez à prefeitura de São Paulo (SP), sendo, finalmente, eleito para o cargo de Deputado Federal por São Paulo em 2002, com a maior votação até então, aproximadamente 1,57 milhão de votos.

Enéas Carneiro (1938-2007), cardiologista e político brasilero.
Enéas Carneiro (1938-2007), cardiologista e político brasileiro. (Foto: Antônio Cruz)

“Uma coisa é a greve como direito inalienável do trabalhador (…). Outra coisa, bem diferente, é viver disso, fazer da greve uma profissão de fé e não ter feito nada mais, além disso, na vida”. [1]

Apesar de seu jeito caricato de se expressar em público, o que o tornou famoso e ridicularizado pela maioria do povo, ele era franco e tinha um conhecimento profundo da realidade brasileira. Não precisou se alçar por um dedo perdido em uma máquina ou passar fome em caminhões de pau-de-arara para falar à nação. Trabalhou até o dia de sua morte, ao invés de se “encostar” no INSS aos 29 anos de idade (como fez o chefe da Quadrilha Petralha, Lula-Molusco).

Blood Money: o documentário mais esperado de 2013


Blood Money, a mentira e a indústria do Aborto

Blood Money: o Aborto legalizado

Blood Money [em tradução livre do inglês, “Dinheiro de Sangue”] é um documentário que mostra todas as faces da indústria do aborto nos EUA [e, por extensão, no mundo inteiro], que rende bilhões de dólares às clínicas abortistas, às ONGs de “direitos humanos” e aos movimentos feministas.

Não vou me deter aqui na discussão e demonstração sobre o caráter criminoso, covarde e homicida do aborto, seja por parte das mães, das máfias políticas que o sustentam e propagam. Nestes artigos, exponho de forma suficiente os motivos de o aborto ser tido não somente como mal moral, mas como crime contra a humanidade. Qualquer pessoa que não leve aquelas evidências em consideração está, provavelmente, com algum distúrbio cognitivo ou de sensibilidade.

PT e Ditadura Cubana: ambos são traficantes de escravos!


Médico cubano, radicado há 12 anos no Brasil, desce a lenha no des-governo de Dilma Rousseff e expõe Ministro da Saúde ao ridículo proferido por este. Denúncias sérias contra o Programa Mais Médicos são arremessadas em riste dos deputados como merda no ventilador, demonstrando a situação humilhante pela qual os médicos cubanos passam em seu país.

Entre os destaques, podemos citar quando o médico em questão desmente o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, após este ter se referido ao governo cubano como democrático, contestando-o e dizendo que Cuba vive numa ditadura sangrenta. Mas, o que mais poderia vir de um “ministro” cujo diploma é considerado falso?

Também alertou que, sim, os médicos cubanos estão muito felizes de vir trabalhar no Brasil por poder ganhar aqui, durante algum tempo, 300 dólares por mês, enquanto em Cuba seu vínculo como escravos empregatício lhes rende de 60 a 70 reais mensais por uma jornada de, no mínimo, 60 horas por semana.

O que dizer de um partido (PT) que, aqui no Brasil organiza e financia manifestações pela redução de 20 centavos na passagem e diz defender os direitos dos trabalhadores mas que não faz nada para pressionar a ditadura de um país nanico a respeitar os direitos humanos de seus trabalhadores escravos?? Conclusão: só “defendem” os trabalhadores se quem estiver no poder não for um dos seus correligionários. Se for um deles, então ainda mais apoiam, desavergonhadamente, a exploração do homem pelo homem, dos pobres por carniceiros comunistas.

Abaixo, o vídeo com seu depoimento na Câmara dos De-puta-dos:

Dilma Rousseff e sua obsessão pelo Aborto

PT: A SÉRIE

A presidente Dilma Rousseff, hoje, foi mais presidente do que candidata“, comentou uma jornalista num jornal da Globo News agora à noite, referindo-se à sua vergonhosa sanção, sem vetos, do PLC 03/2013. Na prática, deixa-se brechas para o aborto em casos não previstos em Lei, já que o conceito de violência sexual não é determinado pela lei, substituindo tal conceito pela vaga expressão “relações sexuais não consentidas”.

Dies Irae | Dilma, a mentirosa, sanciona lei que abre brechas ao aborto!

Não, Dilma Rousseff não agiu como presidente dos brasileiros, mas como mercenária da ONU e psicopata, ideologicamente infectada pelo vírus comunista. Se fosse presidente dos brasileiros, teria levado em conta a esmagadora rejeição ao aborto da maioria da população. Se fosse presidente, não teria permitido que seus asseclas abortistas tivessem composto um projeto de lei que fere a Constituição e usa de sutilezas semânticas mal elaboradas para ludibriar os parlamentares e enganar os idiotas úteis, frouxos e covardes, do setor politicamente “correto”.

Poderia listar todas as flagrantes inconstitucionalidades contidas no texto da famigerada lei, mas vou citar apenas uma: