Segundo as tuas obras


(Em latim, secundum opera tua.)

***

De todo prato pedido,
Ao Anfitrião,
A primeira porção.

De todo plano urdido,
Ao Mentor,
O prêmio ou a dor.

Por cada vida salva,
Afaga-lhe os olhos
A Estrela D’Alva

À foice da Morte
E à Mulher calva,
Brada o Amor,
O Amor, que é mais Forte.

Deserto da Alma


Depois de sermos esmagados, triturados, moídos e espremidos; após cair a última gota da ilusão do que você pensava ter, cultivar, amar ou, mesmo, ser, nossa essência fica, realmente, vazia, como o núcleo de um único átomo fundamental. Há uma inquietação, em algum canto daquilo que chamamos de nosso eu, travando uma batalha silenciosa com a inércia que nos mantém, enfim, em um tal repouso forçado.

Continue Lendo “Deserto da Alma”