Sobre Jeová, o Dono do Mundo


Por incontáveis encarnações, estive às voltas com a religião cristã, tentando, através dela, permanecer em Cristo, por Cristo. No entanto, também, em quase todas essas ocasiões, desertei das hostes do Cristianismo oficial por perceber, em suas fileiras, a semente do “Pai da Mentira” do qual Jesus falava.

Como encontrar os Adeptos do Caminho do Nazareno, tendo esse Caminho sido atravessado por salteadores e pelas hostes da maldade, todas subordinadas ao deus deste Mundo?

Continue Lendo “Sobre Jeová, o Dono do Mundo”

Acerca de Gog e Magog


Há alguns dias, tomei conhecimento de uma obra épica de um escritor escocesa, publicada originalmente em 1819, que versa sobre tradições britânicas a respeito de dois nomes bem conhecidos dos estudiosos da Bíblia: Gog e Magog. Para você que pensa estar certo da suposta procedência desses míticos personagens, sugiro que conheça a obra descrita nesta postagem, mais adiante.

Continue Lendo “Acerca de Gog e Magog”

A última prova


Antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes (639). A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra (640), porá a descoberto o «mistério da iniquidade», sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da Verdade. A suprema impostura religiosa é a do Anticristo, isto é, dum pseudo-messianismo em que o homem se glorifica a si mesmo, substituindo-se a Deus e ao Messias Encarnado (641).

Continue Lendo “A última prova”

As incorreções dos termos politicamente corretos


Antes de começarmos a tratar dos objetivos propriamente ditos desta postagem, é preciso que repassemos alguns conceitos. Afinal, do que tratam os pressupostos politicamente corretos? Eles são, realmente, corretos, ou apenas tentam remodelar, arbitrariamente (e muito), os valores considerados corretos pelo senso comum?

Basicamente (e segundo a lenda), ser politicamente correto significa tratar a todos como iguais. Iguais perante a Lei, com os mesmos direitos e deveres. Ponto. A partir do momento em que tratamos a todos, segundo o establishment, como iguais, devemos tornar comportamentos particulares, massificados pela mídia e pelo Estado ideologizado, como imperativos, sendo todos arrastados por uma coação onipresente.

Continue Lendo “As incorreções dos termos politicamente corretos”