O Homem que enganou a Morte – Jesus não morreu na Cruz!


Para introduzir o que vou falar aqui, que por si só já trata de um assunto difícil e extenso, vou recorrer novamente à analogia. Afinal, não sou cientista para tratar com experimentos, nem sou capacitado para isso (ainda), mas apenas um pensador livre.

Se fôssemos apenas bactérias do intestino de Deus (a Suprema Inteligência), seres primitivos, porém criados para contribuir para a economia do Corpo do Universo, poderíamos nos considerar de grande importância, certo? Certo dia, Deus infundiu uma de suas bactérias de uma importante missão: fazer saber às bactérias que suas vidas não são mais nem menos do que UMA com a GRANDE VIDA. Uma bactéria continha em seu núcleo celular, e em seu DNA, a mesma essência em grau diminuto, ainda que perfeitamente idêntica, do Cérebro (Inteligência) do Grande Corpo. Pois, em tudo, há hierarquia e ordem. Como coadunariam, em um mesmo meio (Universo), forças de origem diferente, sem que batalhassem pela supremacia?? Teríamos uma dualidade irreconciliável, um Rei nativo, reinando sobre escravos eternamente insatisfeitos por não se identificarem com seu Soberano.

O egoísmo nos tolhe isso: a consciência de nossa verdadeira origem. A relação Criador/Criatura é levada a um extremo irracional, onde somos escravos de um Deus que não se parece, em nossas mentes, conosco mesmos. Em nossas relações, nos importa satisfazer apenas nossas necessidades, pois a religião não nos infunde a noção de Liberdade que, ao saber sermos Filhos de Deus, deveríamos possuir. E sermos livres, desde sempre, importa contermos o Universo e nele estarmos, mesmo que dentro de nós mesmos, no que Paulo dizia ser o Templo do Espírito. Num Templo, toda a Assembléia pode ser vislumbrada, assim como os símbolos sagrados de tudo que foi criado, virtualmente, fora dele.

Em nós mesmos, somos Deus, ainda que por meio não de nosso Eu Consciente, mas de nosso Verdadeiro EU… mas que Eu é esse? Esse Eu é aquele que não vê diferença entre uma pedra e um pássaro, entre ele e o outro ser humano, que é incapaz de destruir algo, ainda que possa transformar a forma física de uma coisa, ou ser, por um Bem Maior. Esse bem maior nunca é um apetite; na pior das hipóteses, uma contingência.

***

As religiões ocidentais, principalmente as de origem greco-romana e a cristã, sentiam uma necessidade paradoxal de transformar a natureza humana em divina, e vice-versa, deixando Deus com uma aparência antropomórfica distorcida. Continue lendo “O Homem que enganou a Morte – Jesus não morreu na Cruz!”

Divagações filosóficas: a “ressurreição” de Jesus


Acordei hoje atrasado. Atrasado para o que mesmo? Para ir ao batismo de minha enteada, que está para completar 12 anos. Disse que não me lembrava, pois fazia algum tempo que não ia à Igreja católica. Aprendi desde cedo, em nossa Casa de Umbanda, o que é religião-raiz, e como, mesmo professando a fé nos Orixás, devemos respeitar as memórias que guardamos de quando não éramos filhos-de-santo. Religião-raiz seria, então, a fé no meio da qual nascemos, fomos criados e educados, a religião de nossos pais carnais.

A missa até que não me causou enfado, pois o padre aqui da paróquia é uma pessoa dotada de boa palavra, sabe falar para pessoas de diversas mentalidades, sem contudo abdicar do discurso a que se propõe. Mesmo sendo, no coração, um cristão, pois levo no peito os ideais humanistas de Cristo (e não do cristianismo, o que é bem diferente), é fato que quando estamos em outro ambiente religioso esquecemos ou deixamos que se diluam as lembranças e o sentimento religioso de outrora. E a prova de que ainda nutro bastante simpatia pelos ideais cristãos é que, durante o sermão e os ritos da missa, fiquei com o pensamento dividido entre Cristo e as lembranças dos Orixás.

Então, durante o sermão, depois de cada palavra-chave proferida pelo padre, comecei a divagar, devanear mesmo, acerca de assuntos ligados a Cristo: sua vida, os fatos obscuros e polêmicos narrados pelos Evangelhos que conhecemos e os de Nag Hammadi (apócrifos).

E é justamente nesses momentos de aparente transe, devaneio, desdobramento, que extraimos e sintetizamos as principais idéias novas que surgem em nossa vida. Afinal, por experiência própria ou não, aprendi que os principais “ventos” da inspiração passam por nós durante as crises nervosas, exacerbação dos sentidos (visão de uma paisagem, cheiro de flor, audição de uma ópera, etc.), emoção profunda, comoção da morte iminente e… abstração do pensamento filosófico-religioso. Pensar sobre idéias sobre as quais não sabemos muito, portanto abstratas, como Arquétipos, quase sempre tende a alterar, nem que levemente, nosso estado de Consciêcia. Então, à medida em que o padre dava seu sermão, me vieram questões e algumas idéias soltas na cabeça. Nessas horas, nunca temos um caderno de anotações. Isso é o que me irrita…

A primeira coisa que me veio à mente foi, quando aquela multidão de gente de todos os tipos começou a rezar o Glória. Vi então o poder que o Papa traz consigo. A Bomgbogira de nossa Casa disse que a Igreja não possui “fundamento”. Aqui, a palvra “fundamento” não denota a razão de ser da religião, mas uma hierarquia espiritual que, através de um centro comum (um templo, um objeto magnetizado, um altar “original” e imantado), conduz e protege as almas dos que são ligados ao serviço daquela religião. Exemplos de religiões que possuem fundamento são a Maçonaria, a Ordem Rosacruz, a Umbanda e Candomblé, e também ramos hunduístas e do Budismo Tibetano. Também concordo, pois as orações e rituais são destinados a uma personalidade cuja acepção é indevida, como no fato de Cristo ser Deus e ter sido homem ao mesmo tempo. Os milagres dos “santos”, os fenômenos “sobrenaturais” são atribuídos de forma supersticiosa a esse santo ou aquele objeto, quando na verdade, podem muito bem ser fruto da ação da fé individual ou coletiva, a que eu chamo de mente-grupo ou egrégora. Então, desconhecendo os fenômenos de sua própria religião, os católicos, ou a maioria deles, jazem no que temos por ignorância.

Inevitavelmente, me veio algumas questões acerca da vida de Jesus, o Messias. Esse homem é, sem sombra de dúvida, o maior Iluminado dessa era, aliás, aquele que a inaugurou. E, a despeito do que falam os thelemitas, ele não foi o culpado, e suas idéias, de mergulhar o povo na ignorância. Os seres humanos não necessitam de quem os faça ver como são ignorantes. Veio, com uma missão, cumprindo profecias judaicas antiquíssimas. Apenas suas palavras foram mal-interpretadas, ou distorcidas deliberadamente por gente oportunista, sedentas de poder. Mas a essência de sua mensagem vai ecoar durante muito mais tempo do que Crowley previra. E a corrente cristã (à qual Crowley apelidava de “corrente  astral já morta”), não a corrente ignorante e supersticiosa, mas dos adoradores do Santo Espírito, se estenderá e sobreviverá quando a essência do Verbo se revelar cristalina, aos olhos dos que os têm para ver, e aos ouvidos dos que os possuem para ouvir. E a Verdade libertará os corações dos que a buscam, e lhes dará vida em abundância.

O padre começou a falar da cura do surdo-mudo, tema da liturgia de hoje. Falou algo que me surpreendeu positivamente: que a cura do surdo-mudo, em si, de nada valia; Jesus o havia curado somente para lhe trazer ânimo novo e esperança ao seu coração. Imaginem: pobre e ainda deficiente físico, naquela época?? Pensei também que Jesus recomendava que não espalhassem notícias de cura, não só para evitar que lhe perseguissem, mas  para que a vaidade e a soberba não lhes trouxessem novamente “doenças” na alma e apertasse novamente o “nódulo” do Karma.

E quando ele falou da “ressurreição” de Jesus, me veio estranhamente à mente a novela das nove horas da Globo: Caminho das Índias. Mas, por que? Depois de cinco minutos pensando, enquanto corria a missa, me lembrei de como o personagem Raul (Alexandre Borges) simulou a própria morte para fugir com a Ivone (Letícia Sabatella). Ela aplicou um narcótico que causava uma letargia profunda, profunda mesmo. Os sinais vitais desapareceram, aparentemente, é claro, mas havia preservação interna dos órgãos, e os neurônios, simplesmente, “hibernavam”. Não havia morte cerebral mas, ao mesmo tempo, não havia sinais que indicassem que ainda havia vida. Passadas algumas horas, quase um dia, antes de ser enterrado, ele acorda “milagrosamente”, depois de passado o efeito da droga, e troca de lugar com um fardo de peso, no caixão. Enterram, então, um fardo não-humano.

Bem, sabe-se que Jesus passou dos 12 anos em diante (e aos 13 anos õ rapaz faz a primeira iniciação à vida adulta no judaísmo, o Bar-Mitzvá) um bom tempo no Templo, estudando com sumos-sacerdotes (doutores nos segredos da Cabala) e com os essênios, anos mais tarde. Além do mais, quando já com seus 30 anos, tinha como companhia e aliado em Jerusalém, o Rav (Rabi) José de Arimatéia, que teria grandes conhecimentos em Cabala e Medicina Secreta.

Quadro "AÚltima Ceia", de Leonardo Da Vinci.
Quadro “A Última Ceia”, de Leonardo Da Vinci.

Vamos analisar cronologicamente:

1) Jesus anuncia suas intenções de “entregar” seu corpo para que todos vivam. Jesus e seus seguidores estavam sendo perseguidos pelas autoridades. E teriam muito mais motivos que pensamos, já que Jesus sendo um descendente de Davi talvez pretendesse ao trono. Com certeza, o reino de Jesus não era deste mundo, principalmente considerando a origem elevada de sua Essência. Mas, e se ele fosse mesmo casado com Maria de Betânia (ou como queiram, Madalena)?? Maria de Betânia, segundo alguns teóricos, seria também descendente de um ramo real davídico. A passagem que narra Jesus entrando, montado num jumento, e sendo aclamado como Rei pelo povo de Jerusalém fortalece bastante essa teoria. Jesus pretendia restabelecer a realeza, mas sabia que não conseguiria. Ao menos queria ser aclamado como rei, antes de ter que realizar sua tarefa. E qual tarefa era essa??

2) Com sua seita sendo perseguida pelos sacerdotes, que tinham medo que Jesus reinvidicasse a Realeza e conclamasse o povo a uma revolta contra os romanos (o que, para eles, signifcaria a perda de seu poder e o extermínio do povo judeu), Jesus deve ter pensado:

 – Se eu me entregar, o povo enterrará de vez o sonho da restauração de Israel, pois chamarão ao Rei de fraco. Se eu não me entregar, vão dizimar esse povo todo que me segue e apóia. O melhor a fazer é que alguém me “entregue”. Assim, não passarei por fraco, eles terão a quem querem, saciarão sua ira e ninguém mais morre, além de o povo poder continuar a esperar pela vinda do  Messias. Para eles, não serei mais o Messias. Não perderão a esperança. Mas quem irá “me entregar”?? Tem de ser alguém fiel, que não corra o risco de contar tudo se submetido a torturas. Já sei, será Judas (que era um “terrorista” e ativista político)!!

3) Na hora do “acerto”, Jesus diz a Judas: “Vai fazer o que tens a fazer”. E Judas sai correndo “executar o serviço”. Judas aceita a grana de um mês de serviço de lavrador (30 denários) e traz o pessoal (quase 500 soldados, um batalhão daquela época). Isso era para o caso de, quebrado o contrato, os soldados matarem a todos (em torno de 5 mil seguidores). Para os sacerdotes era confortável, pois eram “patriotas” e não precisariam matar gente do seu próprio povo.

4) O sinal era um beijo. Era o combinado. Houve um certo tumulto quando puseram as mãos em Jesus, mas Jesus disse que ali estava quem eles foram pegar. O povo foi liberado. O fato de Judas ter se suicidado depois é por estar consciente do que seu Mestre teve de fazer para salvar a todos eles, e que ele e os outros, na sua visão, não mereciam que o Mestre morresse por eles todos, ele que era o Rei de Israel por direito. Mas Judas não sabia da missa a metade…

5) Fico pensando se José de Arimatéia, enquanto Jesus era interrogado, não estaria preparando uma daquelas drogas letárgicas, como a que o personagem Raul tomou. Será que José de Arimatéia, que estava presente ao interrogatório de Jesus, não teria feito chegar a Jesus, através de algo para beber, a droga à Jesus??

6) Jesus é crucificado. Não aceita nem vinagre para beber. Bem, se estivesse com muita sede, e me esvaindo em sangue, com certeza, eu tomaia até mijo!! Não teria aceitado o vinagre para não diluir a droga e lhe tirar o efeito??

7) Jesus vê o “apóstolo amado” e sua mãe, Maria e fala: “Filho. eis aí tua mãe”, e a Maria: “Mulher, eis aí teu filho”. Bem, isso aí pode ter sido uma adulteração sutil de palavras. Esse tipo de recomendação pessoal é dada, no Oriente Médio, quando o homem, no leito de morte, recomenda a esposa à sua mãe, para que seja dali em diante como filha, e vice-versa. “Apóstolo amado”, pois Maria de Betânia era também sua apóstola, segundo os Evangelhos.

8) Bem, logo depois, José de Arimatéia vai até Pilatos, aflito, pedindo para que pudesse ele tirar o corpo de Jesus logo da cruz. Estranho, pois os condenados à cruz eram amaldiçoados pelo povo e tinham seus corpos deixados para que os urubus comessem o cara. Ninguém, segundo a lei judaica, poderia tocar no corpo de um condenado ao madeiro. Muito menos José de Arimatéia, que era membro do Sinédrio (conselho dos sacerdotes). Mais curioso ainda: a sorte de Jesus foi que não lhe quebraram as pernas, senão a ferida exposta poria fim à integridade do corpo sob o efeito da droga. Se fosse uma fratura exposta, o resto do sangue se esvairia. Aí ninguém daria jeito. Ou, se fosse fratura íntegra (não exposta), geraria um edema grave com coagulaçao instantânea, já que depois de fazer efeito a droga, o fluxo sanguíneo estaria praticamente nulo. Alguém deve ter impedido de que lhe fossem quebradas as pernas, que era para apressar a morte que, devido a isso. ocorria por sufocamento: o corpo, pendurado, perdia o único apoio, o das pernas, e o peso do corpo comprimia os pulmões até a morte por asfixia.

9) Depois de mais de um dia desacordado (sexta-feira à tarde até domingo de madrugada), todo quebrado, Jesus acorda e sai todo machucado, mas vivo de dentro do sepulcro. Na verdade, não houve embalsamamento funerário, mas o tratamento das graves feridas, causadas por pelo menos uma hora de flagelação com o “gato de 9 caldas” e pelos enormes cravos da cruz. O efeito da droga já havia acabado por completo. A causa do adormecimento profundo dos soldados, eu não sei. Suborno ou  uma outra droga misteriosa dada a eles ou aplicada, quem sabe. Mas tudo correu conforme o previsto. O Rei estava vivo, não mais para ser Rei, mas vivo. E seus seguidores continuariam vivos também, tendo esperança, e iriam espalhar suas palavras por toda a Europa, Norte da África e Oriente Médio.

10) Mais de um mês depois de ter aparecido vivo para Tomé (com cara de babão) e os outros, Jesus encontra seus apóstolos na Galiléia. O final, de que Jesus teria subido ao céu de corpo e alma, é claro, para mim é folclore e foi inserido muito tempo depois de os evangelhos originais terem sido escritos. Afinal, um Homem-Deus não poderia passar o resto de sua “eternidade” num mosteiro essênio (para a Igreja, gente suspeita!) no alto do Monte Karmel nem fazendo um tour pela Índia.

Lúcifer e o mito de Prometeu


Aqui, mais um assunto indigesto para muitos dos meus leitores, e até mesmo sacrílego para alguns que aqui chegarem pela primeira vez. Outros, e eu sei disso, se escandalizarão.

O tema de hoje é um dos que mais me intriga até hoje em meus estudos e leituras internet afora. Lúcifer é o tema. Neste post, outras opiniões minhas e re-abordagem de alguns posts antigos.

Esse é um dos personagens mais temidos da história da humanidade, cuja descrição horripilante se enriqueceu de detalhes, cada vez mais sórdidos, com o passar dos séculos. Mas qual a origem do mito de Lúcifer, criado pela Igreja??

Os cristãos apelam para a tradução da Bíblia Vulgata, do século IV, feita do hebraico para o latim, que citando um texto de Isaías, vêem a alusão ao Anjo caído que teria desafiado a Deus, embora o texto, em estilo poético, se refira claramente, segundo o contexto, a um rei da Babilônia. O texto de Isaías, em que se basearam os exegetas cristãos para a criação do Diabo é o seguinte:

Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! [como] foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações!

 E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao éu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do norte.   

 
 

 

 

Subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. 

(Isaías 14: 12-14)

As expressões estrela da manhã e filho da alva, em hebraico Helel Ben-Shahar (“o Brilhante Filho da Aurora”), foram traduzidas para o Latim como Lúcifer, ou Aquele que traz a Luz. Em hebraico, era a forma poética de se referir a Vênus, o planeta brilhante que aparecia antes do Sol nascer no leste, e que parecia “trazer” a Luz, ou anunciá-la. O profeta Isaías se referiu, de forma irônica, a um rei babilônico e sua soberba, usando essa expressão.

Os cristãos levaram em conta, decisivamente, para formular sua teoria de Diabo-Lúcifer, apenas essa passagem. Pois, a rigor, não há nenhum texto que aluda explicitamente à Lúcifer como rei do Inferno. Repito, a rigor, apenas uma metáfora é usada como instrumento de intimidação dos fiéis. É uma doutrina dualista, que separa tudo em bem e mal, em luz e sombra irreconciliáveis, que torna cada ato humano passível de condenação eterna. Uma vida com medo dum Inferno que eles nunca viram e nem podem assgurar que exista realmente. E essa vida de medos, na minha opinião, não é a vida livre que Jesus disse que a Verdade nos traria. Acorrentados a dogmas e a leis. Uma vida sem indulgências, em que o único perdão possível consiste na adesão e confissão numa das milhares denominações cristãs que alegam, cada uma a seu modo, ter o “ministério” de Cristo. Jesus não nos livrou do pecado. Ele nos livrou da culpa do pecado, do pecado que não existe.  O inferno não existe, e há muito tempo a Igreja deixou de considerar o Inferno como um local para clamá-lo como o estado de afastamento de Deus. Sendo assim, o inferno pode ser aqui ou ali, pode estar dentro de mim ou de você. O inferno é aqui e o Paraíso também.

Mas, voltando ao assunto…sim, há muitos outros mitos que se referem a Lúcifer, metaforicamente, em culturas como a grega. Nesta última, Lúcifer é claramente identificado no mito de Prometeu, o titã que, por amor aos homens, roubou o fogo da sabedoria dos deuses do Olimpo.

Assim, como Prometeu, não tem a aparência hedionda que acabou incorporando na Idade Média, criada pelas mentes doentias dos teólogos cristãos, e alimentada pelas mentes ainda mais degenradas dos fiéis supersticiosos. Como Prometeu era um homem, um gigante, que por querer livrar a humanidade ingênua e ignorante da soberba dos céus, arriscou-se a trazer a Sabedoria e a Inteligência aos mortais, que mais não precisariam acreditar em tudo, sem o direito de questionar.

Prometeu, acorrentado a uma rocha, por ordem de Zeus, tem seu fígado devorado por um abutre duariamente.

Pintura de Elsie Russel, “Prometheus”. 1994. 

Então Zeus teria se irado contra Prometeu, e o acorrentado a uma rocha, na qual teria seu fígado devorado todos os dias por um abutre, e em seguida regenerado para que o tormento se repetisse por todos os dias. Hércules o teria libertado posteriormente. Por vingança, Zeus, o Rei do Céu, ainda teria enviado Pandora, com a caixa que traria todos os males atuais da humanidade. É a Lei do equilíbrio: um benefício corrsponde a um obstáculo, uma oposição, enviada do Céu. Isso me lembra Jesus falando que “viu Satanás (Opositor) caindo do céu como um raio”.

Outra coisa que não é verdade. Se existissem mesmo, Lúcifer e Satanás não seriam a mesma entidade ou força. Não há absolutamente nada na Bíblia que justifique essa crença cristã. Inclusive, em um post anterior, eu disse que Jesus, na primeira versão da Bíblia em latim (séc. IV) também foi chamado de Lúcifer. A passagem é na 2ª carta de Pedro, cap. 1, vers. 19, se referindo a Jesus:

et habemus firmiorem propheticum sermonem cui bene facitis adtendentes quasi lucernae lucenti in caliginoso loco donec dies inlucescat et lucifer oriatur in cordibus vestris.  

 

 

E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos como a uma luz <lume> que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça, e a estrela da manhã apareça <saia> em vossos corações.

É do mito de Prometeu, inserido nas antigas culturas pré-cristãs, que surge a idéia de um rebelado como opositor dos deuses. E o próprio significado do nome de Prometeu já pressupõe seu estado de sabedoria (“Aquele vê adiante”, “Aquele que pensa antes”).

Segundo o mito, sob a autorização de Zeus, Prometeu e seu irmão, Epimeteu, vieram para povoar a terra. Me lembro daquela passagem do Gênesis: “Quando a humanidade começou a ser mais numerosa na terra e foram nascendo mais mulheres, os Filhos de Deus viram que estas eram belas e cada um deles escolheu para sua mulher aquela que mais lhe agradou. […] Havia então na terra os gigantes (Titãs) e continuaram depois a existir. É que os Filhos de Deus tinham casado com as filhas dos homens e tinham gerado filhos. Foram estes os famosos heróis dos tempos antigos.” (Gn, 6, 1-4).

Uma última questão prende-se com a criação dos seres humanos por Prometeu-Lucífer, apenas aflorada anteriormente. Lúcifer é aqui equiparado ao Demiurgo gnóstico só no sentido em que, não sendo o verdadeiro Deus, é um criador também. Segundo um os Três Livros de Enoque, bisavô de Moisés, (estes livros, não pertencendo ao cânon, foram citados e reconhecidos como inspirados por vários Pais da Igreja), Deus escolhera um grupo de anjos específicos (os quais, posteriormente, cairiam) para auxiliar na construção do Éden. A narrativa descreve como se apaixonaram pelas mulheres e lhes geraram prole, razão pela qual, segundo o autor teriam sido expulsos.

Prometeu, desde o início, elevou os homens à condição de Deus, dando-lhes o saber (do qual o fogo, em última análise, mais não é que, enquanto luz (Iluminismo), uma metáfora), o que incendiu tanto a ira de Zeus. Aqui, vemos, obviamente paralelismos bíblicos, com a Árvore do Conhecimento que Deus proibiu Eva e Adão de comerem. Mas a Serpente-Lúcifer-Prometeu dá a maçã aos homens, trazendo-lhes o conhecimento, o qual, inevitavelmente, traz sofrimento, quer ao tentador, quer aos tentados. É isso que nos diz não só o relato do Génesis, mas também o mito grego, quando, por um lado, Prometeu é agrilhoado no Cáucaso, por outro, Pandora desce à terra com os males do mundo e os liberta, punindo a nossa raça. Uma outra vez, reforça-se a ligação Lúcifer-Prometeu.

 

  Leia mais: http://ars-scientia.blogspot.com/2006/07/prometeu-lcifer.html

 

 

Os Manuscritos de Nag Hammadi


Os Manuscritos de Nag Hammadi, também chamdos de apócrifos, são uma coleção de textos bíblicos, essencialmente gnósticos, que datam, aparentemente, do final do século IV ou no inicio do século V, ou cerca de 400 d.C. . Os manuscritos são cópias, e os originais a partir dos quais eles foram copiados datam de muito tempo antes. Algum deles – o Evangelho de Tomé – por exemplo, o Evangelho da Verdade e dos Egípcios – são mencionados pelos primeiros padres da Igreja, tais como Clemente de Alexandria, Irineu e Orígenes.

Em primeiro lugar, eles são importante porque  escapam à censura e revisão da ortodoxia romana. Em segundo lugar, porque eles foram escritos para uma audiência egípcia, não tendo que distorcer para os ouvidos romanos e, por que eles podem se basear em fontes de primeira mão, testemunhas oculares. Como era de se esperar, os Manuscritos de Nag Hammadi contém muitas passagens antagônicas à ortodoxia e aos “seguidores da mensagem”.

Em um documento, chamado Segundo Tratado do Grande Seth, Jesus é descrito precisamente como ele aparece na heresia de Basilides – escapando à morte na cruz através de uma engenhosa substituição. Alguns outros trabalhos da coleção Nag Hammadi testemunham uma rixa entre Pedro e Madalena que poderia refletir um cisma entre os “seguidores da mensagem” e os “seguidores da linhagem”. No Evangelho de Maria, Pedro se dirige a Madalena como se segue: “Irmã, nós sabemos que o Salvador te amou mais que as outras mulheres. Conte-nos as palavras do Salvador
de que tu te lembras – que tu conheces, mas nós não.”

Indignado, Pedro pergunta aos outros discípulos: “Ele realmente falou em particular para uma mulher e não abertamente para nós? Devemos nós todos dar a volta e escutá-la? Ele a preferiu a nós?” Mais tarde, um dos discípulos responde a Pedro: “O Salvador certamente a conhece muito bem. Por isso, ele a amou mais que a nós.  No Evangelho de Felipe, as razões para esta rixa, parecem óbvias.. existe, uma ênfase recorrente na imagem de uma câmara nupcial. Segundo este Evangelho, “O Senhor fez tudo misteriosamente, uma crisma e um batismo e uma eucaristia e uma redenção”. Esta câmara , à primeira vista, poderia ser simbólica e alegórica. Mas o Evangelho de Felipe é mais explícito:  “Existem três que sempre caminharam com o Senhor: Maria , sua mãe e sua irmã e Madalena, chamada sua companheira.”

Segundo um pesquisador, a palavra “companheira” deve ser traduzida por esposa. Certamente, existem razões para fazê-lo, pois o Evangelho de Felipe se torna mais explícito: “E a companheira do Salvador, é Maria Madalena. Mas Cristo a amava mais que a todos os seus discípulos e a beijava na boca frequentemente. O restante dos discípulos ficavam ofendidos com isso e expressavam sua desaprovação. Eles lhe disseram: “Por que mais do que a todos nós?” O Salvador respondeu e lhes disse: “Por que eu não te amo como a ela?” ( O Evangelho de Maria, O Evangelho de Felipe, em Nag Hammadi Library in English, p.472, 140,138;).

(“Os Manusritos de Nag Hammadi“, in A Genealogia Secreta de Jesus).

Acredita-se que haja muitos outros, textos, livros, cartas e escritos apócrifos ainda desconhecidos. Muito do que havia fora destruído por ordem da Igreja. Somente os que não contradiziam a “pureza da fé”, foram conservados e aceitos pela Igreja.

Acessando o link abaixo,  eu disponibilizo uma coletânea de livros apócrifos renegados pela igreja:

http://docs.google.com/open?id=0ByWMKZOs54SuOWdjU3gyZEd4NGc