Liberdade econômica é uma balela


(Aos liberais que vierem me trolar, quero dizer que o que segue são apenas apontamentos, comentários. Prometo, a qualquer hora dessas, dedicar uma ou duas horas a sistematizar meus argumentos.)

Não se enganem: nada disso que vem acontecendo no Brasil nos últimos anos – nem os escândalos de corrupção, nem as denúncias que os escancararam – foi à toa. Todos os partidos agem sob uma mesma batuta estrangeira, com auxiliares fiéis e mercenários deste solo, tanto da chamada Esquerda como da Direita. A estratégia é: a Esquerda escandaliza o povo com leis e gestão bizarras, a Mídia prepara um clima de instabilidade (e lucra com os dois lados) e o povo, anestesiado e faminto, exige a volta das quadrilhas engravatadas e liberais da Direita.

Continue Lendo “Liberdade econômica é uma balela”

Brasil: Antecedentes e Prognósticos


Desde o início, aviso: quem gosta de ler apenas amenidades, é melhor que feche essa página. Aqui, não suavizo ou mitigo qualquer crítica, bem como não economizo em elogios quando estes são merecidos. Portanto, se você pretende gastar alguns minutos aqui, por favor, sem chororô!

Continue Lendo “Brasil: Antecedentes e Prognósticos”

O sistema financeiro, a falsa liberdade e a marca da Besta


Eu sou muito resistente a certos sensacionalismos, principalmente aqueles que se baseiam em profecias, depois de já ter me iludido por muito tempo com eles. No entanto, hoje em dia, os governos e políticos a nível mundial só têm vindo a querer confirmar o que muitos religiosos pregam acerca do Apocalipse.

Um dos temas apocalípticos mais polêmicos é o que se refere ao aparecimento do Anticristo e da “marca da Besta”. Segundo o livro do Apocalipse, o Anticristo reuniria todas as nações da Terra para destruir Israel (no sentido próprio, não simplesmente o Estado de Israel) e os que confessam o nome de Jesus Cristo. A tal “marca da Besta” seria um sinal posto à testa e na mão direita de todos aqueles que não seguissem a Lei de Deus e renegassem o nome de Cristo, para sua escravização e condenação de suas almas, sem a qual não seria possível a ninguém comprar ou vender coisa alguma.

Continue Lendo “O sistema financeiro, a falsa liberdade e a marca da Besta”

Dinheiro: uma antiga invenção para escravizar


Não é minha intenção aqui descrever detalhadamente a forma como o dinheiro fora criado ou destrinchar toda a suja evolução financeira deste planeta. Neste post, serão apontados apenas, em pinceladas, alguns fatos que ajudam a entender como chegamos ao sistema escravocrata atual, dirigido por trás das cortinas, pelas elites econômico-militares.

A seguir, alguns conceitos e alguns videos para ilustrá-los, encontrados por mim no YouTube:

Vamos começar pelo sistema financeiro cujo modelo conhecemos atualmente…

Enquanto a humanidade trocava bens na base do escambo (no inglês, exchange – sistema de troca de um bem por outro bem, sem dinheiro), a sociedade humana se auto-regulava pela quantidade de produção de artigos produzidos por eles mesmos. Ou seja, ainda que houvesse uma classe de homens mais “fortes”, estes tinham de submeter-se ao veredito dos outros componentes do grupo ou sociedade, pois estes produziam a riqueza. Assim, sabendo que as condições climáticas poderiam ser favoráveis nos anos seguintes, a mesma sociedade poderia prever (ou planejar) o crescimento palpável de sua riqueza, baseada na quantidade existente (visível) e possível de produtos.

Isso era muito importante. A palavra de cada um, empenhada no sentido de produzir uma certa quantidade de produtos, aliada à existência provável de tais bens, impedia qualquer tipo efetivo de especulação. A riqueza passava pela mão de todos, era algo palpável, mensurável.

Com o advento dos bancos e dos empréstimos, as instituições bancárias tomaram para si o direito de fabricação do dinheiro, um elemento em comum de câmbio, com o fim a facilitar grandes trocas de bens. Era muito difícil levar 5 mil cabeças de gado ao mercado. Então, um cidadão juramentado, respeitável por todos, passou a emitir documentos públicos que serviam como testemunho de que as 5 mil cabeças de gado existiam e já estavam marcadas a ferro para serem entregues ao comprador, que também daria algo em troca. Poderia ser ouro, prata ou qualquer coisa valiosa, valendo então uma quantidade x de algum tipo de riqueza aceita por todos daquela sociedade. Depois de um tempo, o dito cidadão respeitável começou a cobrar para emitir seu testemunho em forma de documento comprobatório. Dali em diante, para que seus documentos passassem a circular como quantidades x, y ou z de ouro (ao invés de as pessoas circularem com ouro por aí), foi muito rápido.

Esses cidadãos começaram a formar corporações de pessoas “respeitáveis”, com ampla aprovação pública, com fins a servirem de testemunhas validatórias de transações comerciais. Logo, também, se ofereceram para guardar as quantidades cada vez maiores de ouro envolvidas nas transações. Cofres fortes, muitas vezes se utilizando de aparato oficial de segurança, foram construídos para tal negócio (lucrativo, por sinal).

Dinheiro como dívida.

A origem dos empréstimos, dos juros e tudo quanto se relaciona ao sistema de escravização da humanidade, passados aos sumérios pelos Anunnaki, se misturam.  A titulo de informação, a civilização suméria, que floresceu na Mesopotâmia (onde hoje vemos o Iraque), foi a primeira a usar sistemas primários de juros, hipoteca, notação financeira e aplicar uma legislação tributária. E tudo isso há pelo menos 6 mil anos!!

A seguir, os vídeos de que falei. É muito importante que você assista a todos eles integralmente,para você entender como somos enganados desde o berço. Não existe riqueza, senão pelos bens produzidos. O dinheiro deveria ser vinculado à quantidade de bens produzidos. Mas,  o que vemos é o contrário: a quantidade de bens depende da quantidade de dinheiro fabricado pelos Bancos Centrais.

E eis o mais importante, e isso é essencial:

O dinheiro só é produzido de acordo com a previsão de consumo (por isso as mídias te entorpecem com tantas propagandas). Ou seja, para que haja dinheiro, é necessário que haja endividamento (da população). Sobre essas dívidas incidem juros. Debaixo dos juros, a produção se torna mais cara e aumenta o endividamento para satisfazer a necessidade de mais consumo. E assim, alimenta-se eternamente o círculo vicioso, tornando a sociedade escrava de seu consumo a ser pago com um dinheiro (produção, que seria, mas não é o óbvio) que não existe. Sem dinheiro (que não existe) para pagar tal dívida sempre crescente, o que resta para que possamos pagar nossas dívidas é a nossa Produção. Logo, os bancos são donos de nossa produção, terras e países.