Direito: proteção ou intervencionismo?


Num cenário de expansão do que chamamos democracia, as massas, mimadas pelas comodidades, aparentemente gratuitas, da era tecnológica, distorceram a noção de direito, como se este fosse uma forma mágica de satisfazer suas necessidades subjetivas como se fossem fundamentais. Afinal, que distorção seria aquela?

Continue lendo “Direito: proteção ou intervencionismo?”

Bolsonaro e Marco Feliciano são maçons?


Neste fim de noite de domingo, pairei curiosamente sobre uma polêmica dos meios direitistas das mídias sociais: Seriam Jair Bolsonaro e Marco Feliciano dois maçons?

“E daí, se forem?”, pode alguém perguntar. A questão do título desta postagem pode parecer inócua, dada a óbvia liberdade que todo cidadão detém para se associar a quantos grupos deseje. Porém, tendo em mente o fumo revolucionário elitista presente em todos os grandes círculos maçônicos (no passado e no presente), é de preocupar, sim, a proximidade de Marco Feliciano e Jair Bolsonaro das lojas maçônicas.

Continue lendo “Bolsonaro e Marco Feliciano são maçons?”

Olavo de Carvalho: fundador de uma seita fanática


Para quem não sabe, eu já fui seguidor do pseudo-guru e astrólogo fracassado Olavo de Carvalho. Inclusive, já citei várias de suas falas oportunistas aqui, nesse espaço. Não apaguei nem uma citação dele, sequer, por pura honestidade e vergonha na cara (características ignoradas por aquele sujeito). No entanto, é constrangedor admitir que já dei ouvidos ao Olavo.

Porém, como as pessoas tendem a evoluir intelectualmente (e moralmente, também), eu consegui enxergar, munido de alguma lucidez que me restava, o perfil maquiavélico e cínico do esmoler da Virgínia. Esta postagem é direcionada a você, que já se sentiu enganado(a) pelo falso vidente Olavo ou que, desgraçadamente, ainda o segue.

Continue lendo “Olavo de Carvalho: fundador de uma seita fanática”

Dia de quê, mesmo? Independência?


Há muito tempo que articulistas na internet têm dificuldades em falar sobre algo ameno. Sintomático: assuntos tensos sempre nos chamam mais a atenção, nos deixam mais alertas, principalmente quando o que está em jogo é a manutenção de nosso precário projeto de civilização. Quando falamos em independência, então, sentimos vontade de chorar. E choramos, perplexos, olhos arregalam-se. Pausa para respirar.

Continue lendo “Dia de quê, mesmo? Independência?”