Bento e as formigas aladas


Das colmeias de abelhas aos impérios; das colônias de formigas aos rebanhos religiosos, a lei do Equilíbrio cobra seu tributo ao limitar a autonomia do indivíduo face às necessidades coletivas.

Entre tantas ovelhas que se desgarram e formigas que criam asas, Bento foi um rapaz que, fugindo do torpor das cidades, encontrou, no trabalho e na contemplação, os meios essenciais para compreender os segredos da Vida. Eis que ele viria a tornar-se inspiração para os buscadores da Verdade que vieram ao longo dos séculos após sua aparição. Eis, também, que me incluo entre os últimos de seus admiradores!

Continuar lendo “Bento e as formigas aladas”

Anotações sobrenaturais


Após um período de salutar jejum, afastado que estive das publicações, resolvi tecer alguns comentários sobre minha reaproximação da Igreja e da espiritualidade Cristã.

Continuar lendo “Anotações sobrenaturais”

Em busca da Sublime Via


O Buscador da Verdade, em suas investigações, não raro, encontra-se imerso nas dúvidas que o assaltam tão logo ele perceba quão distante pode se achar a Fé Ideal dos atos reais dos seres humanos. De um lado, os ares de fábula do que dizem acerca de Cristo e de Maria, exaltado pela Igreja oficial; de outro, a marcante presença do mesmo Cristo Real, chegando a ser até mesmo atraente ao mais feroz dos céticos.

Andiamo!

Continuar lendo “Em busca da Sublime Via”

Sobre o Silêncio e alguns devaneios


Não! Se me perguntarem se a Vida cansa, direi que a Vida não representa um fardo. É o Mundo que, nos aproximando mais e mais uns dos outros, torna meio carregado o ar ao nosso redor. A interação, esses entre-choques com os outros (sempre os outros), nos custam um tempo precioso para que nos estabilizemos e nos controlemos.

Entretanto, retornar ao combate diário pelo silêncio interior, necessário ao repouso da Mente e à reflexão, tornou-se tarefa quase impraticável nos dias de hoje. É no silêncio que, se alcançado em um nível mínimo, nos permitiria varrer da mente aquilo que a contamina e nos prende, tiranicamente. Nobres metas sempre estão a ceder lugar a pensamentos fortuitos, desejos prementes e necessidades imediatas. Concebemos esses pensamentos inúteis como filhos mimados a nos aporrinhar, dia a dia.

Continuar lendo “Sobre o Silêncio e alguns devaneios”