Vou-me para Abrolhos!


Ah, Abrolhos! Se eu pudesse, iria-me embora para Abrolhos. Manuel Bandeira me desculparia, tenho certeza. Abrolhos: terra baixa, pobre em vegetais e superpovoada de ratos e aranhas, em cuja feitura os anjos do Céu a reservaram para os brasileiros sem eira nem beira. Ou melhor, que fossem órfãos da Esperança.

Continue lendo “Vou-me para Abrolhos!”