Contra si mesmo


Pulsão de morte: o medo da aniquilação a precipita.

Nesses casos, não raros, o gozo e o sofrimento já não fazem qualquer diferença. Nos misturamos aos efeitos, quando a indiferença deveria ser pelas causas, apesar das causas. Por isso, o ser humano é, no entender hermético, um ser sublunar, passivo e inócuo.

Postagens no e-mail

Junte-se aos outros seguidores de 1.292

Informe, no campo abaixo, seu endereço de e-mail, clique em “Assinar” e confirme a assinatura no link que chegará à sua Caixa de Entrada. Pronto! Você passará a ser avisado, por e-mail, sempre que novas postagens forem publicadas.

Junte-se aos outros seguidores de 1.292

O Amor como um Pacto


O que é o Amor? Ele é um sentimento, uma (ou a) Realidade, o fundamento de todas as coisas? É possível que a humanidade possa conhecer o Amor de formas tão diferentes, por tão dissonantes concepções? E se o Amor for um pacto?

Deus Caritas est!

Em grego, o versículo acima da Primeira Carta de João [1] diz-se: ὁ θεòς ἀγάπη ἐστίν (hó theos ágapi estín). Deus é Amor! Ora, segundo a concepção de um Deus Eterno, obviamente redundaríamos em sua imutabilidade. Sendo imutável, cada um de seus atributos estaria livre da noção de efemeridade ou mudanças de estado. No Universo, tudo que se relacione a Ele e ao Seu Amor, seja qual for a realidade em questão, deve, então, tender à sua plena Realização.

Continue Lendo “O Amor como um Pacto”