Felicidade como realidade duradoura


Felicidade não é algo constante, durável, perene. A ilusão de uma felicidade sem fim, ininterrupta, de um mar de rosas, é cruel, por vezes. A doçura de tal ilusão é atroz e cortante, traumática mesmo. Assim, podemos dizer que, quando nos lembramos dos “momentos felizes”, queremos dizer que nos apegamos aos “bons” traumas, como tatuagens em carne viva. A primeira e grande amizade, os festejos de Natal ao redor de uma mesa ou de um presépio, o primeiro beijo no qual nos reconciliamos ao grupo dos adultos que invejávamos, a bronca do professor que te fez aprender definitivamente a deixar de ser malandro na escola. Enfim, os traumas nos fazem humanos. Quando sentimos dor, então sabemos que estamos vivos (ainda).

Continue lendo “Felicidade como realidade duradoura”

DIES IRÆ - Cinegrafista da Band morto por rojão lançado por um Black Bloc

A Esquerda, os “Black Blocs” e o apoio ao crime


De tantos episódios lamentáveis que vêm ocorrendo desde o início das tais manifestações populares pelo Brasil afora, em 2013, podemos citar dois fatos recentes, perpetrados por terroristas mascarados que se infiltraram em protestos pacíficos. (Se bem que boa parte dos protestos que se dizem pacíficos são organizados atualmente por sindicatos e “movimentos sociais”, reincidentemente envolvidos em vandalismos.)

Ei-los:

  • Fato 1: Protesto contra a realização da Copa do Mundo de 2014, em SP, termina com Fusca, com uma família dentro, incendiado por “black blocs” (25/01/2014);
  • Fato 2: Cinegrafista da Band (Santiago Andrade, 49), atingido na cabeça por rojão lançado por um “black bloc” em 6 de fevereiro de 2014 durante manifestação no Rio, morre no dia 10 de fevereiro.

(Fontes das notícias no rodapé da postagem.)

***

.

Algumas palavras sobre a Esquerda brasileira

Bem, o que falar mais? Os fatos, por si só, já exprimem a essência das intenções dos organismos internacionais em relação ao Brasil. Mais à frente, falarei sobre isso.

Continue lendo “A Esquerda, os “Black Blocs” e o apoio ao crime”

Cresça por dentro, mas não esqueça a raiz!


Nos tempos natalinos e de Páscoa, fico assim, nostálgico e infantilmente saudosista. Será que isso é normal? Acho que sim. Normal e saudável, bom para afastar riscos de perturbações mentais. Imaginem se vivêssemos décadas sob a égide adulta, com aquela cara sisuda e grave, típica do mordomo da Família Addams! Pela palidez de sua pele, nota-se como fica um adulto sem vida própria, sem esperança.

Quando eu falei em perturbações mentais, me refiro mesmo a quando falham nossas mentes em relação àquela Lei da Física de Einstein, que diz quea noção de passagem do Tempo depende do referencial a que o observador se reporta“. E você, parou no Tempo? Seu trem continua correndo? Você está dentro ou fora do trem? E o que você consegue ver?

Tenho uma amiga que, vez por outra, me falava que se cobra regularmente por achar-se imatura. Aí me pergunto: acreditar no Amor, crer na bondade e nos valores nobres e ter fé no futuro é sinal de imaturidade? Preservar-se do mal do lado de fora, onde faz frio e as pessoas fazem qualquer coisa por um pouco de calor humano, não lhes importando o quanto se depreciem, é indicativo de infantilidade ou ingenuidade excessiva? É anormal ter caráter, agora?

Sim, a evolução é algo inexorável na Natureza. A árvore cresce, mas conserva latente a potência da semente da qual nasceu, as lembranças e lições de quando era apenas uma plantinha de caule fino, que mais parecia um “cambito”. Conserva, não obstante se erga célere e ávida das estrelas da noite, o frescor do orvalho da terra, do tempo em que ainda respirava o cheiro de barro e se sujava na lama das chuvas de verão. Ela e suas companheiras, árvores-meninas.

Sorriso de Criança
Cresça por dentro, mas não esqueça de suas raizes!

Conserve sempre essa memória santificadora ao cuidar da Criança que tens em si, para que, ao lançar sua semente à terra, no devido tempo, saibas transmitir a mesma alegria das tardes de verão chuvoso, em que brincavas com a água escorrendo por suas folhas,  eras refrigerada pelo vento que vem do Sul e te alegravas ao te surpreenderes com um raro arco-íris!

Se um dia seremos ceifados e relegaremos nossos caules como alimento para a Terra-Mãe, não nos esqueçamos que renasceremos sempre, seremos Crianças sempre, e é estupidez abafar a Voz Infantil de Deus-Filho, que nos reclama pureza e um sorriso maroto. Termino, deixando como epílogo, duas citações, uma em texto, outra em vídeo. O texto é um reflexão de um homem bem “moderninho”, o filósofo chinês Confúcio (Kung Fu Tsé, ou Mestre Kung) , que viveu há aproximadamente 2.500 anos atrás. O vídeo é uma versão animada de uma canção do Toquinho, chamada Aquarela, a qual todo mundo associa ainda às propagandas dos lápis da Faber Castel. Prestem muita atenção à mensagem oculta e profunda da letra, a qual no começo fala do nascimento, e no fim, da morte. A verdade, contada às crianças, de forma lúdica.

Feliz Páscoa e ressurreição em todos os Corações dos Filhos de Deus!


***

Os homens perdem a saúde, juntando dinheiro

Para depois perder dinheiro tentando recuperá-la.

Esquecem o presente por pensarem ansiosamente no futuro

E acabam por perder ambos.

Vivem como se nunca fossem morrer

E morrem como se não tivessem vivido.

(Confúcio)

***