Meus livros usados no Mercado Livre


Estou me desfazendo de alguns livros, que guardava há anos, e vendendo no Mercado Livre. Motivos: por falta de espaço para guardá-los e de tempo para lê-los. Para quem quiser saber de quais livros se trata, listo-os a seguir.

Continuar lendo “Meus livros usados no Mercado Livre”

O ser humano existe?


Presente em meus devaneios quase filosóficos, um problema sempre me desconcertava: era o uso do termo existência e outros que se relacionavam com este nos discursos sobre os seres e suas relações com a natureza. Parecia igualmente ilógico perguntar a mim mesmo se Deus existe ao mesmo tempo que indagar se o homem existe. E por quê? Porque significaria colocar ideias diferentes sob o mesmo escopo de investigação, sob o mesmo critério, indicado pelo verbo existir.

A validade das duas questões, apenas aparentemente idênticas, seria posta em dúvida quando eu perguntasse o que teria nascido primeiro, o ovo ou a galinha. Mas, é garantido que assim como o ovo, a galinha também tenha nascido (ou seja, em sua forma de manifestação)? Seria válido usar o mesmo verbo nascer para ambos? Assim, porventura, seria válido usar o verbo existir na questão sobre a essência Deus e do homem?

No latim, assim como em português e em outras línguas próximas, um verbo (exprimindo ação ativa ou passiva) é modificado pelas circunstâncias, as quais eu ousaria chamar, como no Livro bíblico da Sabedoria, de peso, medida e profundidade. Usam-se, então, nas línguas, os números, os casos, as pessoas, os prefixos, os modos, os advérbios, etc. Assim deve acontecer com as ideias que a investigação filosófica (e também, através da Dialética) pretende elucidar.

Continuar lendo “O ser humano existe?”