Tradução diária: Magic White and Black


Como forma de capitalizar meu hobby de tradutor da língua Inglesa para a Portuguesa, enquanto também estudante de Ciências Ocultas, resolvi lançar uma campanha de doações em troca do acesso diário da tradução que estou fazendo do raro livro Magic White & Black, de Franz Hartmann. Siga lendo e saiba como participar!

Continue Lendo “Tradução diária: Magic White and Black”

Nota: Banimento perpétuo do Facebook


Após ter excluído meu perfil pessoal antigo no Facebook, há mais de um mês, por motivos particulares, tentei retornar a esta rede social. Por três vezes, tentei fazer um novo perfil pessoal. Segui, sem pestanejar, as famosas “Regras da Comunidade”. Mesmo assim, após ter sido extorquido e forçado a enviar fotos exclusivas de rosto e de meu documento de identidade (R. G.), tive tais contas, uma após a outra, desativadas sem receber qualquer explicação, nem por e-mail, nem por telefone.

Continue Lendo “Nota: Banimento perpétuo do Facebook”

Three Books of Occult Philosophy (H. Cornelius Agrippa)


Versão em fac-símile (print da obra física) de um dos grandes trabalhos do célebre Henricus Cornelius Agrippa, que muito influenciou o Ocultismo e estudo da Alquimia no Ocidente cristão. Texto original em inglês. Título traduzido para português: Três livros de Filosofia Oculta. Obra rara e fidedigna.

ADQUIRA ABAIXO: 🙂

Continue Lendo “Three Books of Occult Philosophy (H. Cornelius Agrippa)”

A abelha, a coruja e a vara


O menino era ladeado, à média distância, por seus dois preceptores, Merum e Nagad. Os três permaneciam na praça deserta da pequena cidade há mais de um mês. Graves testes deveriam assaltar o garoto em preparação para voltar ao seu país nas montanhas do Leste do Rio, onde esperavam-no para assumir o trono no lugar de seu regente atual. Assumiria ou não?

No âmbito das provas morais e espirituais, bem como da práxis mística que deveria exercitar, seus dois preceptores assentaram-se, lado a lado, diante do menino vestido com uma túnica azul e coberto com malha fina de ferro. Calçava sandálias de couro cru. Merum, então, propôs ao garoto um súbito enigma, apontando para a palmeira solitária no meio da praça:

Continue Lendo “A abelha, a coruja e a vara”