Categorias
Crônicas Memórias

Sobre o que é importante


Há muito tempo que deixei de me importar com a maior parte das datas comemorativas, tais como a do meu aniversário, Natal, Ano Novo, etc., exceto com as que ressoam diariamente em minha Vida. Ao contrário do que nos sugere o termo inglês date (encontro), para mim datas não são compromissos, mas indicadores de quanto algo nos marca, sobre o que nos importa verdadeiramente.

Categorias
Autoconhecimento Crônicas ESPIRITUALIDADE Filosofia Reflexões

Felicidade como realidade duradoura


Felicidade não é algo constante, durável, perene. A ilusão de uma felicidade sem fim, ininterrupta, de um mar de rosas, é cruel, por vezes. A doçura de tal ilusão é atroz e cortante, traumática mesmo. Assim, podemos dizer que, quando nos lembramos dos “momentos felizes”, queremos dizer que nos apegamos aos “bons” traumas, como tatuagens em carne viva. A primeira e grande amizade, os festejos de Natal ao redor de uma mesa ou de um presépio, o primeiro beijo no qual nos reconciliamos ao grupo dos adultos que invejávamos, a bronca do professor que te fez aprender definitivamente a deixar de ser malandro na escola. Enfim, os traumas nos fazem humanos. Quando sentimos dor, então sabemos que estamos vivos (ainda).

Categorias
Ensaios Filosofia Posts com Vídeos Reflexões

Pensamento dos animais (2)


(Read this post in English: click here)

Estava eu cá pensando (não sou um gato de verdade, mas um holograma deles): agora posso formular a hipótese de que os animais de algumas espécies, ao menos aquelas com cérebro mais desenvolvido, realmente pensam. Só não conseguem pensar como nós por um motivo principal: eles não falam, não têm uma linguagem sobre a qual possam reverberar seu pensamento.

Categorias
Brasil Crônicas Fotos Memórias Posts com Vídeos Viagens

Cristália e a busca por contatos


O fim de semana nos traz duas coisas, entre outras: descanso e a tentativa, ainda que inútil, de se livrar das preocupações, dos problemas, estresses e da ansiedade. Normal! Ou não?

Sim, no início da próxima semana de trabalho, não vou querer me concentrar. Ao contrário, vou buscar a dispersão, perseguir o relaxamento e voltar às origens, irrompendo em meio ao Oceano de sonhos. Quem sabe, eu logre alcançar a boa praia de uma tal ilha deserta, à qual costumo chamar de Cristália, uma terra perdida no canto de minhas memórias de adolescente tardio, onde os raios do Sol se refletem nas calmas águas da enseada como que perpassando um prisma. Sim, minha memória é tal qual essa taça transbordante de cristal genuíno e translúcido.