O que é o Feminismo? (Sou machista, graças a Deus!)


Uma das coisas mais simples de se fazer, hoje em dia, quando você quer encher o saco de alguém ou acabar com uma boa reunião de família, é pegar um adjetivo qualquer e atrelar a ele o sufixo -ismo. Você quer dar uma de intelectual de pijama? Comece por dar asas ao seu intelectualismo. Numa dessas aventuras, alguns retardados, entediados que estavam com suas matinês revolucionárias, resolveram inovar. Criaram os termos MachismoFeminismoSexismo. Vejamos!

Continue Lendo “O que é o Feminismo? (Sou machista, graças a Deus!)”

Mulheres: entre a vaidade e o amor próprio


Por uma amiga carioca que eu adoro e que está triste.

Vejo homens por aí fazendo amigas minhas se apaixonarem por eles e depois sumirem mais rapidamente que vírus da Gripe A. E o que me deixa mais triste: constato que elas sentem falta dos elogios escorregadios deles.

Um homem que não é capaz de provar o que fala, faz melhor se ficar calado. Se um homem fala que uma mulher é linda e não é capaz de demonstrar isso por a+b (fazê-la sentir isso de forma inequívoca e eficaz), é melhor que nem se manifeste.

Se o homem (?) não é capaz disso, então o resto é verborragia, pedantismo ou falsidade — sendo estas três coisas seguramente descartáveis para uma mulher que nutra o mínimo de seu amor-próprio e cujo orgulho ainda esteja vivo. A mulher que se satisfaz com vaidade ou afagos ao ego, está pedindo pra ser enganada ou iludida.
.
Mulher, você não precisa que um inútil lhe repita o que é óbvio! Garanto que um papagaio é bem mais sincero e não some com tanta facilidade.
.
Ei, você aí! Você mesmo, homem-mosca (aquele que põe ovos e some): assuma o que fala ou, então, desapareça! Não esqueça: a fila anda e não suporta mala!

A beleza das mulheres iranianas


O Irã, através dos antigos persas, é uma terra com uma rica história, embora sacudida atualmente por acontecimentos políticos graves. Sua religião predominante é o Islamismo que, por si só, nos traz pérolas de literatura, poesia e espiritualidade de rara beleza. Mas, para mim, a beleza iraniana está em suas mulheres. Aliás, já postei um poema em homenagem a uma de suas mais heróicas representantes, Neda Soltani, e um artigo sobre seu trágico assassinato pela polícia numa das praças públicas em Teerã, participando de uma manifestação em prol dos direitos das mulheres iranianas.

Não falo da beleza vulgar, de corpos nus. Falo de um fascinante brilho, olhos claros mergulhados em rostos perfeitos e cabelos indo de negros a castanhos claros.  Com o recato imposto pelos costumes religiosos, sua aura de mistério herdada de sua origem oriental e sua coragem em lutar por suas vidas e liberdade, o que as mulheres iranianas menos precisam para se fazerem notadas é o apelo sexual. É um singular sentimento de encanto, que nos põe em brasas os rostos, ao vê-las em sorrisos enigmáticos ao estilo da Monalisa.

Todas as mulheres são lindas, em si mesmas, pois representam a letra M nas três formas que sustentam nossas vidas: Mulher, Mãe do Mundo. Negras, brancas, amarelas, jovens e idosas. Mas, os exemplos abaixo me extasiam deveras. Poderia eu escrever ainda muito mais, em elogios à beleza mítica dessas mulheres, mas prefiro que os olhos de todos contemplem o que são, pra mim, os verdadeiros ícones da beleza feminina atual. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Recomendo: Livro contra Violência Doméstica


Atendendo a uma solicitação de apoio de minha amiga virtual Maria de Fátima Jacinto, escritora e “uma mulher na luta contra a Violência“, como ela mesma se intitula, com conhecimento de causa, resolvi promover esse E-book escrito por ela. A violência contra a mulher parece ter passado para a categoria de mazelas sociais superadas no Brasil, até mesmo se comparadas com a situação da mulher em outros partes do planeta (como a África e Oriente Médio). Mas, não podemos esquecer que  Brasil continua deficiente em educação e cultura, e onde não há esses dois alicerces, não há progresso e melhorias significativas.

Recomendo a aquisição desse livro valioso para todo cidadão consciente de suas responsabilidades sociais, clicando na imagem abaixo ou aqui. Abaixo uma breve descrição da obra:

E-book "Violência Doméstica - Ferida silenciosa na alma da Mulher"
Ilustração do E-book

É um e-book direcionado à mulher que é vitima, e muitas vezes não sabe o que está acontecendo em sua casa. Nesse e-book, descrevo vários perfis de agressores, assim como de vitimas.

Discuto também sobre o problema da denuncia, e a forma como muitas vezes a vitima é tratada.

A vergonha, o medo, a dor do julgamento, a anulação perante os filhos, a família que não dá apoio, a sociedade que fecha seus olhos diante de tudo isso abre uma ferida em nossa alma que jamais cicatrizará por completo.

Minha intenção é a de que possamos passar, à nova geração de mulheres, conhecimento suficiente para que elas possam ter relações mais saudáveis e completas, com famílias mais estruturadas.

É um e-book direcionado às mulheres vitimas, a juízes das Varas da mulher, advogados, médicos, enfim, a todos que lidam diretamente com o grave problema da violência doméstica.