Da Palavra de Deus sobre a apostasia na Igreja


Não custa lembrar. Aliás, é dever de todo católico “denunciar as obras infrutíferas das Trevas” (Ef 5, 11). Para os católicos, cujas mentes são como tapetes cheios de sujeiras escondidas, negociatas com a Verdade, poço de omissões e agenda de transgressões diárias, deixo abaixo uma coletânea de versículos bíblicos (também do original da Vulgata, em latim e itálico) para que reflitam e se perguntem: “Estou ou não estou no rol dos apóstatas?”.

Continue lendo “Da Palavra de Deus sobre a apostasia na Igreja”

Pecado Imperdoável


Todo o que tiver falado contra o Filho do Homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste século nem no século vindouro. (Mt. 12,32)

***

Jesus foi, por muitas vezes, enfático nas advertências morais aos seres humanos em sua Boa Notícia de Salvação. Mas, a nós que vivemos mergulhados no orgulho e vaidade (raízes do pecado original do qual somos herdeiros neste mundo), assusta saber que há pecados imperdoáveis. Apesar de Jesus, no trecho acima, ser específico na primeira frase, é um pouco genérico na segunda. Aí surge, naturalmente, o questionamento: se Deus é todo Misericordioso e Fonte de Perdão, como pode haver uma categoria de pecados imperdoáveis? Não é Deus que deixa de nos perdoar, somos nós que nos fechamos à Misericórdia, em nosso orgulho autólatra!   Continue lendo “Pecado Imperdoável”

Confissões e Caminho de Reintegração


As provas de nossas Vidas, as vidas que vivemos dentro da Vida, têm sempre um mesmo propósito: fazer-nos sair de nossa própria Matrix! As mesmas provas se repetem, indefinidamente, até que reconheçamo-las tais quais são, optando por uma das alternativas que se nos apresentam. Assim, depois, não poderemos dizer que não sabíamos (ou que não nos foi dado a conhecer) a natureza das “questões”.

O autoconhecimento é um processo que se assemelha ao reconhecimento de nosso próprio Lar. Em nosso Lar material, precisamos conhecer cada cômodo ou objeto que esteja contido nele, sem o que não poderemos nos declarar “Senhores” de nossa Casa. Para aqueles que se sentem presos às suas próprias imperfeições e vícios, nada é mais essencial do que o conhecimento de si mesmo e a consequente retificação do que não esteja em seu devido lugar na Vida. Afinal, viver numa casa bagunçada é algo que deve nos fazer arrancar os cabelos e sentir totalmente perdidos!

Àqueles que sabem que, estando suas Vidas bagunçadas, há coisas fora do lugar, digo que sua Consciência é seu farol. A Lei de Ordem e Harmonia está inscrita em cada coração humano dotado do Fogo do Espírito, em cada Mente em que a Sabedoria tenha definido, com justa medida, o que é certo e errado, ao lado da Inteligência. Deixar entrar a Luz implica em abandonar os hábitos que nos fazem cair, suplantar os vícios capitais em favor das virtudes que nos permitem seguir no único Caminho Reto.

Desejando, sinceramente, me deixar tornar um Instrumento nas mãos do Eterno, continuo a operar a “derrubada das muralhas da orgulhosa Jericó”. Jericó, no meu caso, é a estrutura pseudo-suficiente pessoal que me leva a me afastar dos conselhos da Consciência e procurar minhas próprias realizações, sem levar em conta as coisas mais importantes que se fazem necessárias ao meu redor. Esquecer os demais, me fechar em uma auto-suficiência fictícia, em minha própria Lenda pessoal (no sentido realmente ilusório), essa tem sido minha atitude predominante, a qual me tem levado a muitas atitudes iníquas, verdadeiros pecados e agressões a mim, ao próximo e a Deus.

Deixei-me seduzir por minha falsa ciência, ao invés de me entregar nas mãos da Sabedoria Eterna; escravizei mentes e Corações à minha própria masmorra de ânsias sem fim, ao contrário de apontar o Caminho da Liberdade e da Luz verdadeira. Retive, quando deveria soltar, e negligenciei quando deveria cultivar. Profanei, não obstante pensasse estar santificando. Amaldiçoei quando reputei estar consagrando.

Odiei a Verdade quando quis escancará-la ao Mundo, esquecendo que a mesma Verdade é a Virgem Santa que não deve ser exposta aos cães. Tomei o Mal por Bem, o bizarro como normal e o normal como enfadonho. Aquilo que é correto, logo considerei antigo e ultrapassado, e o que foi consagrado releguei ao plano do inútil. As promessas, por mim, foram solapadas por enlaces impossíveis, e o que era impensável, em outras épocas, fora bebido como néctar dos Excelsos Anjos.

Minha vaidade foi bebida, orgulhosamente, por todos os Demônios que se me acercavam. Meu desequilíbrio nos hábitos, minha conduta imoral e meu intelecto rebelde foram aproveitados, de forma extraordinária, pelas Trevas. Acabei incorrendo em pecados pesadíssimos e arrastando muitas almas em minha louca carreira.

Como pregaria a manifestação da Verdade nos telhados, se eu mentia a todo momento dentro de casa? Como perseguiria a felicidade, fugindo aos deveres da mocidade, às primícias de minha salvação como homem? Como exaltaria, sinceramente, a humildade do Apóstolo, se atava a mim a todos pela ânsia de Poder pessoal? Como seria, eu mesmo, instrumento da Paz de Deus, se eu só sei semear contendas, disputas e desejar mais e mais, de forma vã e orgulhosa, todas as coisas?

Preguei o sexo por Amor, mas esqueci de colocar o Amor acima do desejo sexual. Cobrei fidelidade de todos, sendo eu mesmo o pior dos infiéis, aos outros, a mim mesmo e ao próprio Criador. Combati a hipocrisia, tendo eu mesmo me especializado em disfarces e dissimulação. Aspirei à pureza das doutrinas, se eu mesmo não me continha em profanar, com minha vaidade, os Templos de meu Corpo, da inocência e da Fé alheias.

Não pedia licença aos ignorantes; eu arrombava as portas! Não perguntava o nomes dos pastores; eu lhes metralhava generalizações criminosas para depois inquirir sobre suas obras (boas ou más). Esqueci que a letra mata, mas o Espírito vivifica. Não dei atenção – e sim, dei de ombros – às palavras do Senhor, quando este dizia de mim mesmo, como um qualquer do povo: “Em vão, honram-me com os lábios, mas seu Coração está longe de Mim!”.

Hoje, compreendo que quem deseja servir à Luz em prol de seus semelhantes deve continuar Incógnito, anônimo. Deve orar em segredo e obrar nas sombras, como Papai Noel deveria fazer. Fazer o Bem sem olhar a quem. Afinal, de que importa se Jesus era casado ou não, se o que mais interessa é a prática de seus ensinamentos de salvação? De que importa saber o que Jesus fez ou deixou de fazer como homem comum, se o Espírito do Cristo, que nele habitava, abarcava a toda a humanidade, em sua qualidade de “Noivo”?

***

Confesso diante de todos (amigos e pessoas às quais magoei), e de Deus, minhas faltas, excessos, vícios e pecados. Peço a Luz do Todo-Poderoso para que, por meio de Cristo e de seus Anjos, me ilumine no Caminho de encontro ao Pai e sua Salvação!

(Continua…)

O segredo do perdão


Tema recorrente? Sim, bem recorrente! Mas, como não voltar a ele, vivendo o mundo no caos e na matança, mental e física?

A palavra perdão vem do verbo latino perdonare, que quer dizer “dar completamente”. Ora, dar completamente implica em não reter nada, em dar tudo. Perdoar não é devolver o espólio, pagar na mesma moeda. Perdoar é dar o que retemos do outro, ou seja, devolver o que temos em nossas mãos contra o outro, para ser queimado e destruído na fogueira do Amor e da Fraternidade, terminando com a suprema reconciliação com o outro e com todo o Universo.

Mas, como poderíamos deixar de reter algo do que o outro nos fez de mal, sendo que a memória da ofensa se impregna em nós como cânceres, e em nossa pele como marca a ferro?? Suprimindo a memória?? Impossível! Uma pessoa sem memória não tem condições de aprender com seus erros e acertos, derrotas e vitórias, enfim, não tem discernimento.

O Segredo do Perdão | Ebrael Shaddai
Jesus ensina o segredo para perdoar

Aprendamos com Jesus, o Nazareno, que é Mestre do Perdão, ele que é a própria Misericórdia encarnada. Jesus defendeu a adúltera não porque abonasse o adultério ou fosse um fraco na moral. Ele defendeu a adúltera porque achava que o que devia ser apedrejado era o pecado, não a pecadora.

Ora, as pessoas podem ser escravas do pecado, mas nunca seus autores, seus criadores. As pessoas cedem ao pecado ao deixarem de ouvir a Razão, que é a Luz de Deus, refletida em seus mandamentos e nos ritmos e ciclos da Natureza. Deus nos criou não para que pequemos ou caiamos, mas ainda menos para sermos mortos como escravos do pecado, enquanto o Autor do Pecado, o Inimigo da Natureza e do Amor, continua em sua caçada humana, ávido por desgraças e buscando a morte dos que foram criados para o Amor, a saber os seres da Criação de Deus, inclusive nós mesmos.

Não confundamos o erro com aqueles que erram; não confundamos nossos irmãos que nos fazem mal com o próprio Mal. Não coloquemos na mesma panela o Pecado e o pecador, juntos, como se ambos fossem maus desde sempre! As pessoas nascem boas, simples e ignorantes. Na sua inocência e inexperiência, no apetite da vida, ao afastarem-se da Razão, pecam e caem em loucura.

Se amarmos, de verdade, as pessoas, saberemos ver nelas apenas suas fraquezas, mas não o Mal personificado nelas. Devemos repelir o pecado, mas o pecador deve ser tratado com paciência e Amor, deve ser insuflado de palavras de confiança e entusiasmo, de fé e esperança, pois o que subjaz a essas atitudes é, unicamente, o Amor.

Está aí o segredo de Jesus para perdoar! Não é nada sobrenatural, assim como os outros “sinais” que operou Jesus. É questão de mudança de paradigmas, de ângulos e pontos de vista! É questão de termos boa-vontade, de sabermos se somos mesmos movidos pelo Amor ou pelo espírito da discórdia e do Acusador, que só busca a Ira e a Vingança.

Como dizia um verso de uma canção em italiano intitulada Due, regravada por Renato Russo:

Se è amore / amore vedrai / di un amore vivrai.

Se for amor, verás amor, de um amor viverás…