Brilho de faca


Poderíamos elencar conceitos, atitudes e sentimentos por aquilo que o senso comum aceita deles como válido e por seu oposto reconhecido. Há, no entanto, aqueles conceitos que tendem a promover sentidos aceitos como padrões aromatizados artificialmente e que apelam ao sentimentalismo típico de mentes alienadas da realidade, com pouca ou nenhuma compreensão do íntimo de si mesmas.

Um desses conceitos superestimados, e que podem camuflar sombras da psiquê humana, é o perdão, que figura, ao meu ver, como uma faca de dois gumes.

Continuar lendo “Brilho de faca”

Sobre dizer adeus


Dizer adeus, de súbito, é algo desagradável, traumático, por si só. E, acaso, nos prepararmos para isso, diante de quem amamos, do trabalho que abraçamos, é menos triste?

Continuar lendo “Sobre dizer adeus”

Pecado Imperdoável


Todo o que tiver falado contra o Filho do Homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste século nem no século vindouro. (Mt. 12,32)

***

Jesus foi, por muitas vezes, enfático nas advertências morais aos seres humanos em sua Boa Notícia de Salvação. Mas, a nós que vivemos mergulhados no orgulho e vaidade (raízes do pecado original do qual somos herdeiros neste mundo), assusta saber que há pecados imperdoáveis. Apesar de Jesus, no trecho acima, ser específico na primeira frase, é um pouco genérico na segunda. Aí surge, naturalmente, o questionamento: se Deus é todo Misericordioso e Fonte de Perdão, como pode haver uma categoria de pecados imperdoáveis? Não é Deus que deixa de nos perdoar, somos nós que nos fechamos à Misericórdia, em nosso orgulho autólatra!   Continuar lendo “Pecado Imperdoável”

O segredo do perdão


Tema recorrente? Sim, bem recorrente! Mas, como não voltar a ele, vivendo o mundo no caos e na matança, mental e física?

A palavra perdão vem do verbo latino perdonare, que quer dizer “dar completamente”. Ora, dar completamente implica em não reter nada, em dar tudo. Perdoar não é devolver o espólio, pagar na mesma moeda. Perdoar é dar o que retemos do outro, ou seja, devolver o que temos em nossas mãos contra o outro, para ser queimado e destruído na fogueira do Amor e da Fraternidade, terminando com a suprema reconciliação com o outro e com todo o Universo.

Mas, como poderíamos deixar de reter algo do que o outro nos fez de mal, sendo que a memória da ofensa se impregna em nós como cânceres, e em nossa pele como marca a ferro?? Suprimindo a memória?? Impossível! Uma pessoa sem memória não tem condições de aprender com seus erros e acertos, derrotas e vitórias, enfim, não tem discernimento.

O Segredo do Perdão | Ebrael Shaddai
Jesus ensina o segredo para perdoar

Aprendamos com Jesus, o Nazareno, que é Mestre do Perdão, ele que é a própria Misericórdia encarnada. Jesus defendeu a adúltera não porque abonasse o adultério ou fosse um fraco na moral. Ele defendeu a adúltera porque achava que o que devia ser apedrejado era o pecado, não a pecadora.

Ora, as pessoas podem ser escravas do pecado, mas nunca seus autores, seus criadores. As pessoas cedem ao pecado ao deixarem de ouvir a Razão, que é a Luz de Deus, refletida em seus mandamentos e nos ritmos e ciclos da Natureza. Deus nos criou não para que pequemos ou caiamos, mas ainda menos para sermos mortos como escravos do pecado, enquanto o Autor do Pecado, o Inimigo da Natureza e do Amor, continua em sua caçada humana, ávido por desgraças e buscando a morte dos que foram criados para o Amor, a saber os seres da Criação de Deus, inclusive nós mesmos.

Não confundamos o erro com aqueles que erram; não confundamos nossos irmãos que nos fazem mal com o próprio Mal. Não coloquemos na mesma panela o Pecado e o pecador, juntos, como se ambos fossem maus desde sempre! As pessoas nascem boas, simples e ignorantes. Na sua inocência e inexperiência, no apetite da vida, ao afastarem-se da Razão, pecam e caem em loucura.

Se amarmos, de verdade, as pessoas, saberemos ver nelas apenas suas fraquezas, mas não o Mal personificado nelas. Devemos repelir o pecado, mas o pecador deve ser tratado com paciência e Amor, deve ser insuflado de palavras de confiança e entusiasmo, de fé e esperança, pois o que subjaz a essas atitudes é, unicamente, o Amor.

Está aí o segredo de Jesus para perdoar! Não é nada sobrenatural, assim como os outros “sinais” que operou Jesus. É questão de mudança de paradigmas, de ângulos e pontos de vista! É questão de termos boa-vontade, de sabermos se somos mesmos movidos pelo Amor ou pelo espírito da discórdia e do Acusador, que só busca a Ira e a Vingança.

Como dizia um verso de uma canção em italiano intitulada Due, regravada por Renato Russo:

Se è amore / amore vedrai / di un amore vivrai.

Se for amor, verás amor, de um amor viverás…