Rio de Janeiro, entre a Guerra e a Paz


Estava com os dedos coçando para discorrer sobre a crise de segurança no Rio e as consequentes reações da Polícia, mas não queria me decepcionar mais uma vez com um possível recuo e retorno da criminalidade. Acho que agora, sim, podemos falar à vontade sobre o assunto, já que, ao que parece, a resposta “decente”, e à altura, foi dada aos vagabundos traficantes!!

Logo após o ataque de domingo, 21, de traficantes a três veículos na Linha Vermelha, ficamos de novo com a sensação de que “o Rio não tem mais jeito”. Na cabeça da maioria, o que ocorria? Ocorria que a Polícia, ao tentar reagir, levaria chumbo e samba de todos os lados, com cabines sendo metralhadas e oficiais assassinados. Se um traficante morresse, teríamos que engolir algum toque-de-recolher compulsório em alguma comunidade, só faltando as honras de Estado ao ato do enterro.

Carros incendiados por traficantes na Linha Vermelha.

Mas, o que se viu foi o que todos os cidadãos cariocas de bem e do Brasil, inclusive aqueles moradores de bem das comunidades em questão, mesmo intimidados, queriam assistir: todas as Forças de Segurança do Estado, estaduais e federais, unidas em uma parceria contra aqueles vadios, assassinos e destruidores de famílias, que zombam da Constituição e da vida humana. Num ato de cooperação, deixaram todas as rivalidades institucionais e partiram para as ruas a assumir seus papéis de Garantidores da Lei e da Ordem. Quando há vontade, não há onde o Estado, que deve ser onipresente, não possa adentrar, desde que seja para salvaguardar a vida e o cumprimento da Lei.

 

Há ainda reacionários (como podemos ler no artigo de Plínio de Arruda Sampaio) que, demagogicamente, acusam o Estado de estar aproveitando a situação para criminalizar a pobreza. O Estado está para garantir a Ordem coletiva e o cumprimento da Lei. Se o mesmo Estado ainda é infestado por corruptos, é uma lástima, mas NÃO por ser ainda inepto em atingir nos flancos os maiores traficantes, os de colarinho branco, que o mesmo deixará de guardar nossas portas do perigo iminente e mais próximo.

É justo toda a sociedade pagar com medo e pavor, perigo às nossas portas, o preço da incompetência dos governos em fornecer educação àquelas populações?? Elas também não votam nesses governos?? Vamos defender-nos, sim, em primeiro lugar, do perigo mais imediato, sem dúvida. Somos humanos, antes de desejarmos ser mártires!!

Por toda a internet, em redes sociais (Twitter, Facebook, Orkut, etc.), blogues e comunidades, vê-se o apoio maciço da opinião pública brasileira às operações de combate e ERRADICAÇÃO dos traficantes. Não suportamos mais assistir o mesmo estado que sustentamos ser vergonhosamente desafiado por bandidos sem-mãe (eles têm mãe, mas não é o que demonstram).

Foi delicioso, mesmo, assistir os blindados da Marinha e do Exército acossando os vadios, passando por cima de todos os obstáculos, impondo a centenas deles todos uma derrota fragorosa e uma debandada em massa. Onde está o orgulho debochado dos marginais?? Onde estão as armas de guerra, as bazucas, as metralhadoras ponto 40?? Sabe, que a resposta seria imediata e fulminante…

BOPE na Vila Cruzeiro

Agora, nesta linda manhã de sábado, com a honra de cidadão brasileiro lavada, espero a invasão do Complexo do Alemão para o desalojamento e a prisão de todos os traficantes sobreviventes, todos em jaulas de circo. É subir e advertí-los:

EM NOME DA LEI – OU DESCEM E SE ENTREGAM, OU SUBIMOS E VOCÊS MORREM!!

Depois, Governo do Rio, ocupe as favelas, pacifique-as e proporcione uma educação decente às crianças, cultura àquele povo e uma infra-estrutura básica de saneamento a todos!!

Assistam aquilo muita gente tem chamado de cenas do Tropa de Elite 3:

 

Fontes das imagens:

  1. Superior: http://odia.terra.com.br/portal/rio/fotos/10/11/21_arrastao3_575.jpg
  2. Centro: http://www.diariodecuiaba.com.br/conteudo/2010/11/26/383860.jpg
  3. Inferior: http://www.midianews.com.br/?pg=noticias&cat=8&idnot=36149

Policiais f.d.p. continuam a cometer brutalidades em SC.


Ontem, numa reportagem de uma correspondente de uma emissora de TV de SC, ficamos envergonhados novamente de saber que pagamos os salários de torturadores. Sim, policiais praticam tortura sistemática em presídios de toda Santa Catarina!!

Os detentos que lá estão, muitos (não todos!!) não valem o que comem. Mas aqueles policiais provaram que podem valer ainda menos!!

Enão me venham com essa história de que os policiais são pais-de-família, nao me venham dizer que sofrem pressão psicológica!! Não me venha o Sr. Governador dizer-me que “eles poderão até ser demitidos!”!! Eles deveriam ser (da mesma forma como fizeram com os presos) afogados em vasos sanitários e sentir o lenho de um bom cacete!!

Vadios!! Digo e repito: NÃO PASSAM DE UMA CAMBADA DE FILHOS-DA-PUTA!!

*********************

Veja o vídeo no site do Fantástico!!

Vídeos de violência policial pelo Brasil afora.


Aproveitando o artigo que publiquei nas Memórias de Ebrael Shaddai, denunciando a violência cometida contra 3 jovens da cidade de Timbó (SC), no último dia 27 de setembro, resolvi procurar e divulgar outros vídeos, e expor a brutalidade animalesca da banda podre e de filhos-da-puta, a serviço do aparelho repressor, na Polícia brasileira.

Alguns vídeos podem conter cenas fortes. Se você tiver problemas de saúde, for gestante ou menor de idade, recomendo que não os assista!!

Uma comunidade inteira jogada na rua por uma reintegração de posse


Crianças na chuva, famílias inteiras: mulheres, crianças e idosos na rua, sem ter para onde ir, abandonadas à própria sorte, por causa de uma reintegração de posse de um terreno particular invadido, conhecido como acampamento Olga Benário, pertencente a uma empresa de transportes (Viação Campo Lindo) de São Paulo.  Ao todo, são mais 2 mil pessoas sem teto.

Bombas de efeito moral por parte do aparato de repressão das elites e tratores das empresas derrubando os barracos que ainda não tinham sido queimados pelos moradores da favela … em revolta pela decisão de despejo. Está certo: o terreno era particular e a reintegração era legal, mas arrancar aquelas pessoas sem que o poder público lhes desse uma alternativa, um rumo, uma direção, pessoas essas que não tinham nada??!!  Saíram para a rua com menos ainda. Agora, enquanto estavam lá, eram um estorvo para a empresa. Estando na rua, a responsabilidade passa a ser da prefeitura de São Paulo. E aí?? O que fizeram os dignos mandatários eleitos pelo povo??

Na noite do ocorrido, há dois dias, ainda nenhum representante da prefeitura ou assistente social tinha aparecido nem pra oferecer um café ou uma bolacha para aquelas crianças, que estavam o dia inteiro (algumas há ainda mais tempo, imagino) sem comer. E terminaram a noite na chuva, nas esquinas das ruelas, sem ter como se proteger nem onde dormir.

Crianças acampadas, sem ter para onde ir.
Crianças acampadas, sem ter para onde ir.

Não quero parecer demagogo ou sentimentalóide, nem fazer malhação de Judas com alguém. Eu estou aqui, confortável, sentado defronte ao meu PC, tomando café. Daqui a pouco vou dormir sabendo que há milhares, centenas de milhares de pessoas nas ruas desse país, sem rumo. Milhares de pais que assistem filhos pequenos reclamando de fome, sem ter um pedaçode pão duro para lhes dar. Não dá para fingir que não estou nem aí. Imagino que a maior parte dos que souberam deste fato também pensam assim.

Apenas os deputados, com suas casas e com apartamento funcional pago por nós, para onde levam parentes e suas prostitutas e menores para orgias, é que não estão nem aí. Somente o Lula, que arrota e se orgulha de ter passado fome e ser do povão, mas que depois no AeroLula reclama que a refeição e o serviço de bordo lhe faziam perder o apetite (pois não era digno de sua Excelência!) é que não deve se preocupar tanto. Apenas salvar Ladrões maranhenses e planejar a ascensão de Dona Dilma. Eis suas preocupações!!

Mas esses canalhas, esse miseráveis, esse homúnculos energúmenos, na hora de ir pedir votos e iludir aquelas pessoas… aí sim, eles se sujeitavam a sujar seus sapatos italianos na lama, que se assemelha muito a suas almas podres e insignificantes.