Categorias
Comportamento Crônicas Ensaios Facebook Gayzismo Psicologia Saúde

Nota sobre o Feminismo


Tabus (os quais as feministas chamam de preconceitos e que eu acho normais e sadios, quando não são doentios) existem tanto nas sociedades patriarcais como nas matriarcais. As mulheres das sociedades matriarcais correm o risco de parecerem ainda mais machistas (com ou sem saias) e promíscuas do que os homens nas sociedades patriarcais.

Por exemplo: há aldeias no Vietnã onde cada mulher pode ter vários maridos. Ela pode transar com qual deles ela quiser e quando quiser. Ora, se no Brasil uma amante de um homem só já é mal vista, imagine uma esposa de sete maridos!

Querem todas as benesses sem qualquer responsabilização. Fogem da maternidade (vocação natural primária da mulher) para deixarem de servir (na verdade, ajudar) os homens e se tornarem escravas dos patrões, acumulando milhares de horas em serões para, ao fim de cada noite, gozarem sozinhas seus 2 litros de Napolitano diante da TV.

O poder da mulher é subjacente, subliminar e, por isso, mais efetivo que o do homem. O poder manifesto é do homem, é um símbolo que está além da compreensão humana, é algo natural, acima de rótulos. Não adianta quererem lutar contra esse símbolo.

As feministas querem ter o que os homens têm, ou seja, o poder simbólico do falo. Daí que nasce o fetiche lésbico, fruto de revolta inconsciente contra o que elas não podem ter/ser. Ao invés de exercerem seu poder natural de forma inteligente (o que lhes é peculiar), transformam-se em seres que vagam no Limbo entre sua natureza e sua inveja, piores que cópias de Frankenstein.

Categorias
Atualidades Brasil Comportamento Conspirações Gayzismo Igreja Católica Internacional Política Posts com Vídeos Psicologia

As incorreções dos termos politicamente corretos


Antes de começarmos a tratar dos objetivos propriamente ditos desta postagem, é preciso que repassemos alguns conceitos. Afinal, do que tratam os pressupostos politicamente corretos? Eles são, realmente, corretos, ou apenas tentam remodelar, arbitrariamente (e muito), os valores considerados corretos pelo senso comum?

Basicamente (e segundo a lenda), ser politicamente correto significa tratar a todos como iguais. Iguais perante a Lei, com os mesmos direitos e deveres. Ponto. A partir do momento em que tratamos a todos, segundo o establishment, como iguais, devemos tornar comportamentos particulares, massificados pela mídia e pelo Estado ideologizado, como imperativos, sendo todos arrastados por uma coação onipresente.

Categorias
Atualidades Brasil Comportamento Conspirações Igreja Católica Política Reflexões Revoltante

Crítica ao Estatuto da Diversidade Sexual


Quem me conhece, sabe: não sou contra os gays nem homossexuais, mas contra o homossexualismo como opção de gênero. Esse é meu posicionamento, e ninguém (ninguém mesmo!) poderá pretender me tirar o direito de expressão de minhas ideologias. Se me criticam por ainda abraçar o Catolicismo e o execram como tosco e falido, não tendo ninguém que me garanta o direito à proteção de crença, por que me processariam por meu posicionamento anti-homossexualista??

Ninguém me impedirá de dizer o que penso em relação ao homossexualismo. Cada um é livre pra adotar, conforme sua Consciência e escolha, a opção de vida que quiser e de livremente se posicionar em relação a todas as opções. Se os gays podem manifestar-se quanto às suas práticas, nós, heterossexuais, também podemos. Ou será que não mais?

Ditadura Gay a caminho!
Ditadura Gay a caminho!

Vivemos um avanço do populismo-comunismo no Brasil que não quer contemplar a convivência pacífica entre as preferências políticas, sociais, sexuais ou religiosas. Os comunistas (principalmente do PT, que não têm moral alguma em sua maioria) querem passar como um rolo compressor, pura e simplesmente, sobre as bases sociais que cimentaram nossa sociedade, e extirpá-las de uma vez por todas! Se houveram excessos na história, cabe a TODOS negociar os termos de uma justa equalização nas relações sociais.