Sobre as Penas Eternas


É certo que a Palavra (Verbo) de Deus é imutável. Mas, quê fizeram dos ensinamentos de seu Filho os alegados Apóstolos deste, ensinamentos aqueles que, ao tempo de sua Paixão, ainda não poderiam ser totalmente expostos? Foram eles fiéis a tudo o que o Mestre ordenou ou sucumbiram aos próprios enganos?

Continue lendo “Sobre as Penas Eternas”

Outra vez, deixo o Mundo…


Buscando não perder o contato com meus amigos cristãos, trago à Luz, hoje, nova controvérsia dos Evangelhos para análise de todos. Obviamente, para alguns, tal controvérsia não é tão “nova” assim. Para outros tantos, é um tanto amarga e indigesta, tendo em vista seu apego ao ensino oficial estabelecido, do qual não conseguem se desatar nem por um milímetro, com receio de cair em “mortal heresia”.

Enfim, vamos aos trabalhos!

Continue lendo “Outra vez, deixo o Mundo…”

Considerações sobre o Karma


É claro que a Lei de Causa e Efeito (Lei do Karma) têm muito a ver com o determinismo dos efeitos das escolhas, mas… o determinismo que mais assombra e confunde é o relacionado às tendências instintivas manifestas nos mundo material.

Aqui somos também animais, influenciados o tempo todo pelos instintos físicos, reflexivos por si só. Então quando alguém diz prever o futuro, têm-se a impressão de que fulano determinou que aquilo irá acontecer, mas o que ocorre é que fulano calcula e vislumbra os efeitos futuros de uma tal tendência, levando-se em conta vários fatores psicológicos e ambientais. Por exemplo: uma pessoa deve atravessar um tal evento, uma doença grave. Essa pessoa é pouco espiritualizada. Então, pelas tendências, calcula-se que essa pessoa irá reagir de forma negativa, recusando-se ser atravessada pelos efeitos do evento, revoltando-se. Ser positivo nessa hora, não significa exatamente esperar pela cura. Isso já é instintivo, a esperança de sobreviver. Ser positivo é andar pra frente e enfrentar. Cumprir o que tem de ser cumprido.Se a pessoa se revoltar, vai estender os reflexos dos efeitos da tendência (a doença, nesse caso) por muito tempo desnecessariamente. Se aceitar, vai enfrentar, passar pelos efeitos passageiros e cíclicos da vida, falecer, se for o caso, ou viver, se for possível, e pronto!! Aquele nó será desfeito!! Mas quanto mais puxamos a corda, mais o nó se aperta!! É o instinto que age por nós nesse caso, e não a Razão.

O instinto é que se debate contra algo que temporariamente nos tira do conforto da matéria e nos traz a dor da matéria. Vejam os animais, os mais instintivos de todos: um gato, quando fica doente, ele não esperneia, ele aceita a doença e se retira para um lugar de paz, para penar sozinho. Aceita e a natureza faz o seu trabalho. Algums vezes se cura ou é curado, outras não. Afinal, “a morte é o trabalho da Vida”!! O Karma, para ser desfeito, depende de nos sobrepormos aos reflexos dos instintos. Se alguem me bater, eu devo me esforçar e não matá-la simplesmente. A Razão deve vencer os Instintos!!