Lenda Pessoal


Aqueles que já leram O Alquimista, livro do brasileiro Paulo Coelho, devem estar familiarizados com a expressão lenda pessoal. Se você ainda não leu este livro, mesmo que você não aprecie o Autor como pessoa, leia, pois vale a pena, ainda que eu discorde dele, atualmente, sobre vários tópicos.

Entretanto, tenho um entendimento diferente, trinta anos após visualizar as aventuras do pastor Santiago, acerca do que seja, de fato, a tal lenda pessoal.

Continue Lendo “Lenda Pessoal”

A ingratidão e a ira ainda imperam


Muitas religiões, ao longo dos últimos séculos, foram úteis no processo de refinamento moral (apesar de lento) da espécie humana. No entanto, no Ocidente, embora deficiente em muitos aspectos e auxiliada por conceitos do Oriente, a ritualística católica conseguiu imprimir no vulgo o imperativo hermético do equilíbrio entre as necessidades físicas e espirituais. Mais: eu não temo ser rotulado como coroinha por anticatólicos, nem como herege pelos católicos.

Continue Lendo “A ingratidão e a ira ainda imperam”

Carta às Almas envenenadas


A vós, Almas envenenadas, que, do Umbral terreno, me enviais sinais de fumaça preta, escrevo as seguintes linhas a fim de mitigar vossas ânsias.

Continue Lendo “Carta às Almas envenenadas”

De Sacro Officio (Sagrada Arte)


Daqueles que chamam o deus deste Mundo de Tributo, aprendemos que a Vida na Terra é um grande Mercado de trocas. Trocas de socos e beijos; comércio de valores e quinquilharias inúteis; intercâmbio de sensações.

Acaso, haveria algo de sagrado em meio a essa barganha diária entre os animais humanos e seus míticos criadores imaginários? Que há de superior na religião nutrida por nossos Corações?

Continue Lendo “De Sacro Officio (Sagrada Arte)”