De Sacro Officio (Sagrada Arte)


Daqueles que chamam o deus deste Mundo de Tributo, aprendemos que a Vida na Terra é um grande Mercado de trocas. Trocas de socos e beijos; comércio de valores e quinquilharias inúteis; intercâmbio de sensações.

Acaso, haveria algo de sagrado em meio a essa barganha diária entre os animais humanos e seus míticos criadores imaginários? Que há de superior na religião nutrida por nossos Corações?

Continuar lendo “De Sacro Officio (Sagrada Arte)”

Os Reptilianos e a Nova Ordem Mundial


Neste meu primeiro podcast em 2016, falo sobre um dos temas mais controversos, polêmicos do universo marginal chamado, injustamente, de “conspiratório”: Reptilianos e a Nova Ordem Mundial.

Como uma raça alienígena poderosa, numa galáxia cheia de planetas semelhantes à Terra, teria forjado todas as religiões existentes, fazendo-se adorar, chegando mesmo a forjar o temperamento e o DNA de toda a espécie humana terráquea? De aparentes “demônios”, teriam se transfigurado em seus opostos, os deuses, exclusivistas, sedentos por sangue e carne humana, controlando-nos como bovinos a servir-lhes c omo escravos e repasto.

Assista ao áudio no Youtube:

Continuar lendo “Os Reptilianos e a Nova Ordem Mundial”

No limiar da maldade


Esta semana, estive em uma sessão espírita da casa de Umbanda que frequento, entre idas e voltas, há uns 16 anos. Lá, a mãe Terezinha, sentada no “toco” da Vó Luiza, nos contava sobre um fato que ainda chocaria a muitos de nós. E me chocou, mesmo! Ela falava que na semana anteriior, ela descobriu que colocaram o nome dela dentro da boca costurada de um gato que foi seviciado (torturado) e cozido num caldeirão de magia negra.

Sacrifícios de animais: um crime contra a Natureza e renúncia à Razão!

Esse fato, obviamente, me revoltou. Senti uma repulsa imensa, uma tristeza lacerante, uma náusea que demorou a passar. Essa imagem em minha mente já causara um nojo tremendo, imagine o que não suscitaria o fato em si, e o sofrimento do animal. Para quem não sabe, tenho dois amigos gatos que crio. por aí, já vê-se como eu me senti…  Continuar lendo “No limiar da maldade”