É pena, não raiva


Eu não tenho raiva do povo brasileiro, eu tenho pena. Sem um pingo de soberba é que digo isso. É pena dessa massa e consciência de que esse povão é infantilizado, mentalmente subdesenvolvido.

Empreendedorismo para poucos


Vão me chamar de demagogo, eu sei. Mais: serei insensível, para uns; populista, para outros. Mas, à parte a velha disputa entre o liberalismo selvagem e o paternalismo social, devemos buscar o verdadeiro sentido do espírito dito empreendedor. Venha comigo!

Apocalipse tupiniquim

Bomb

O Brasil está perdido. O povo está perdido por ser desprezado e mal instruído. O Circo foi bem montado, a plateia se divertiu entre pipocas e gororobas ao longo desses últimos dois séculos. De repente, parece que a fumaça dos ilusionistas está a provocar um incêndio no Circo. Será o Apocalipse deste regime fraudulento, chamado República?

Dia de quê, mesmo? Independência?


Há muito tempo que articulistas na internet têm dificuldades em falar sobre algo ameno. Sintomático: assuntos tensos sempre nos chamam mais a atenção, nos deixam mais alertas, principalmente quando o que está em jogo é a manutenção de nosso precário projeto de civilização. Quando falamos em independência, então, sentimos vontade de chorar. E choramos, perplexos, olhos arregalam-se. Pausa para respirar.