A Tempestade


Você está vivendo numa boa, como se tudo fosse sombra e água fresca. Você trabalha, sai sempre com seu terno alinhado (ou não), vai com seu carro pela marginal da rodovia, sem pressa. Você não tem pressa. Afinal, tudo, aparentemente, vai bem.

O contrário, também é possível. Você pode estar desempregado neste momento, há alguns meses ou há mais de um ano. Faz biscate para pagar luz, água e aquela TV de plasma que você conseguiu no leilão da Receita, a preço de fim de feira.

Não resista!


Tempos como esses são especiais, em que verbos como resistir e cair andam em alta ( 😀 ), inclusive na Política. Mas, como verbos, essas palavras suscitam efeitos contraditórios, às vezes, de acordo com as nossas emoções e as contingências de nosso Caminho.

Por isso tudo, eu, que já vivi intensamente todas as contradições que eu poderia suportar, digo a você:

O Sol da meia-noite


Há quase um mês, em 21 de Junho, começou o Inverno, oficialmente, para os países do Hemisfério Sul, ao passo que, para os povos do Norte, teve início o Verão. Nos locais próximos ao Polo Norte, mais precisamente dentro da área do Círculo Polar Ártico, ocorre um fenômeno que sempre atiçou minha imaginação bem como me enlevava à inspiração poética. É o Sol da meia-noite. Vocês já ouviram falar a respeito ou sabem o que é?

.

O fenômeno ocorre nas proximidades dos pólos terrestres, durante o verão, quando o Sol pode ser visto 24 horas por dia. Isso acontece porque a inclinação do eixo da Terra em relação ao plano da sua órbita faz com que a luz solar incida quase perpendicularmente sobre os pólos, durante seis meses de cada ano. Entre outubro e março, o Sol da meia-noite ocorre no Pólo Sul; de abril a setembro, no Pólo Norte – pode ser presenciado, portanto, nos países da Península da Escandinávia (Noruega, Suécia, Finlândia e Dinamarca), além do norte do Canadá e da Rússia, em dezembro; e na Antártida em julho. Nos pólos propriamente ditos, tanto o dia solar quanto a noite duram um semestre inteiro.

Durante o verão, nunca anoitece completamente na costa da Noruega

Luz total

A cada seis meses, o eixo da Terra em relação ao Sol se inclina para um lado e depois para o outro. Isso faz com que, nos pólos, durante cada verão, a noite praticamente deixe de existir.

Fonte:http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-eo-sol-da-meianoite

.

Coletei algumas lindas imagens numa pesquisa que fiz no Google para mostrar a vocês a beleza de tal fenômeno. Tais imagens são, especificamente, de locais na Noruega, Islândia e Lapônia (província da Finlândia), onde o fenômeno é melhor observado. Imaginem-se em locais como esses onde, por alguns dias, não anoitece, as pessoas podem sair para curtir a paisagem e apreciar o insólito curso do Sol sem que ele se ponha!

Imaginaram? Então apreciem as imagens abaixo e acessem esse link da Real Embaixada da Noruega no Brasil para mais informações e dicas de viagens.

Carpe noctem!

.

Pressentimentos, apocalipses e tempestades solares


Preciso confessar a vocês: estou intoxicado com essa atmosfera apocalíptica dos últimos acontecimentos e desastres naturais. Mas, por que será que isto está me ocorrendo? Será que somente eu é que ando tendo sonhos e pressentimentos sugestivos quanto a catástrofes? Ou será que tudo isso não é somente reflexo de minha crença de que somente uma série de mudanças globais pode fazer o homem descer do pedestal de egoísmo e falta de fraternidade?

Muitas pessoas falam de aquecimento global, comentam a extinção das espécies animais, envenenamento das águas e contaminação radioativa. Exaltam a importância das guerras internacionais, como se matassem, proporcionalmente, mais do que mata o trânsito brasileiro ou a fome na África. Temem a morte e adormecem como crianças, sem saber que o próprio sono é um ensaio para a morte, o fim do ciclo diário de atividades.

Eu realmente acredito que poderíamos levar nossa evolução nesse planeta de uma forma mais sadia e pacífica. Isso é óbvio! Mas, como nos fala nosso senso comum, a Luz não seria tão resplandecente se as Sombras não lhe dessem combate; o alimento não se faria tão essencial se não fosse a sensação de vazio no estômago, e o carinho, se não fosse a necessidade de amarmos e sermos amados.

Tenho a sensação, e várias vezes isso me ocorreu à mente em momentos insólitos, de que a humanidade será exaltada (e depois purificada) depois que sofrer uma grande queda. O homem não aprendeu a se erguer moralmente por sua própria grandeza e potencial, por sua faculdade mais nobre, que é a liberdade de escolha, em boas ou más condições. Um grande baque se anuncia, um grande expurgo, uma separação do joio e do trigo, a nível espiritual.

Todas as grandes culturas do passado, não obstante a incredulidade fanática da Ciência Moderna, nos mostraram que o Tempo é composto de ciclos. Maias, judeus, egípcios, gregos, hindus e outros tantos profetas e visionários, nos indicaram os sinais dos Tempos e o fechamento de seus ciclos. Ainda que nenhum dos fatos “profetizados” para o fim do atual ciclo viesse a se concretizar, eles teriam o conteúdo emocional capaz de resgatar o senso comum de Fraternidade entre os homens, dentre outras virtudes. Mas, sinceramente, acredito (ou melhor, intuo e pressinto, há muito tempo) que importantes e decisivos acontecimentos estão em marcha.

Dentre todas as profecias apocalípticas que estão sempre em minhas visões noturnas, por sonhos e intuições relacionadas, está a Profecia Maia, não somente pela precisão científica impressionante daquele povo, mas pelos “sinais”, coisas que vão se juntando e formando uma corrente de pensamento vigorosa. Vigorosa, e cada vez mais nítida e compreensível.

Tudo que eu sei sobre a Profecia Maia pode ser relido, clicando-se neste link.

O que quero ressaltar neste artigo é o perigo que as Tempestades Solares representam para a vida no Planeta. O Sol tem ciclos de máxima e de mínima atividades. A máxima atividade, também chamada de máximo solar, costuma se repetir, em média, a cada 11 anos. As tempestades solares, mais intensas e frequentes nos períodos de máximo solar, são emissões de bilhões de toneladas de plasma solar e partículas ionizadas. Quando atingem a Terra, são responsáveis, mais comumente, pelas auroras boreais, que se formam pela sensibilização da Ionosfera terrestre.

Lembremos: o diâmetro do Sol é mais de cem e vinte vezes maior que o diâmetro terrestre. Ele é gigante, um “pum” bem direcionado do Sol em direção à Terra, sem a proteção do Campo Magnético Terrestre, que nos protege também dos raios cósmicos e ultra-violeta, pode nos torrar, nos fritar, nos derreter. Sem contar que  tempestades solares têm comprovada influência no aumento do número de terremotos e erupções vulcânicas, alterando regime de ventos e, mais raramente, na formação das marés. Lembram-se dos terremotos da Nova Zelândia e do Japão? Foram precedidos, ambos, por duas emissões de massa coronal solar (ventos solares).

Segundo o site Apolo.com, o próximo máximo solar terá seu auge entre o final de 2012 e início de 2013! Interessante que agora a Ciência parece, muito a contragosto, fornecer elementos para a teoria da profecia maia sobre o fim das eras.

Tempestade solar sobre campo magnético da Terra.
Ação de uma tempestade solar sobre o campo magnético da Terra.

A NASA não colocou o observatório SOHO em órbita, para observar o Sol, apenas para colecionar imagens! Eles estão preocupados com o próximo aumento de atividade solar e o enfraquecimento vertiginoso da intensidade do campo magnético terrestre. Uma tempestade magnética solar,  com aprendemos em Física na escola, tem polos sul e norte. Se a tempestade atinge a Terra na direção Norte, haveria estragos, mas nada comparado se nos atingisse na direção Sul. Concretizando-se a última hipótese, as centrais de comunicação sairiam do ar, juntamente com os satélites. Logo após, as usinas elétricas e suas redes de distribuição entrariam em curto-circuito, por radiopropagação. A maior parte do planeta ficaria às escuras, por dias, ou até meses e anos. Hospitais e redes de abastecimento de água também entrariam em colapso, bem como toda a produção humana (alimentos, bens duráveis e não-duráveis, remédios, combustíveis, etc.).

Isso tudo seria o menor de nossos pesadelos. Se o campo magnético, inerte, sofresse uma segunda tempestade seguida, o vetor magnético do Sol poderia forçar a inversão não só dos polos magnéticos, mas dos geográficos também. Primeiro, o que é inimaginável, a rotação da Terra pararia, tudo pararia, sem dia ou noite, por alguns poucos dias. Depois, numa guinada, o planeta começaria a virar de uma vez como que de ponta-cabeça e voltando a girar no sentido contrário ao de hoje. O que isso significa? Se o planeta é uma casca de ovo rodopiando, totalmente fragmentada em pedaços de casca (placas tectônicas), sobre uma gema (núcleo líquido), então, como resultado da força da inércia, o núcleo pararia, mas a Crosta terrestre (as placas tectônicas) não pararia ao mesmo tempo, mas teria suas placas arrojadas umas sobre as outras, afundando uns continentes e erguendo outros novos.

Bem, é isso!

%d blogueiros gostam disto: