Castelos de areia


As imagens não são permanentes. Elas são como vapores trabalhados pela mente. Porém, essa noção é desconcertante. Estamos aqui, encarnados no Mundo, buscando edificar imagens permanentes (projeções) para descobrir, enfim, que elas se desfazem. No mínimo, poderíamos dizer que são frágeis como dentes-de-leão. O vento favorece sua formação, dá-lhe o toque delicado e, enfim, sacrifica sua imagem, desfolheando-os.

Continue lendo “Castelos de areia”

Meu último leito


Não nos damos conta, mas morremos, de certa forma, ao fim de todas as noites. Vinte e quatro horas de um ciclo que parece, por vezes, não ter fim. Cansamos do dia, cansamos da vida que levamos. A vida pesa; corpo e mente sofrem. A Natureza vem e nos concede um recover para os membros, para os olhos. Dormimos. Milhões de vidas celulares repousam, alguns para acordar no dia seguintes e outros para dar lugar às novas vidas.

Continue lendo “Meu último leito”