O que lhe (me) faz feliz??


Algumas vezes, quando eu era mais jovem do que ainda sou hoje, me perguntava o que me fazia feliz…ou o que me faria feliz no futuro. Eu via com medo um futuro de empregos estáveis demais, uma família que me seguisse em todas as festas, uma casa para sustentar e outros prazeres “incômodos” da vida de adulto. Eu queria não estar em lugar algum por muito tempo, estar por muito tempo com a mesma pessoa, trabalhar muito tempo em um mesmo lugar, sentado todos os dias na mesma cadeira. Eu queria era liberdade…

Até aí tudo bem!! A juvntude traz consigo o fogo próprio das paixões instáveis, os desejos extravagantes, o horror e aversão a tudo que é, pelo menos aparentemente, parado.

Mas amadureci. A princípio, isso me entristeceu, pois vi aquela paixão toda, que me caracterizou por boa parte da minha vida, se amainar. Hoje vejo que isso não era propriamente ruim; apenas a paixão foi direcionada para um foco diferente, como se eu mudasse os óculos sem “trocar” de olhos. Passei a desejar uma vida segura, pois já não podia, como era quando semi-adulto, chegar em casa e saber que certamente haveria comida na mesa. Tinha agora que trabalhar e ir atrás de um emprego estável, e não mais perambular e trocar de empresa a cada 6 meses. Me casei. Quem casa quer casa. Com um emprego mais estável, contraí os empréstimos para construir uma casa. Terminamos de pagar a casa, quisemos melhorar os móveis. A sensação que temos é que as necessidades não cessam de nascer.

Mas é a vida, como ela é. Morrem seres, nascem mil outros, sem cessar na vida. Pois a vida não é sossego, é AÇÃO.  Mas, com o tempo, essas ações têm que se firmar em possibilidades cada vez mais calculadas.

É isso que eu queria para minha vida?? Não, não era… Disse que não era, mas que agora passa a ser, pois esse é o ritmo da vida. Não adianta querermos ser pra sempre adolescentes, tentar frear os sinais da idade, correr como um menino aos 40 anos, esquecer a vida real na terra firme para viver ilusões nas nuvens que passam e mudam de forma.

Quando jovens, a irresponsabilidade era inerente, e até tolerável, à própria adolescência. Pode a árvore adulta instalar suas raízes dentro de um recipiente de semente?? Viver a vida real, correr atrás de bens duráveis para a família e para a segurança do lar, não é de forma alguma renunciar aos sonhos de adolescente (ser ator de TV, subir o Himalaia ou ser astronauta), pois na verdade quando éramos adolescentes sonhávamos mesmo era em sermos adultos.

E cá estamos, adultos!! Todos os que se recusam a acompanhar os ritmos da vida, crescimento, amadurecimento e envelhecimento, acabam sofrendo, cedo ou tarde, com as decepções. Chegam à velhice, sozinhos, sem ter realizado nada de concreto, viciados, recalcados, mais dos que aqueles a quem criticavam. E não viveram a vida, a vida como ela é, e sempre deve ser. Sem delírios, a vida que traz mais felicidade, a vida como a vemos em toda a natureza.

Essa é a pergunta que vos faço: o que pode fazer uma pessoa mais feliz do que poder fazer, mais do que o que se quer, o que se deve fazer?? Poder responder no futuro com algo concreto, duradouro, e não apenas como uma lembrança de um acampamento de verão?? O que pode ser mais satisfatório do que a sensação de dever cumprido, de  algo nobre e grande, de uma obra de vida, de algo real e mais que imediato??

Feliz aquele que constrói sua casa na rocha!!

Grande Fênix (in memoriam de Neda Soltani)


Neda Agha Soltani: heroína das mulheres iranianas.

Vôe Neda,

Nas cinzas do esquecimento

Não hás de ficar imersa;

A Grande Fênix,

Chamada Esperança,

Persistente,

A última remanescente

De toda Criança,

Te levará ao sublime firmamento,

Sobre um lindo tapete persa.

 

Vôe Neda,

Não há buraco, não mais,

Em teu coração de diamante.

Por ti seguimos, todos, adiante,

Lutando, gritando, pedindo paz.

Ainda que esperemos a todo instante,

Pelo Navio da Liberdade, grande e possante,

Por toda a Vida, neste solitário cais.

M de Mulher, de Mães do Mundo.


Esta noite estava pensando, e uma foto não saía da minha cabeça. Incrível como, realmente. algumas imagens têm o poder de falar mais do que todos os discursos do mundo!! A imagem da qual falo é aquela que achei para ilustrar os dogmas desumanos e machistas de certas religiões acerca do adultério feminino e sua respctiva punição. Consta do meu post anterior, Imagens literais, dogmas que falam por si , aquela em que a infeliz mulher é executada publicamente pelo Taliban, no Afeganistão, acusada de adultério.

Em homenagem a todas as mulheres, e a inspiração das Musas me auxilia, resolvi postar uma poesia esta noite e  imagens que denunciam as crueldades desumanas sofridas por essas mulheres, que por nada são justificáveis, assim como exaltar a beleza contida nos olhos dasMães do Mundo“.

Mulher, Mãe do Mundo

O tempo passa velozmente
e a mente quente prepara
o gesto simples e carinhoso
que a mulher possui.

Olhar do Mundo

Em qualquer momento,
num ou noutro pensamento,
sua beleza reluz, conduz e traduz
o real significado da vida.

mae iraniana

Dela, vem os frutos tidos,
que, amadurecidos, a esquecem.

Dela, vem a compreensão
quando por ela chamamos.

Dela, vem todo o amor
sem cobrança, sem dor.

Dela, vem a saudade
quando a perdemos.

Dela, ela sabe de tudo
e só nós é que não sabemos…

*******

Fonte da Poesia: http://www.pucrs.br/mj/poema-mulher-53.php