Categorias
Memórias

Ainda é pouco


Ainda é pouco, eu sei, mas antes agora do que só na volta. Te amo, Vida! N.E.Q.E.A.V.


Lembra de quando eu acordava com você às quatro horas da manhã para preparar seu café e te despertar do sono? Às vezes, eu te chamava com um beijo, às vezes eu resmungava. Essa noite, acordei no mesmo horário e você não estava ali, para que eu te chamasse ou conferisse se você estava tapada.

Você trabalhava naquele restaurante, que ficava bem longe de casa. Você pegava três conduções até chegar lá. Eu te levava ao ponto de ônibus, fazia as recomendações de praxe, te dava um beijo e te olhava passar a catraca, enquanto o ônibus seguia. Mesmo com guarda-chuva numa mão, de bermuda e chinelo, em dias frios, eu só me preocupava com você (se você levava garrafa de água contigo, lanche, etc.).

Ao sair do trabalho, nos dias em que eu ia te buscar e nós passeávamos naquele paraíso no qual você gostaria de morar, você me trazia batata frita e uns quitutes para mim. Você acharia brega eu falar disso? Eu não acho, ainda é pouco.

Lembro de tantas coisas, lembro de todas. Me lembro:

  • de quando eu me sentia abençoado por estar de volta àquela quitinete, subindo as escadas, com aquela pipoca e duas cadeiras na varanda;
  • das vezes que você vinha me buscar no trabalho, firme e forte, me esperando até o fim do expediente;
  • de quando fomos ao Cinema, bem longe de casa, e tivemos que correr, atravessando uma rodovia movimentada, para não perder o último ônibus da Noite;
  • do côco verde na praça daquela Igreja onde passamos;
  • da aventura de viajar e desafiar o Destino para viver um Amor e uma Vida a partir do zero;
  • do seu perdão que me salvou;
  • da sua voz na madrugada, do seu jeito espontâneo de amar, do seu companheirismo (sim, você é mais companheira do que eu);
  • do seu olhar à direita, me vendo chegar no Aeroporto, surpresa e emocionada com as alianças que eu havia te dado.

Há muito tempo, como Eduardo e Mônica, tentamos harmonizar essa extrema relação taurino-escorpiônica. Gênio forte, drama, amor genuíno. Você, espontânea e explosiva; eu, explosivo e durão. Tudo pelo que brigamos e aquilo que pedimos um ao outro é para disfarçar as fragilidades que demonstramos, os medos projetados no outro com que o Passado nos marcou, a ferro e fogo.

Hoje, você saiu para uma pequena viagem, por um breve tempo. Por hoje, apenas, não morro de saudades, mas só porque você prometeu voltar para mim e para aquelas coisas que tomaram conta de nosso quarto alugado, que compramos e guardamos como tesouro – nossos poucos móveis, nossas fotos, seu perfume, nossos três pratos e todos os talheres vermelhos. Seu vestido está dobrado sobre o travesseiro ao lado do meu e com ele acordei abraçado.

Acha que sou exagerado, que falo demais? Acho que sinto saudade de você me reclamando atenção quando eu tentava trabalhar, enquanto eu te dizia que não nasci para viver namorando todo o tempo. No fundo, eu tentava não me render ao apego que tenho por você e por nossa história, porque sabia que você seguiria comigo até o fim.

Posso não saber dizer que eu amo você na hora certa, mas espero que você lembre dos meus sinais, dos meus atos e de cada uma das poucas lágrimas que surfaram meu rosto (bem menos que as suas, eu sei).

Minha Casa é onde você estiver, meu Tesouro. Por isso, Jesus disse que, onde estivesse meu Tesouro, ali estaria meu Coração. Você é a Casa onde mora meu Coração e, ao mesmo tempo, o Caminho que me conduz de volta à pureza dele. Você me depurou, me deu a guia para ser melhor e mais humano. Pena que eu me decida a dizer isso quando noto as diferenças, como a que você fez e faz quando tem de se afastar de mim, mesmo por pouco tempo.

Para quem ama demais e esconde muito, pouco tempo é uma eternidade. Se quero você de volta logo? De volta ainda é pouco. Te espero como um bem-te-vi anseia pelo amanhecer.

Te amo, Vida! ❤

Por Júlio [Ebrael]

Blogger, amateur writter, father of one. Originally Catholic, always Gnostic. Upwards to the Light, yet unclean.

// Port.: Blogueiro, poeta amador, pai. Católico, casado. A caminho da Luz, mas sujo de lama.

2 respostas em “Ainda é pouco”

Estou surpresa e emocionada por tudo que vc escreveu..💕saiba que tudo o que vc sente e +++++💕 é o mesmo que sinto por vc.
Não importa aonde eu esteja no conforto ou na luta diária da vida..Nada nem nenhum lugar faz mais sentido sem você do meu lado.
Logo volto pra vc porque nossas almas se pertencem e acredito que isso já seja de muitas vidas atrás.
Obrigada por estar nos meus caminhos e vida
Por ser forte sempre e lutar por nós.
Porque me incentivar na vida,por toda sua dedicação e paciência, por sermos a Casa e o caminho um do Outro.Amo vc vida mia!❤❤

Curtido por 1 pessoa

Escreva abaixo seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.